terça-feira, 6 de junho de 2017

O REAL E O FRANCO


Se o Plano Real tivesse acontecido nos Estados Unidos, já haveria uns cinco filmes sobre sua elaboração e implantação, alguns deles vencedores do Oscar ou do Emmy. Mas aqui no Brasil não temos a cultura de dramatizar a nossa política, ainda mais se ela for recente. Quando surge alguma obra no gênero, ela não passa de propaganda mal-disfarçada. Foi o caso de "Lula, o Filho do Brasil", e também é um pouco o de "Real - o Plano por Trás da História". O filme é abertamente a favor da moeda nova que acabou com a hiperinflação, em 1994, embora também mostre a crise de 1998. Até aí tudo bem: é necessário um ponto de vista para se contar uma história. Mais grave é o fato de "Real" não ser exatamente sobre o real, e sim uma biografia do economista Gustavo Franco. Por que ele foi escolhido como o protagonista dessa trama? Foi uma opção dramática ou uma estratégia de marketing? Sob o patrocínio de quem? Mais grave AINDA é que se trata de um filme bem ruim. Com diálogos forçados, direção pouco inventiva e atuações mal dirigidas. A coisa tá feia quando a melhor atriz em cena é a Paolla de Oliveira.

16 comentários:

  1. Uma aposta golpista tão séria que é difícil pensar que permitirão que as eleições de 2018 desfaçam tudo que foi tão astutamente planejado. Como mostrou o filme Bastardos Inglórios (2009) de Tarantino, após cada invasão relâmpago nazista em países como a França, junto com os oficiais seguiam rolos de filmes alemães para serem assistidos compulsoriamente pelos vencidos

    ResponderExcluir
  2. Esse grande arco golpista político-jurídico-midiático não está para brincadeira, quanto mais nos dirigimos à direita vemos uma aplicação mais eficiente das armas da comunicação

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. por sorte tenho a convicção que um filme com a Paola de Oliveira como protagonista tem enormes chances de ser bem ruim...

      Excluir
    2. e a propaganda tucana estreia justamente quando explode as delações da JBS sobre o Aécio.Sinistro sinistrooooooooooooooooo

      Excluir
  3. Dá uma vontade de mudar pra Argentina...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu Uruguai, antes que os brasileiros o descubram...

      Excluir
  4. Kkkkkkkkk poxa Tony e vc ainda esqueceu de falar do filme do O de Carvalho?

    Esse nosso Brésil é uma piada das melhores :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse do Olavo eu não vou ver nem a pau.

      Excluir
  5. O mio babbino caro
    O grave é que, o que não temos é Cultura...dramática" diga-se de passagem...tão pouco técnica. Aonde está o nosso grande Diretor cinematográfico. Arrisco a dizer que o que nos falta é coragem de encarar as coisas e os fatos, como realmente são. Se abordamos algo, sempre douramos pílulas. Resultado, numa linguagem bem aéciana, uma Bosta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aposto que vovó está falando mal mas nem viu o filme.
      Patética, as usual.

      Excluir
    2. Isso me ama e deu para ter bola de cristal rs

      Excluir
  6. Me deleito quando vejo aqui comentários enaltecendo a era Lula/Dilma. É quando temos certeza que muitas pessoas que se acham importantes na verdade são somente losers.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Procurei os comments enaltecendo Luladilma, e achei 0. Vc tem algum problema, menino. Recomendo aprender a interpretar texto.

      Excluir
  7. paolla, atriz? desce a cortina, rápido. e aumenta o som. Aff.

    ResponderExcluir
  8. Gente a paola em o profeta estava excelente, em ciranda de pedra tambem... alguns papeis de mocinha realmente sao boring mas ela nao é uma atriz medíocre definitivamente

    ResponderExcluir
  9. terrível o trailer urghhhhh um bom elenco desperdiçado num pastiche de filme político hollywwodiano

    ResponderExcluir