domingo, 18 de junho de 2017

A PARADINHA-AH-AH-AH-AH

Cheguei às 14 horas e me instalei numa ilha no meio da Paulista, em frente ao prédio de um amigo meu. Chamei o dito cujo e assistimos juntos ao desfile de todos os carros da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo. Eu nunca tinha visto o desfile inteiro, do começo ao fim. E não posso dizer que adorei: os primeiros carros me pareceram beeem pobrinhos. Um deles nem faixa tinha, só umas bichas desanimadas em cima. As celebridades só começaram a aparecer da metade para o fim, a partir do carro da Daniela Mercury, que virou obrigatória em eventos do gênero. Avistei Rogéria, Fernanda Lima e Fafá de Belém, esta última cantando no trio do filme "Divinas Divas". Mas me chamou a atenção a ausência de políticos - alguém viu algum? Onde se meteu a Marta Suplicy? Jean Wyllys tampouco veio. E o Dória avisou que ia viajar, mas gravou um vídeo saudando as guei para sua página no Facebook (onde foi imediatamente massacrado). E a Anitta, onde parou? Saí às quatro e meia com a sensação de ter visto uma parada animada, sem problemas, mas também sem uma trans crucificada para entrar na história. Também não ajudou o tema quilométrico, impossível de caber numa hashtag: "Independente das nossas crenças, nenhuma religião é lei. Todos e todas por um Estado Laico'.  Me chamem no ano que vem, prometo que escrevo coisa melhor e não cobro nada.  Mas, enfim, vinte anos depois da primeira edição, a Parada de SP está mais que incorporada à rotina da cidade. Felizmente, parou com aquela bobagem de inflar seus números ano a ano: ela continua gigantesca, maior do que qualquer similar no mundo. Dessa vez o que mais me impressionou, na verdade, foram turmas de garotos e garotas bem novinhos, com cara de que tinham vindo de longe, todos dançando animadíssimos. Se essa energia for canalizada não só para a festa, mas também para o voto, não estaríamos mais debatendo se família só pode ser formada com um homem e uma mulher.

32 comentários:

  1. Aqui em Portugal, a parada, que foi ontem, continua pequena. É um trajeto curto, com poucas pessoas, carregando cartazes e gritando palavras de ordem. No ponto final, as trocentas instituições participantes fazem seus discursos de reivindicações. Não tem politico, não tem carro de boate, não tem fervo, nem os padroezinhos. Apesar de tudo, é um pais com mais conquistas de direitos e aceitação social. Ainda não sei se a parada é pequena por isso, ou se no fundo eles são travados mesmo e vão se jogar em Madri.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. https://www.publico.pt/2017/05/15/sociedade/noticia/portugal-entre-os-paises-que-mais-protegem-lesbicas-gays-bissexuais-1772110
      Pois é, não precisa de uma Parada enorme para lgbt ser protegido. já aqui no brasil...

      Excluir
  2. O mio babbino caro
    Este ano não te vi, mesmo que de passagem como já aconteceu, muito me honra rs. O público desta vez me pareceu maior que as outras vezes, realmente maior. O 1º Jogos da Diversidade LGBT organizado pelo CDG Brasil – Comitê Desportivo LGBT, No Complexo Desportivo do Ibirapuera, NO sábado, durante todo o dia. Sse mostrou como algo muito muito valioso e consistente, assim como o é a Cerimônia de Entrega da 17ª Edição do Prêmio Cidadania em Respeito à Diversidade da Associação da Parada LGBT de São Paulo, que pelo segundo ano aconteceu na Academia Paulista de Letras...
    Não entendi o tempo dos verbos: Se essa energia "for" canalizada/ não "estaríamos" mais debatendo...
    PRIDE!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara, gosto das suas ideias, mas essa sua introdução "o mio bambino..." bla bla bla; já encheu o saco.

      Excluir
    2. 22:03 "Caro" Amigo, desconsidere, isso é só um titulozinho no alto da página. Começou como uma brincadeirinha a toa e foi fondo foi fondo e ficou rs, deve ter algo errado, quando tão pouco incomoda tanto, babbino, é pura diversão. Mesmo porque, Tony já deixou claro que não é paizinho de ninguém aqui. O bom nisso é saber de alguém com afinidade (eletiva) nesse mar de secessão.

      Excluir
    3. "O mio babbino caro" é a maneira que ele encontrou de se identificar sem precisar sair do anonimato.

      Excluir
  3. Concordo com o q vc disse e,pelo menos,tinha muito mais gente q anos anteriores. Ah eu me diverti muito,muito,muito...

    ResponderExcluir
  4. Jean tem lealdade a cuba em primeiro lugar, desculpa, mas é a mais pura verdade. Marta deve ter tido medo de comparecer, pmdb sabe, mas não deveria, afinal ela é a pioneira por apresentar projeto de proteção a gays no congresso. Doria, é um babacão.
    Li que circulou pela parada panfletos antitemer. ok, a parada é isso mesmo, um evento político, portanto deve se posicionar. No entanto, surpreende que outras edições da parada não tiveram panfletos denunciando governos do pt. E não, não é coisa de antipetismo, apenas uma constatação. o pt no governo nada fez para proteger gay, se aliou a partidos reacionários como psc, prb, e por aí vai, uma simples pesquisa no google vai mostrar que figuras nefastas como marcelo crivella e tantos outros foram até ministros de governos petistas, isso sem falar dos cargos que homofóbicos ocuparam nos outros escalões de administrações petistas. Foi durante os governos petistas que a explosão de violência contra gays mais cresceu neste país, e sobre isso o pt nada fez. os panfletos na parada nada mais são do que aquele pensamento entre gays que o pt é o partido que defende lgbt e o resto é tudo homofóbico. Não é isso não irmãs. o pt como defensor de direitos lgbt é uma farsa. e quem pensa que só esse governo de merda do temer é homofóbico, é idiota mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado colega, é por pessoas como vc e Tony que voltamos aqui todo dia, e não as charretes petistas e psolistas loucas fanáticas ditaduras.

      Excluir
    2. Vc é lk, peles assim!

      Excluir
  5. Eu acho que o Temer é inocente e espero que ele consiga desfazer todas estas acusações. Tem meu voto em 2018. Força PMDB!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É ironia ou é sério?
      Acredito que só pode ser ironia.

      Excluir
  6. temer meu conterrâneo desde o líbano é inocente sim. a inocência dele vai botar 1 milhão de muçulmanos pra dentro do brasil, e um deles vai enfiar uma bomba atômica no seu cu, senhora 22 e 12, outro vai tatuar puta infiel e devassa na sua testa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quebrei a moto dele sim! Fintchy reais!

      Excluir
    2. 10:34 0 babado é certo!

      Excluir
  7. Tony,falando em nome grande, o que você achou da peça do Thammy? Por favor, dê umas dicas para o boy, foi uma sucessão de erros: um diretor que não é conhecido, dei um Google, o cara não existe como diretor, fazer um surfista, estando gordo,o nome da peça é um livro de tão grande, por favor, nos diga alguma coisa. Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não vi a peça e sei bem pouco sobre ela. Dos envolvidos, o único de quem eu já tinha ouvido falar é o próprio Thammy. E não vou me meter em briga alheia, ainda mais numa onde as partes se acusam mutuamente de roubo.

      Excluir
    2. Tá certo, obrigado seu lindo.

      Excluir
  8. Que continue crescendo a ada ano, em público, relevância e conscientização. Sem perder, claro, a parte da festa.

    Só fico #chateado com as reportagens que destacam sempre "o colorido, as fantasias, a alegria, a irreverencia...", mas compreendo que é uma forma de chamar a atenção também. Melhor assim que ser um bando de revoltados rabugentos simplesmente reclamando.

    Quem sabe ano que vem apareço por lá!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Destacam algo que existe e está lá, não estão inventando nada, inclusive a escolha pela alegria é do próprio gay.

      Excluir
  9. O Jean estava na Pararada sim.


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele é tão inexpressivo e ridículo que ninguém notou.

      Excluir
    2. 18:17 Esses tipo de comentário é de um mau-caráter, mesmo porque, se queira ou não, isso não é verdade.

      Excluir
    3. Eu acho e vc não vai me impedir de achar.

      Excluir
    4. 19:58 Tão pouco isso muda o fato. Cada um é livre para o delírio que escolher, ah, lembranças da lua.

      Excluir
  10. Adoro! Precisamos de mais ativistas, que entendam que o ativismo está em cada gesto do cotidiano. Mas só tenho visto bichas se iludindo no mundo das drogas, entre K e G. Não dá! Menos tempo com essas porcarias e mais ativismo! Mais vida e menos caveira!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ser viado ainda é uma barra, e tem muitas que se matam lentamente e até inconscientemente.

      Excluir
    2. Joanne, vc tem que escolher novas amizades, nem todo gay vive de boate e dorgas, acredite.

      Excluir
  11. "turmas de garotos e garotas bem novinhos, com cara de que tinham vindo de longe, todos dançando animadíssimos" = reinou a macacada feia e fedida.
    PASSO LONGE.

    ResponderExcluir