quinta-feira, 4 de maio de 2017

TE ACHO FEIA, DESCULPA

Tá rolando um feud divertidíssimo lá no lado esquerdo da internet brasileira, envolvendo a jornalista Cynara Menezes (do blog Socialista Morena) e a ex-Secretária de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo Djamila Ribeiro, feat. a blogueira-problema Stephanie Ribeiro. Tenho uma certa preguiça de explicar como tudo começou; basicamente uma estava acusando a outra de roubar o "lugar de fala", até que a conversa descambou para uma quase troca de insultos nível pré-primário (quem quiser entender melhor deve ler este artigo de Raphael Tsvakko Garcia). A treta ainda está em andamento, mas por enquanto a derrotada é Djamila, que se saiu com um inesquecível "quem em sã consciência diria que eu sou feia?". Eu até acho ela bonita, mas agora também penso que não é muito inteligente. 

24 comentários:

  1. O mio babbino caro
    Será que algum dia pessoas de "raça" diferentes conseguirão discutir sem falar de "raça".
    Serena Willians está grávida e a inquietação está no ar... Ela é negra, será atacada. Se responder, será atacada. Beyonce e sua filha Blue Ivy de 4 anos, aparecem em público, são atacadas (“mas ela é feia e essa é a minha opinião". Djamila aparece: "hahaha te acho feia. desculpa", Fred o ATACANTE marcou 4 gols contra o Sport Boys...

    ResponderExcluir
  2. Às vezes construímos sonhos em cima de grandes pessoas... O tempo passa e descobrimos que grandes mesmo eram os sonhos e as pessoas pequenas demais para torná-los reais!

    ResponderExcluir
  3. Celular comenta e sexo curte , eai qual vcs preferem ,

    ResponderExcluir
  4. A vida é tão curta, tão momentânea... E você a está desperdiçando em discussões?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 23:52 A vida é tão curta, tão momentânea... E você a está desperdiçando julgando o que os outros fazem na vida?

      Excluir
    2. 04:45Imagine esta situação :As montanhas são móveis, as nuvens não!

      Excluir
    3. 04:45 Evite ver um idiota todos os dias - quebre o espelho! Enquanto você ficou lendo esta mensagem, o Bill Gates ganhou + US$ 1 milhão!!!

      Excluir
    4. De quando em quando aparecem uns tipo, tipo não sei.

      Excluir
  5. Alucynara e Djamila são de esquerda? Achei que fossem apenas lunáticas.

    ResponderExcluir
  6. O que permeia essa treta é mais ou menos o assunto de Cara Gente Branca do qual estamos esperando post seu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara Gente Branca
      Os "brancos" brasileiros, não tem suporte para esse assunto...consegue imaginar. Deixa isso para a América. O efeito Orlof aqui, são de cinquenta anos Salve o complexo do alemanistao ou

      Excluir
  7. 3 imbecis.
    Um dia achávamos que o mundo seria melhor se governado por mulheres.
    Está aí a prova de que mulheres podem ser tão idiotas como homens.
    Vide a anta Dilma.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sabendo que o valor de x é igual a 1, qual é a lógica dessa equação?

      Excluir
    2. esconda seu penis, voce está sendo filmado

      Excluir
  8. Essa é a esquerda que a direita gosta.

    Os discípulos de Olavo de Carvalho e Bolsonaro estão justamente querendo esse tipo de treta pra que a esquerda seja enfraquecida.

    Triste...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Porque as pessoas loucas o bastante para acreditar que podem mudar o mundo, são as que o mudam.

      Excluir
    2. Errar é humano. Colocar a culpa em alguém, então, nem se fala.

      Excluir
  9. A Djamila é conhecida por dar essas respostas super infantis. Ela é um símbolo do feminismo negro, que pelo jeito carece de melhores ídolos. Ela escreve mal, tem dificuldade de argumentar e sempre apela quando é questionada.

    ResponderExcluir
  10. Para mim, símbolo do feminismo negro é Audre Lorde. Mas aí seria exigir demais das ocas.

    ResponderExcluir
  11. Impressionante como a tal da Djamila provoca o efeito contrário que nomes como os Racionais Mcs,Public Enemy e todo rap provocavam. Os rappers eram radicais, apontavam o dedo e falavam verdades, mas conquistavam apoio e o respeito do povo negro e também da maioria dos brancos da classe trabalhadora nos anos 1980 e 1990, que passaram assumir e a repensar o racismo na sociedade partir desse tipo de musica e cultura, fortalecendo essa luta nas últimas décadas. A Djamila não consegue fazer isso, pelo contrário, não sei se ela tem apoio dos pretos e das pretas (não me parece tão conhecida quanto Mano Brown), mas com esse tipo de abordagem preconceituosa, afasta todos os brancos pobres das lutas periféricas, e os coloca no colo ideológico de Trump's e Bolsonaro's. O resultado tá ai. A esquerda precisa se repensar, e se reconstruir, para resolver tais questões. E isso não será agora. Vem só, duas pretas brigando, uma chamando a outra de branca, e a outra sendo tachada de feia, além do ridiculo de ficarem se escondendo atrás de nomes como da eurocêntrica Havard ou de normas elitistas de escrita. Duas paia. Vão se foder!

    Viva toda a classe trabalhadora, independente de gênero, cor de pele e origem étnica!

    ResponderExcluir
  12. A Djamila traz informações que nunca vi em nenhum lugar e propõe discussões bastante interessantes no blog dela na Carta, meio como Tony faz. Não conheço muito do trabalho das outras duas. Sobre essa discussão, acho que também não faz sentido esperar que pessoas de esquerda ou ativistas ou quaisquer pessoas sejam perfeitas, ou aproveitar uma discussão que ocorreu para desmerecer o trabalho ou a inteligência de alguém. Parece até que só ficam esperando um deslize para atacar alguém que mais ou menos por alguma razão vem incomodando. Se me divirto com Feud? Claro! Mas já admirei tanta gente foda que se odeia ou que paga mico em público, e não deixo de admirar por isso. Não deixam de ser foda.

    Por sinal, o texto lá que Tony linkou tem umas bobagens, como atribuir tudo ao petismo RISOS, mas levanta o ponto de levar todos nós ao silêncio. E ironicamente o que esse mesmo texto linkado tenta fazer é isso com outras pessoas. Gurl, bye. Vai ter gente radical extrema de esquerda falando, vai ter gente massa de esquerda falando e eventualmente falando merda, vai ter turba louca da galera lidando com conceitos poderosos e delicados como se fossem mordaças, vai ter valorização maior de extenso trabalho na internet do que de artigo em revista científica lida por ninguém. Lide com isso, e se for num texto choroso na internet ou comentário aqui rsrs, faz de seu jeito aê. Ou entra na discussão, se torna relevante, para de chorar o passado ou a relativização da intelectualidade acadêmica, propõe diálogo para além de sua bolha e vê o que sai. Faz mais diferença, é mais necessário agora, e é isso que essas três mulheres aí parecem estar fazendo do jeito delas.

    ResponderExcluir
  13. Esso tipo de comportamento de SJWs já está tomando conta é dos 'centros' LGBts das universidades e dos demais espaços de atuação dos movimentos sociais. Mas graças aos deuses, pelo menos ainda, os SJWs LGBTs não tem muito seu discurso reverberado dentro da própria comunidade LGBT. E esse artigo do Raphael Garcia é um primor. A questão é: até quando SJWs LGBTs terão seus discursos somente validados dentro de um pequeno grupeto? Porque se sai desse grupeto e se expande para ao menos boa parte de LGBTs, nós gays estaremos fodidos. Porque esses SJWs só fazem atrapalhar e piorar nossa já difícil situação. Deus me livre e guarde de SJWs tomarem conta da mentalidade de boa parte ou maioria até dos LGBTs.

    ResponderExcluir
  14. Gente chata deveria pagar mais impostos. É caso desses comentários.

    ResponderExcluir