terça-feira, 9 de maio de 2017

SOBRE VIADOS E RANCORES


Nunca gostei muito de nada dirigido por Gabriele Muccino, mas não estava preparado para a ruindade que é "Sobre Viagens e Amores". Eu já devia ter desconfiado pelo trailer: dois jovens italianos vão passar férias no EUA hospedados por um casal que eles não sabiam que é gay. Choque cultural! Homofobia! Só o amor constrói! Uma premissa bem datada para 2017, prejudicada ainda mais pela mão pesada do roteiro e da realização. A trilha sonora só toca obviedades, os atores americanos estão péssimos e há cenas tão descabeladas que parecem ter sido escritas para uma produção da Televisa. "Sobre Viagens e Amores" quer se passar por um filme prafrentex, endossando a liberdade e a diversidade. Mas não consegue esconder que foi concebido por gente muito mais velha que os personagens que retrata. Fora que parece não acabar nunca.

10 comentários:

  1. passado com a crítica. tava apostando tanto nesse filme. nada se salva gent?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O amigo que foi comigo gostou mais do que eu.

      Excluir
  2. Tony, qual o melhor filme nesse momento em cartaz ? Sem super-heróis ou filmes de ação por favor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Paterson", "Melhores Amigos" e "Clash", todos já com posts aqui no blog.

      Ainda não vi "Além das Palavras", que tem críticas ótimas.

      Excluir
  3. Às vezes, te acho meio velhofóbico, como se jovens não pudessem ser estúpidos ou retrógrados.

    ResponderExcluir
  4. Não deu mesmo vontade de ver...

    ResponderExcluir
  5. Além das palavras é maravilhoso...

    ResponderExcluir
  6. Os demais eu não vi, mas 'A Procura da felicidade', do desprezado Muccino, é um filme simpático.

    ResponderExcluir
  7. Ontem estavamos falando de expressões que pessoas velhas usam... "prafrentex" foi uma delas... Nada contra, Tony... Eu tbem uso "coqueluxe do momento"... rs OBS: Leio Tony há mais de 5 anos... Muito mais

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu uso "prafrentex" de maneira irônica, porque claro que eu sei que é uma expressão das mais ultrapassadas.

      E obrigado por me ler há tanto tempo!

      Excluir