sábado, 13 de maio de 2017

O NOBEL DA BOLUDEZ


Só mesmo a Argentina para fazer um filme onde um escritor seu ganha o Nobel de Literatura. Mais argentino ainda é esse escritor imaginário fazer um discurso na cerimônia de entrega reclamando de ter ganho o prêmio. É a boludez em estado puro, essa arrogância típica dos nossos vizinhos do sul. Mas, apesar desse começo aparentemente sério, "O Cidadão Ilustre" é uma comédia ácida, que critica tanto o pedantismo do famoso autor quanto a caipirice de sua cidade natal, para onde ele volta para dar um curso e receber homenagens. O choque cultural é enorme - e engraçadíssimo. Claro que há os reencontros previsíveis: a ex-namorada, o melhor amigo, a professora. Só que vilarejo não perdoa o fato de seu filho célebre ter se tornado um homem de gostos sofisticados. Os mal-entendidos logo descambam para a violência, e o filme termina em chave séria novamente. "O Cidadnao Ilustre" foi o representante argentino no último Oscar, mas não foi indicado. Mais um erro da Academia.

18 comentários:

  1. Respostas
    1. Se não tem o Darín não é argentino de verdade.

      Excluir
  2. Achei a resenha do Tony melhor que o filme.

    ResponderExcluir
  3. O mio babbino caro
    Qual a dificuldade do cinema brasileiro, ser incapaz de produzir obras com o mínimo de densidade, vejamos o que foi Relatos Selvagens.

    ResponderExcluir
  4. Esse ator, Óscar Martínez, protagoniza uma das histórias do excelente filme "Relatos Selvagens".
    Que inveja enorme tenho do cinema argentino..... :(

    ResponderExcluir
  5. Aos poucos o Nobel vai perdendo a credibilidade do ontem, para no hoje passar a ser cada vez mais: descartável quando deu em 2009 o premio nobel da paz ao presidente de um país que promove a guerra

    ResponderExcluir
  6. Prêmio Nobel, é uma fanfarrice. Nunca consegui entender o critério, além é claro, de ser meramente político e estratégico

    ResponderExcluir
  7. Que o Nobel é controverso, até os ossos de seu criador sabem. Alfred Nobel inventou a dinamite.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jean-Paul Sartre, um dos grandes romancistas e homem de tremendo insight sobre a psicologia humana, recusou o prêmio Nobel. Ele disse, ‘Eu recebi recompensa suficiente enquanto estava criando o meu trabalho. Um prêmio Nobel não consegue acrescentar coisa alguma a isso – ao contrário, ele me joga para baixo

      Excluir
  8. O premio Nobel é uma Boludez Dom Helder Câmara foi indicado quatro vezes para o Prêmio Nobel da Paz. Em 1970, era o favorito absoluto, porém, após eficaz e silenciosa campanha promovida pela ditadura militar brasileira, o prêmio , contrariando as expectativas gerais, foi para o professor norte-americano Norman Borlaug, que realizou pesquisas com cereais. Em fevereiro de 1974, entidades de vários países – Alemanha, Holanda, Suécia, Bélgica, Dinamarca, entre outros – agraciaram Dom Helder com Prêmios Populares da Paz, como uma espécie de resposta pela insistente não-premiação pelo Nobel. Com o dinheiro – cerca de 300 mil dólares – foi comprado um engenho, de 810 hectares, para promover assentamentos rurais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tá na cara que esses quatro últimos comentários foram escritos pelo mesmo descompensado, que esqueceu de tomar o remédio e não percebeu que o post não é exatamente sobre o prêmio Nobel.

      Excluir
  9. Voltando então ao filme: esses argentinos são mesmo uns hijos de la madre. Por quê os hermanos fazem filmes tão bons e originais - é quase sempre simples -, com roteiros tão interessantes, artistas competentes, direção firme e nóis...
    O Cinema Novo foi, junto com o PT e a esquerda festiva, heranças malditas da ditadura. Quem tem saco para ver aqueles filmes hoje?

    ResponderExcluir
  10. No Brasil só temos comédias bobas ou filmes de diretores pernambucanos chatos, baseados em subvenção do governo, que não conseguem esconder o ranço e a pretensão pseudo-intelectual.
    Temos muito que aprender com o cine argentino, que é profundo e ao mesmo tempo popular...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E ainda bem que tem o cinema pernambucano porque o resto é tudo comédia com cara de Zorra total com Ingrid Guimarães e Leandro ossum da grobo

      Excluir
    2. Ah tá, aqueles filmes que ninguém assiste, são mal feitos e direcionados a um público minúsculo?
      Se fossem Bons mesmo, com B maiúsculo, agradavam a gregos e troianos, como por exemplo "Central do Brasil", "Cidade de Deus", "Bye Bye Brasil" e "Tropa de Elite". O resto são chorumelas.

      Excluir
    3. Adoro quando esse pessoal coloca a pública no público brasileiro... se o cinema brasileiro estivesse numa boa fase, o público não precisava assistir a estas comédias estilo Zorra.
      Quando o filme é bom mesmo o público sabe reconhecer, não essas bombas pedantes e mal diagramadas.

      Excluir
  11. "Onde" é usado para se referir a lugar. O correto seria "no qual"...

    ResponderExcluir