quarta-feira, 17 de maio de 2017

O DEZESSETE DE MAIO

Houve um tempo em que eu achei que, uma vez aprovado o casamento entre pessoas do mesmo sexo, a homofobia iria diminuir drasticamente. Afinal, se até a lei está do nosso lado, se os gays são reconhecidos e amparados pelo estado, o respeito viria naturalmente, não? Mas não foi o que aconteceu. Nem aqui e nem nos Estados Unidos, o epicentro do movimento LGBT que eclodiu nos anos 60. Gays, lésbicas, bissexuais e, principalmente, travestis e transgêneros ainda são perseguidos e até mortos. Aqui, lá, em muitos lugares do mundo. A eleição de Donald Trump fez com que os "deploráveis" americanos (na perfeita definição de Hillary Clinton) se sentissem empoderados, no pleno direito de extravasar sua tacanhice. No Brasil, é apavorante que uma figura grotesca como o Bolsonazi tenha 16% das intenções de voto para presidente, e que sua maior penetração seja justamente entre as classe mais ricas e educadas. É por isto que eu digo e repito neste Dia Internacional Contra a Homofobia: nossa única salvação é a visibilidade. É se expor e - gasp - dar a cara para bater. Porque a violência tende a aumentar, nesses tempos de ânimos exaltados e esconderijos virtuais. Sei que para muita gente não é fácil sair do armário, mas não é ficando lá dentro no quentinho que a gente vai melhorar as coisas. Também temos que aceitar todo o apoio que nos derem, sem essa besteira de dizer que estão roubando nosso "protagonismo" ou "lugar de fala" (graças a Deus, jamais ouvi um LGBT proferir tais sandices, mas vai que). Todos nós temos famílias e amigos e, se eles nos aceitam, precisam também se engajar nessa luta. Porque a homofobia, como qualquer preconceito, não é contra um grupo específico. É contra todo mundo.

17 comentários:

  1. Lembremos que ainda não houve a mortificação da lei sobre o assunto do casamento. Temos o casamento por conta de um entendimento do CNJ. A mudança na lei tem um aspecto simbólico importante.

    Pensem que até 1988 não havia um reconhecimento pacífico sobre a união estável.

    Até 2002, o código civil ainda falava em filhos bastardos (à luz da Constituição e da jurisprudência, não era mais aplicada a regra, mas...).

    Precisamos, assim, de uma mudança definitiva na nossa legislação!

    ResponderExcluir
  2. O mio babbino caro
    Também tinha essa mesma percepção, porém como dizia o André, podemos casar, mas não podemos andar de mãos dadas.Quanto à questão de protagonismo e lugar de fala. Os direitos Lgbt, são distintos e tem uma especificidade que não se aplica à outros movimentos, aonde por questões históricas esse entendimento, encontra espaço e se impõe.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Protagonismo zzzzzzzzzzrronc

      Excluir
  3. Tony, desça um pouco desse muro, pare de "temer" as mariconas jardins. Não seria hora de um post reconhecendo o erro retumbante que foi ser massa de manobra?A comunidade gay paulistana tachou o PT de brega. É hora de entender a cafonice real que foi ter brincado de Dória híbrida de Bruno Astuto. Aprimoremos nossos valores sociais! Atenção deslumbradas do Iguatemi. O Estado tem sim o dever de retribuir para a populacão educacão, saúde e segurança. Quem lutou contra isso entregando o Alvorada (a saber, a residência Presidencial Brasileira, not White House) para piratas, pode muito bem voltar atrás. Estamos no Brasil, visar apartamento neoclássico em Vila Nova Conceição não é política. Estado nenhum provê mansão e carro de luxo pra ninguém. Quem errou tem o dever de reconstruir isso aqui votando bem! O Brasil precisa de caras como você invocando isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, quanta baboseira sem nexo.
      Petista, entenda que as pessoas se livraram dos seus bandidos petistas que vcs mantinham bem alimentados, e agora vão se livrar do resto.
      Ninguém quer sua quadrilha de volta.
      Para que tá feio.
      Não adianta querer botar nos outros o que vc é: defensor de marginal. Ou vc tá vendo alguém defender Temer que nem vcs fazem com seus petistas quadrilheiros?

      Excluir
    2. O mio babbino caro★
      00:07 louvável sua análise porém a "comunidade gay paulistana" não é esse grupinho descrito, que "perde o sinal", quando sai da região da Paulista. O "everyday gay" veja a parada gay, micareta ou não, estão lá em multidões. Esses outros são viúvas de 32, mesmo sem o saberem, a serem atropelados pelos fatos. É só questão de tempo.

      Excluir
    3. Fofis, entenda que gay pobre não vai mudar nada. São as ricas que ditam mudanças e conquistas. Pare de achar que o mundo é a revolução francesa.

      Excluir
    4. 11:12 Com a palavra uma viúva cor de rosa de 32.

      Excluir
  4. Devemos serguir na luta, cada um com suas armas. Não pode ter recrutamento obrigatório. Nem pode tambem recusar auxílio. O caminho é longo e, apesar das ameaças, a tendência ainda é de avanço. Em frente! Grande abraço.

    ResponderExcluir
  5. E o Aécio?

    E o Temer?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Calma que daqui a pouco eu solto um post a respeito.

      Excluir
    2. Ai Tony solta logo. Aposto que os comentários superam os três digitos
      E espero que todos sobrevivam.

      Excluir
  6. Comooooo nunca ouvi falar sobre lugar de fala na nossa comunidade?? E toda a conversa sobre atrizes cis fazendo papel de trans, roubando o protagonismo? T tb é nossa comunidade! E lugar de fala é importante sim, mas deve ser relativizado! Não to querendo aceitar qualquer migalha em forma de ajuda não... mas tb não vou ficar trabalhado no vitimismo.

    ResponderExcluir

  7. O problema é quase sempre o mesmo: os "deploráveis" são sempre o outros.

    Saímos (os tais "LGBTs") dos esgotos para um lugar na sociedade em pouco mais de quarenta anos (com uma crise da AIDS no meio do caminho), e isso já foi um feito e tanto. Agora, achar que pais e mães ao redor do planeta irão desejar ardentemente que seus filhos se desviem do padrão ("adoraria ter três crianças, amor, um menino, uma menina e umx trans") é puro autoengano.

    Outro equívoco é imaginar que a incorporacão da narrativa de esquerda nos trará benefícios. Eles estão de braços dados com o islamismo, ao redor do planeta, e não pensariam duas vezes em nos rifar para derrubar "o capital".

    Não nos esqueçamos que foram justamente regimes "socialistas" os maiores perseguidores de gays, no século XX, e que esses pulhas só se aproximaram de nós quando viram que podiam se aproveitar da nossa capacidade de por gente na rua.

    Bicha, sim. Idiota útil, jamais!



    ResponderExcluir
  8. Nos EUA tem um monte de negros na TV e ate na presidência já teve, nem por isso o racismo lá diminuiu. Achar que casamento legalizado e beijos na TV vai acabar com a homofobia é inocência.

    ResponderExcluir
  9. Todos os dias eu oro pelos meus amigos gays e trans. É revoltante e de uma tristeza saber q há países q criminalizam e matam homossexuais, e tudo em nome de suas malditas religiões . Deus está é muito chateado com tudo isso ! A minha parte eu faço é ninguém vai me calar !!!

    ResponderExcluir