quarta-feira, 19 de abril de 2017

LUZ, CÂMERA, CANHÃO


Qualquer um que se interesse por cinema e história vai se refestelar com "Five Came Back". Essa minissérie documental do Netflix tem apenas três episódios de uma hora, que equivalem a uma aula magna sobre como a realidade influencia a arte e vice-versa. Apresentada por cinco grandes diretores contemporâneos - Steven Spielberg (também produtor do programa), Guillermo del Toro, Paul Greengrass, Lawrence Kasdan e Francis F. Coppola - e com locução off de ninguém menos que Meryl Streep, "Five Came Back" conta como os cinco maiores diretores de Hollywood na década de 1940  filmaram a 2a. Guerra Mundial e por ela foram afetados. Francis Capra, John Ford, George Stevens, William Wyler e John Huston já eram consagrados, alguns com vários Oscars na estante. E todos atenderam ao chamado do Exército para dirigir documentários sobre o esforço de guerra americano. De filminhos para incentivar o alistamento a devastadores testemunhais das mais cruentas batalhas. Os cinco arriscaram as próprias peles e alguns até perderam membros da equipe. Nenhum conseguiu produzir uma obra-prima como "O Triunfo da Vontade" de Leni Riefenstahl, a mais resplandecente peça de propagada nazista, mas seus filmes rodados no front foram bem de bilheteria e acabaram entrando para a história. Terminado o conflito, algo curioso aconteceu: todos os cinco, sem exceção, fizeram os melhores filmes de suas carreiras. Ver tanto sofrimento in loco, tanta destruição e desumanidade, fez com que esses veteranos redescobrissem a si mesmos. "Five Came Back" vai ser bombardeado de prêmios merecidos, e é obrigatório feito o serviço militar.

9 comentários:

  1. Ah, Tony e quais seriam as obras primas que VC se refere terem sido feitas por esses diretores pós guerra? Libera essa lista ai ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Frank Capra: "A Felicidade Não se Compra"

      George Stevens: "Um Lugar ao Sol"

      John Huston: "O Tesouro de Sierra Madre"

      John Ford: "They Were Expendable"

      William Wyler: "Os Melhores Anos das Nossas Vidas"

      Excluir
    2. Você recomendo pra quem vai prestar o Enem esse ano?

      Excluir
  2. Tony, vi ontem 'queer art' na Tate Britain, emocionante e emocionante como muitas das histórias dos artistas terminam em tragedia...Porque foram presos... descobriram que eram gays, o próprio Oscar Wilde que está na exposição

    ResponderExcluir
  3. Atrocidades ainda acontecem...

    ResponderExcluir
  4. Tony, preciso de tua ajuda, se você puder ajudar. É para um assunto que não tem nada a ver com o tema do post. Tu por acaso chegou a notar que a primeira-ministra britânica Theresa May deu uma mudada no visual? Ou isso é só coisa da minha cabeça? KKK, to com dúvidas. Theresa antes tinha um visual mais transado, agora está com um visual cara de mulher de 70 anos. E se houve essa mudança, ela foi basicamente no cabelo, incluindo aí um figurino mais comportadinho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O cabelo dela está realmente mais curto, provavelmente por uma razão bem prática. Uma primeira-ministra precisa ir TODOS OS DIAS ao cabeleireiro - ou melhor, o cabeleireiro vai até ela, na 10, Downing Street, bem cedinho.

      Era assim que Margaret Thatcher começava sua jornada de trabalho: empinando e laqueando aquela couraça, que virou uma de suas marcas registradas. Já Theresa May provavelmente optou por um corte que não requer muito cuidado. Só umas escovadas e ela já está pronta.

      Excluir
    2. Não é não. Não acredite no Tony. Eu sei: É por causa da Baleia Azul.

      Excluir