domingo, 12 de fevereiro de 2017

O PAI, A FILHA E O ESPÍRITO DE PORCO


Não, "La La Land" não é o filme mais divisivo desta temporada de prêmios. A honra dúbia deve ir para a comédia alemã "Toni Erdemann", uma contradição em termos: a Alemanha não é exatamente conhecida por seu humor contagiante. A bem da verdade, o favorito ao Oscar de filme em língua estrangeira passa longe do que a maioria das pessoas acham engraçado. Para começar, é longuíssimo: tem quase três horas de duração, e ficaria mais potente com meia hora a menos. Também tem muitas cenas sérias que pouco acrescentam à história - inclusive uma trepada bizarra envolvendo um canapé. O estilo da diretora Maren Ade faz lembrar "Aquarius" de vez em quando, tantos são os detalhes do dia-a-dia que ela não consegue deixar de fora. Mas a trama principal é boa: um pai fanfarrão tenta reconquistar a filha workaholic, e acha uma ótima ideia ir importuná-la quando ela está atendendo um cliente importante em Bucareste. Quando este approach não dá muito certo, ele tenta algo ainda pior. Veste uma peruca horrenda e uma dentadura falsa, e se apresenta a todo mundo como Toni Erdmann: às vezes o embaixador alemão, às vezes o coach pessoal da própria filha, sempre um constrangimento. O ritmo esquisito afugentou amigos meus, que talvez gostem mais do futuro remake americano estrelado por Jack Nicholson e Kristen Wiig. Mas quem ficar até o fim vai ser premiado com uma sequência de festa que beira o surrealismo de Buñuel, cômica e emocionante ao mesmo tempo. Mais não posso contar... Portanto, aguente firme: "Toni Erdemann" vale a pena.

5 comentários:

  1. Que isso Tony,o humor dos filmes alemães que mais gosto.Adoro o cinismo e até um pouco de escatologia.Até em filmes sérios como Hanna Arendt tem um pouco de humor cínico.Dos filmes europeus gosto mais dos alemães até. então.

    ResponderExcluir
  2. Não concordo em nada com a sua crítica. O filme é longo, mas todas as cenas são importantes para construir a personagem. Importante lembrar que trata-se de uma mulher que, mesmo na liberal Alemanha, ainda precisa provar o seu valor o tempo todo. Inclusive a cena do canapé que você achou bizarra mostra exatamente isso: após ouvir comentário do colega (e peguete) que a colocava em desvantagem profissionalmente ela o humilha sexualmente para mostrar que é ela que manda. Achei essa cena genial. E também não concordo que o filme divide opiniões, como comprova a nota no rottentomatoes (92% da crítica e 81% do publico deram nota máxima, se isso não é consenso não sei o que é https://www.rottentomatoes.com/m/toni_erdmann/).

    ResponderExcluir
  3. "Não é surpresa nenhuma: afinal, eles também já premiaram a insignificante Taylor Swift duas vezes com o troféu máximo"

    insignificante? acho que o povo prefere a Taylor Swift, já que ela vende MUITO mais que a Beyoncé. Muito mais mesmo.

    ResponderExcluir
  4. Então, filme alemão(da cinematografia européia é a que menos me atrai) quase três horas de duração, fui ao cinema com os dois pés atrás e "preparado" para desgostar, mas sabe como é o amor, o namorado queria assistir, então fomos.
    Resumo da ópera: o filme é ótimo, as quase três horas passaram voando e o que pensei que seria sacrifício acabou se tornando um prazer. Toni Erdermann vale, e muito, a pena!

    ResponderExcluir