quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

HOW TO GET AWAY WITH SCANDAL


Não é que "Armas na Mesa" seja ruim. O filme é razoavelmente bem escrito, a direção é tensa, os atores estão todos bem. Mas, depois de uma enxurrada de advogadas fodonas na TV, fiquei com sensação de ter feito binge-watching numa boa minissérie da Shonda Rhimes. A essa altura da guerra, a personagem da pálida Jessica Chastain já é um padrão da indústria: a super profissional fria e calculista, workaholic, inescrupulosa, com traços de humor e uma vida pessoal catastrófica. A trama também não traz novidades para quem já viu Glenn Close ou Viola Davis em papéis parecidos na telinha. Traições, agentes infiltrados, dossiês, tiroteios, o cardápio completo. Talvez por isto "Armas na Mesa" (que é um bom título em português, até que enfim!, porque o caso retratado é sobre a regulamentação das armas de fogo nos EUA) tenha decepcionado tanto nas bilheterias como na atual temporada de prêmios. É diversão de qualidade, mas para ser desfrutada no conforto do seu lar.

2 comentários:

  1. amo esse tipo de filme (e livros). lembro de O Ano Mais Violento (tbm c a ruiva) q foi mei ignorado pela crítica e foi um filmaço (e q tem aquele ator q acho um dos mais sexys do cinema atual)

    ResponderExcluir
  2. Até o corte de cabelo da personagem é clichê! Mas gostei do filme, mas do jeito que vc falou, pra assistir em casa, jogadão no sofá.

    ResponderExcluir