segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

A LUA ME TRAIU

Errei, errei rude. Minhas previsões para o Oscar foram quase todas tiros n'água - e mesmo assim emplaquei o segundo lugar no bolão da firma, porque o que aconteceu ontem desafiou qualquer expectativa. Mais do que eu, errou a PriceWaterhouse Cooper, que há décadas cuida da apuração dos resultados do Oscar. Foi um funcionário deles quem deu a Warren Beatty o envelope errado, idêntico ao do prêmio de melhor atriz que, minutos antes, fora para Emma Stone (e a PWC já pediu desculpas). O que se seguiu foi um dos momentos mais constrangedores da TV de todos os tempos, mas o pessoal de "La La Land" reagiu com dignidade e elegância. No final, acho que todo mundo ganhou. O musical ainda foi para casa com seis troféus, e "Moonlight" fez história ao ser o primeiro filme com protagonista gay a levar o prêmio máximo da Academia. Agora, em perspectiva, dá para perceber que o Oscar deste ano foi escancaradamente político. Muitos favoritos perderam a corrida no último minuto, em favor de concorrentes mais engajados. "White Helmets", sobre a guerra da Síria, foi o melhor documentário de curta-metragem, ao invés do fofo "Joe's Violin". "O Apartamento" bateu "Toni Erdmann", basicamente por ser o candidato iraniano. E "Moonlight", claro, derrotou "La La Land" quase que nos créditos finais. Ou seja: a festa inteira foi uma tomada de posição contra Donald Trump, que não se manifestou pelo Twitter até o presente momento. Sim, passei vergonha. Mas quero agradecer aos membros da Academia por mais esta noite inesquecível.

32 comentários:


  1. "Moonlight" permitirá refletir sobre as dificuldades dos jovens negros e, metaforicamente, de todos os outros, que vivem em bairros, envolvidos no mundo da criminalidade e da droga, os que tentam autoconhecer-se em vão e vivem dramas diversos, de violência e de paixões esquivas, com muita luta, para conseguirem voz neste paraíso terrestre, onde viver com dignidade parece sonho dos poderosos.
    Com efeito, são verdades universais e intemporais que passam nos meios e nas redes de comunicação, nos comentários dos leitores e, desta vez, em filme. Ha de ser um sucesso e Trump não irá gostar de observar a realidade que o circunda, de negros, jovens imigrantes, cubanos em Miami, aquela cidade americana turística do Estado de Flórida, onde as lágrimas, iguais a todas as outras, passam à margem dos muros desumanos e megalómanos ...
    Enfim, um drama com soa a verdade e que opõe a dor e o sonho de alguém que quer ser pessoa, alguém que procura a igualdade de oportunidades e apenas sonha com um futuro melhor...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Arrasou no comentário.

      Excluir
    2. Bee dignidade se arruma com trabalho e decência. Vc no mínimo deve achar que os governos tem que prover tudo. Depois quebram os países e se fingem de mortos.

      Excluir
    3. 21:51, "dignidade se arruma com trabalho", "vc deve achar que os governos tem que prover tudo". Querida, o filme não foi feito pelo governo não. Tire sua cabeça da bunda.

      Excluir
    4. 21:51 A Casa-Grande está começando a entrar em pânico.

      Excluir
  2. em poucas edições os prêmios terão sido distribuídos com tanto equilíbrio e com o sentimento latente de justiça. Como se a Academia tivesse chamado a si uma espécie de papel regulador e em alguns casos corretor dos males que afetam o mundo.

    ResponderExcluir
  3. Tem que acompanhar o que o Sr. Tromp vai falar no tuíter mesmo. Quem sabe ele fecha a Academia e exila seus membros por desafiar a Lei que é a vontade soberana dele.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já te falei, tem muita gente que comenta aqui que apoia o Trump, e são violentos, ou pelo menos apoiava.

      Excluir
    2. 19:31, obrigado por não entender sarcasmo.

      Excluir

  4. Em poucos minutos tudo mudou: O sonho americano afinal não era a moça branca bonita que alcança o sucesso e o rapaz branco charmoso que a deixa seguir o seu caminho – La land.
    O sonho americano afinal teve uma reviravolta - um plot twist como se diz no cinema. O sonho americano é a história de um rapaz homossexual e negro_ "Moonlight".

    ResponderExcluir
  5. ao contrario de Moonlight , La Land é um filme com um marqueting asfixiante , no fundo é um musical para ver comendo pipocão na sessão da Tarde da Globo e se tivesse ganhado não incomodaria a ninguém

    ResponderExcluir
  6. Bom, La la land nos deu um final feliz e depois roubou ele da gente. Nada mais digno que acontecesse o mesmo com o prêmio.

    ResponderExcluir
  7. Hollywood é um poço de hipocrisia. Achei pouco o mico que pagaram. É ridículo que após um ano da polêmica de só indicarem brancos, darem prêmios para várias minorias. Eu no lugar de um desses premiados me sentiria totalmente mal, pois não há qualquer credibilidade. Premiação não pode ser politizada e ter cota, pois perde totalmente o sentido, se é que já houve algum dia. Decisões meramente políticas de quem acha que ainda tem reputação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eita povo racista do caralho. Quando um negro ganha é porque a premiação foi politizada.

      Excluir
    2. Anônimo das 14:25, vocês racistas inventam de tudo para fazer questão de demonstrar o racismo de vocês. Anônimo uma dica, para ser racista não precisa de tantas firulas. Você se esquece das cotas (informais, porém diretas) para brancos que sempre existiram e ainda existem. E quantas vezes pessoas brancas venceram Oscars por causa do momento político? Muitas. Ah, e os negros vencedores chegaram até o Oscar por causa do que vocês conservadores chamam de meritocracia. Francamente, anônimo.

      Excluir
    3. É mesmo lembra de Cor Púrpura 11 indicações e nenhum Oscar. Quem ganhou mesmo aquele ano?

      Excluir
    4. "Entre Dois Amores", com Meryl Streep ("Out of Africa").

      Excluir
    5. Concordo que Hollywood é muito hipócrita, mas os negros indicados tinham o seu mérito. Dizer quem é melhor nesses casos é muito subjetivo. A questão é se essa diversidade vai se manter nos próximos anos.

      Excluir
    6. "os brancos indicados tinham o seu méritos"

      Excluir
    7. La la land e MONLIGHT ta parecendo Aquarius e Pequeno Segredo , esta ultima todo mundo dizia incluso este blog que ia agradar os jurados da Academia americana e não ficou nem entre os noves indicados da primeira etapa enquanto Aquarius ganhava quase todos os festivais que se apresentava.

      La la land teve uma marqueting agressivo que proclamava já ganhou nos quatro cantos do mundo enquanto MONLIGHT filme com baixo pressuposto ganhava aplausos unanimes dos Críticos da Associações Boston, Austin, Chicago, Dallas, Nova Iorque (online), Los Angeles, Houston, Denver etc...e diziam que era o melhor filme do ano. Os Independent Spirit Awards deu seus cinco prêmios gordos a Robert Altman além de todo o elenco de MONLIGHT

      Excluir
  8. Bem que falei que a vitória do Denzel no SAG se tratava de um prêmio que não iria influenciar o resultado do Oscar. Certamente a corrida entre Denzel e Casey deve ter sido acirrada, no fim se Mel Gibson estava lá e o filme dele ainda levou prêmio, porque então não premiar Casey. Pois bem, a Academia resolveu premiar.

    ResponderExcluir
  9. Pela coerência dos prêmios anteriores La La Land deveria ter vencido Melhor Filme. Assim como ocorreu com Spotlight ano passado a Academia resolveu reeditar esse fato neste ano. Deixa o tempo falar, quantas vezes o tempo já não falou sobre filmes vencedores no Oscar. La La Land é muito superior a Moonlight. O primeiro de tão elogiado e querido por muitos virou sinônimo de enjoo para outros muitos. Já o segundo venceu graças a força imprimida pelos críticos americanos. Aguardar o tempo falar. No mais, de um simbolismo e tanto um filme com temática LGBTQ se tornar vencedor. LGBTQ e sobre um gay negro. Muito simbólico.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. La la land vai ser esquecido em meio ano, até Xanadu virou mito, e isso esse Land nunca vai virar, pois nao reflete nada do mundo atual, é fake que nem a honestidade das esquerdas.

      Excluir
    2. Eita porra, que esquerda que essa psicopata não esquece. Tá precisando meter menina.

      Excluir
  10. Eu gosto de musicais, mas não me interessei em ver. É uma pena que tem muitos filmes que não temos como ver , os documentários e filmes mais de circuitos fechados não passam por aqui.

    ResponderExcluir
  11. realmente - a sra me falar que jackie ganharia figurino - porra tontas esperava bem mais da sra bju

    ResponderExcluir
  12. Pelo visto, fazer politicagem demais foi um tiro que saiu pela culatra. A audiência deste ano despencou e foi a pior da história. Acho que vocês não entenderam o que o anônimo das 14:25 disse. Hoje não sabemos se quem ganhou, ganhou por merecimento ou por ter feito barulho para ganhar. Exigir rodízio de vencedores para agradar todos os espectros da sociedade é estranho. É fato que existe preconceito, racismo e privilégio branco, mas corrigir isso a nível de uma premiação não é tão simples. O próprio ator de Moonlight, vencedor de melhor ator coadjuvante, disse que espera não ter vencido por ser negro. Entendem?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas o mais engraçado ou não engraçado é q os brasileiros andam mto preocupados com o q se passa nos USA. Imagina , pensei q era só o Presidente q incomodava , agora até a noite da gala dos Óscares incomodam. No Brasil tudo é péssimo , a cultura , a educação, a Televisão o jornalismo , os políticos , mas preferem olhar o q é dos outros. É lógico q o q o senhor das 14:25 disse, não o vejo como racismo ou xenefobia, mas sim com uma grande dor de cotovelo. Temos pena.

      Excluir
    2. Você diz “Hoje não sabemos se quem ganhou, ganhou por merecimento ou por ter feito barulho para ganhar” .É fácil solucionar a sua duvida , simplemente seja um rebelde As qualidades do rebelde são multidimensionais. Primeiro, o rebelde não acredita em nada a não ser na própria experiência. A verdade de¬le é sua única verdade;Assista os filmes indicados aos Oscars e tire suas próprias conclusões . A menos que eu encontre a minha própria verdade, todas as verdades que emprestei dos outros são como um fardo para mim, elas não vão me libertar. Posso me tornar uma pessoa instruída, mas não conhecerei nada com o meu próprio ser.

      Excluir
    3. Hipocrisia existe é no Brasil pra dar vender e emprestar. Um pais quase 100 por cento preto e praticamente os únicos artistas pretos que sai na televisão e nos filmes são Tais Araújo e Lázaro Ramos

      Excluir
    4. As Putas racistas querendo ganhar força na repescagem. Lidem com isso.

      Excluir
  13. DEVEMOS AGRADECER QUE OS CONSERVADORES DOS OSCARS NÃO PENALIZARAM MONLIGHT POR CONTAR AS HISTORIA DE UM NEGRO, HOMOSSEXUAL

    ResponderExcluir