quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

O PICHO E O LIXO

Não lembro de ver pichação quando eu era pequeno. Cresci durante a ditadura, quando a repressão a qualquer tipo de manifestação espontânea era brava. Foi só quando veio a abertura, na virada dos 70 para os 80, que os nossos muros começaram a receber inscrições crípticas como "Fila Km 26", em São Paulo (publicidade de um canil da raça fila no km 26 da via Anchieta) ou "Celacanto Provoca Maremoto", no Rio (um diálogo da série japonesa "National Kid", só de zoeira). Pouco depois surgiram os grafittis artísticos, como a " Rainha do Frango Assado" de Alex Vallauri. E aí abriram-se as portas do inferno: garranchos de todos os tipos, pinturas murais, propaganda política, mensagens religiosas, em lugares cada vez mais improváveis. O resultado é que hoje temos algumas das cidades mais visualmente imundas do planeta. Nem o Cristo Redentor escapou.

A pichação faz parte da paisagem das democracias. Só nos regimes totalitários, como a Coreia do Norte, é que as paredes estão sempre limpinhas e brilhantes. Além disso, as ruas foram o berço de artistas de verdade, como o brasileiro Kobra ou o misterioso britânico Banksy. Mas qual é a fronteira entre a arte e o lixo visual? Hoje está fazendo sucesso no Facebook um post do artista Muti Randolph que vai na contramão do senso comum. O cara defende os garranchos e condena os murais coloridinhos, chapa-branca. Já eu defendo que se apague qualquer coisa que tiver sido feita sem autorização, seja em propriedades públicas ou privadas. A não ser que seja um Banksy, é claro. Risos.

É nesse vespeiro que se enfiou João Doria. Não dá para negar que São Paulo, já tão desprovida de encantos, fica ainda mais horrenda com a pichação. Trabalho no centro da cidade, e me parte o coração ver prédios antigos - alguns em perfeito estado de conservação - cobertos por hieroglifos venusianos, só porque algum mano achou que seu direito à livre expressão era maior que o direito coletivo à memória. Mas o novo prefeito é ingênuo em achar que pode acabar com o picho (tanto quanto o ministro Alexandre de Moraes ao dizer que quer erradicar o consumo de maconha do país). O que fazer, então? Não sei, mas pelo menos o debate começou. E o problema parece até simples quando lembramos que existem desafios ainda maiores, como a cracolândia.

40 comentários:

  1. Claro que o Dória não vai ganhar a guerra contra o picho. Mas ele declarou uma guerra em que ele sempre vai ganhar pontos políticos. Como sempre haverá gente pichando, o prefeito sempre vai poder posar como vítima de vândalos esquerdopatas enquanto cria sua imagem de defensor da cidade limpa, pura e pristina. E muitas pessoas vão cair nessa dicotomia crassa, defendendo o lado aparentemente mais lógico, ou seja, o do prefeito gari (que nunca deve ter tocado numa vassoura na vida).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Abaixo o cafona do Dória e viva os escritores de grafiti e a liberdade de expressão

      Excluir
    2. Viva o grafite e viva a pixação!
      O Dória só tá animando os pixadores kkkkkkkkkkk Vamos ver quem tem mais tinta, cuzão!

      Excluir
    3. Gosto de graffiti e pichação e votei SIM no Dória.

      Excluir
  2. Mas como saber quando um Banksy vira um Banksy? Quem decide isso?

    Wikipedia: Banksy started as a freehand graffiti artist in 1990–1994[9] as one of Bristol's DryBreadZ Crew (DBZ), with two other artists known as Kato and Tes.[10] He was inspired by local artists and his work was part of the larger Bristol underground scene with Nick Walker, Inkie and 3D.[11][12] During this time he met Bristol photographer Steve Lazarides, who began selling Banksy's work, later becoming his agent.[13] By 2000 he had turned to the art of stencilling after realising how much less time it took to complete a work. He claims he changed to stencilling while he was hiding from the police under a rubbish lorry, when he noticed the stencilled serial number[14] and by employing this technique, he soon became more widely noticed for his art around Bristol and London.[14] He was the goalkeeper for the Easton Cowboys and Cowgirls football team in the 1990s, and toured with the club to Mexico in 2001.[15] Banksy's first known large wall mural was The Mild Mild West painted in 1997 to cover advertising of a former solicitors' office on Stokes Croft in Bristol. It depicts a teddy bear lobbing a Molotov cocktail at three riot police.[16]

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prefiro "OS GEMEOS"_grafiteiros paulistas com obras no mundo inteiro.

      Excluir
    2. Todo grafiteiro já foi pixador um dia

      Excluir
  3. Para mim funciona assim: garranchos ilegíveis – não é arte; pixações com textos políticos – protestos válidos numa democracia, mas não tem problema apagar; desenhos que colorem a cidade – é arte. Mas claro que têm coisas que ficam no meio do caminho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vai ler mais sobre ARTE URBANO cambada de ignorantes

      Excluir
    2. É arte urbanA, ignorante! Vai aprender a fazer concordância!

      Excluir
    3. 17:54 SOU AMERICANO, seguramente meu português é melhor do que o seu ingles

      Excluir
  4. Se aparecer na minha janela de madrugada, ooops, eu empurro para baixo.

    ResponderExcluir
  5. Voltando agora na 23 de Maio, mtos dos grafites apagados. Cidade Cinza revive, bizarro. Só retrocessos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estamos lascados com o PERFEITO GARI RALPH LAUREN

      Excluir
    2. tenho pena de Sao paulo!!!
      e aqui do rio tb... nosso prefeito botou culto toda terça feira na prefeitura!!!
      estamos fudidos

      Excluir
    3. O Haddad ficou aqui 4 anos e não gastou imposto pra criar treta com pichador. E o pior de tudo é que esse raciocínio é verdadeiro e muito simples: Se vc censura o grafit, subjulgando a arte dos caras, quase que ofendendo o tipo de produção artística, e ainda pinta tudo de cinza, vc cria, automaticamente, um mural de pichacao. E isso tudo pra fazer média pro eleitorado fundamentalista dele. É gritante. Chega ser ridículo.

      Excluir
    4. 17:40Tem q pinchar a casa desse doria arrombado

      Excluir
    5. Acho que a gente deveria protestar a pichação cinza por cima da pichação com mais pichação pra que seja pichado de cinza de novo fazendo assim um looping de piche

      Excluir
    6. O grande problema é mesmo o fato de que esse arrombado desse prefeito vai gastar uma puta verba pintando muro, pra ser pixado novamente, pra ser pintado novamente e por aí vai, esse ciclo não tem fim, e pode ter certeza de que tem alguém vendendo tinta e materiais de pintura pra prefeitura de Sampa, tudo superfaturado. E o povo continua assistindo a novela e de barriga vazia.

      Excluir
    7. Se aqueles corações coloridinhos do Romero Brito pro Doria é Arte porque o pixo não pode ser arte?

      Excluir
  6. prefiro as paredes com uma boua pichação,d q uma parede sem graça.fora q às vezes as impressas colam um papel cheio de propagandas nas paredes

    ResponderExcluir
  7. picha a porra toda, foda-se. João Escória é o q é: um elitista playboy VAGABUNDO q ta colocando em prática essa política elitista e falsa.

    ResponderExcluir
  8. É fácil chamar de lixo quando estamos no conforto dos nossos privilégios. A pichação é a voz que ninguém quer ouvir: dos marginalizados, excluídos. Ela só faz sentido sem consentimento, pois o seu conceito é justamente violentar a sociedade que oprime as periferias. É questionável o direito que alguém fodido pela sociedade, muitas vezes sem condições de ter o básico para viver dignamente, para morar onde nós moramos, vestir o que vestimos, comer o que comemos, estudar, trabalhar e viver nos mesmos ambientes em que vivemos, tolhidos de tudo por um sistema nojento e injusto, se expressar pichando uma parede ou monumento? Sim, é questionável como tudo, mas só com muita cara de pau. Indico o excelente documentário de média metragem PIXO que está inteiro no youtube para entender essa cultura tão particular de São Paulo, reverenciada no exterior como arte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E existe o viés da necessidade da pichação, porque na maioria das vezes é uma comunicação urbana verbal que expressa um sentimento de uma pessoa ou de um grupo e que possui até de uma simbologia própria. E quase sempre não é um simples "Fulana, eu te amo", geralmente é uma necessidade que precisa ser ouvida, um último grito e ilegal para que alguém observe essas carências. É uma forma de se expressar assim como gritar seu nome na rua ou fazer uma peça de teatro baseada nos próprios sentimentos, só que a diferença simples é que pichação incomoda a quem não entende, é permanente e sim, poluí visualmente um lugar, principalmente porque não deveria estar lá. Não deveria ser necessário gritar pela atenção. Salvo que, mesmo quando se trata de alguma informação criminosa do tipo gangues e essas coisas, essas mensagens também precisam ser ouvidas, mas com o viés de garantir a segurança pública e realocar essas pessoas com atividades ilegais ao mundo de forma eficiente e eficaz(o que infelizmente no Brasil é quase utópico). Já que é impensável no Brasil, sempre vai haver pichação e não vai ser pintando elas que elas vão parar de serem feitas. No final, tem que pichar sim, e tem que grafitar também, enquanto não houver quem ouvir, vão ter que se acostumar a ver essas pessoas a pintar.

      Excluir
    2. Prêmio RONCCCCCCZZZZZZZZ do mês pro seu comentário. Parabéns. Que ganhe um tubo de colorjet de presente e depois seja preso.

      Excluir
    3. A maioria dos pixos carrega uma crítica social foda

      Excluir
  9. PS: estou falando de pichação mesmo, daqueles garranchos mal escritos, e não de graffitis, quase sempre bem bregas

    ResponderExcluir
  10. PIXO LOGO EXISTO... Se picasso fosse do gueto ele usaria muros como papel.

    ResponderExcluir
  11. Creeeedo como só tem bicha chata e a favor de cidade porca e imunda.
    Imagina a casa dessa gente, que nojo.
    Arte é o kralho, essa imundice nas paredes é falta de um trabalho e respeito pela cidade e pelos cidadãos. Nojoooooo de vcs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aí é que você se engana: esse povo que acha que pichar é "um direito" não toleraria se fosse no muro da casa deles. É pura hipocrisia.

      Excluir
  12. Ui Muti babadissimo, ja fiz mooooito e linda la no Rio aquela bunda ruiva.

    ResponderExcluir
  13. é foda um cara que nunca pisou o pé na rua querer mudar a cara da cidade, que é a expressão das pessoas, apenas por populismo.

    ResponderExcluir
  14. O mio babbino caro
    Arte é anárquica. Pixo é um dos termômetros urbano, evidente que essa discussão não vai fechar. O Doc Pixo https://www.youtube.com/watch?v=skGyFowTzew ajuda a colocar lenha nessa fogueira. Em todo caso salve Basquiat, JUNECA, Kobra, Tota etc.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tomara pichem sua casa inteira, idosa.
      Se bem que na roça não tem muro, mora no pau a pique.

      Excluir
    2. Olha o que eu tenho que aguentar genthen. Se eu aparecer suicidada é culpa dessa articulada maldosa snif snif

      Excluir
  15. Não dá para negar que São Paulo, já tão desprovida de encantos, fica ainda mais horrenda com a pichação.NÃO CONCORDO

    ResponderExcluir
  16. SÃO PAULO É A CIDADE QUE MAIS ESCUTA BEYONCE NO MUNDO

    TEM COISA MAIS MAINSTREAM BEYONZE?

    SÃO PAULO TEM UM PREFEITO QUE MERECE

    DORIA E O PUBLICO MAINSTREAM É O CONTRÁRIO DE UNDERGROUND

    ResponderExcluir
  17. Acho que ao invés de pintar de cinza o Dória deveria cobrir estes muros todos com estampas ROMERO BRITTO. Aí sim!

    ResponderExcluir
  18. P F
    I O
    X R
    O A

    É T
    E
    A M
    R E
    T R
    E

    ResponderExcluir