segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

COVARDES DO BEM

Existe um denominador comum entre os dois crimes hediondos que abalaram o Brasil nessa virada de ano. Alípio dos Santos, um dos assassinos do ambulante Índio, quase matou outra pessoa logo depois: o brucutu foi à casa de uma amiga da esposa e tentou esmurrá-la, pois ela teria feito fofoca sobre ele. Já Sidnei Araújo, que matou a ex-mulher, o filho e mais dez outras pessoas numa festa de réveillon em Campinas, também estava lavando sua honra de macho, como deixou claro na carta que escreveu antes da chacina. Esses crimes não têm nada de raros. Toda semana a gente ouve falar de algum sujeito que matou a namorada só porque ela quis romper com ele - a coitada nem precisou ter "traído" o imbecil com outro homem. O mais assustador é que essa cultura de violência contra a mulher continua sendo transmitida para as novas gerações, como atestam os comentários absurdos que pululam na internet. É essa cultura que faz com que os trogloditas se achem "do bem". Foram apenas acometidos por insanidade temporária por causa da cachaça, ou "testados" pela sociedade malvada até o ponto de ruptura. Enquanto continuarmos dizendo "nada justifica, mas...", a matança também vai continuar, levando junto ambulantes, tios, primos e quem mais estiver por perto. Depois não adianta ficarmos horrorizados.

18 comentários:

  1. O mio babbino caro
    Embrulha o estômago de qualquer ser humano esses crimes, o "Homem Cordial" brasileiro nunca existiu. De Norte a Sul diariamente você encontra casos extremos de machismo, racismo, xenofobia, homofobia, intolerância generalizada, ódio geral, violência generalizada, carnificina endossada. Tudo amenizado à atender interesses ou ignorância e estupidez, quando convém. Se "viver é perigoso" a cada dia esta mais perigoso. A próxima vítima pode ser "qualquer um".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Brasil é vítima de seus mitos: Homem Cordial, Democracia Racial, Tolerante e etc. Paguemos o preço.

      Excluir
  2. Pois eu e a imensa maioria dos brasileiros, mulheres inclusive, concorda que boa coisa ela não fez. Lidem com isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Releia seu comentário e depois releia o post, por favor.

      Excluir
    2. Fale por si e não pela "imensa maioria de brasileiros ", você definitivamente não me representa.

      Excluir
    3. 23:34 A maioria dos brasileiros, viados inclusive, concorda que viado boa coisa ela não é. Lidem com isso.
      23:34 só mais uma viada querendo causar.

      Excluir
  3. Há certo tempo, foram linchados 34 detentos em presídio do Maranhão e a governadora Roseane Sarney declarou solenemente que esse número de mortos estava de acordo com os padrões recomendados pela ONU/Unesco/Unicef. Hoje foram assassinados sessenta presos no Amazonas - as condições dessas mortes é melhor nem saber - e lá estamos nós buscando nossos recordes. Esse 2017 promete!

    ResponderExcluir
  4. Então olhemos pro nosso umbigo e vejamos o retrato desse machismo materializado em cada perfil de Grindr e Scruff que hipervaloriza o "macho" e desqualifica qualquer traço feminino. É gosto? É.
    É direito de qualquer um só desejar o máximo de masculinidade no outro? É.
    Mas é parte de um delirio social que valoriza as mesmas características que os machistas, violentos ou não, valorizam.
    Precisamos parar de nos justificar e enxergar que não tem como sair gritando contra machismo e homofobia e ao mesmo tempo se vangloriar da masculinidade e exigi-la dos outros.
    E não, não acho que temos a mão suja de sangue nesses crimes, mas acho que somos hipócritas ou inocentes, não entendendo que endossamos o estereótipo do macho truculento.

    ResponderExcluir
  5. Tony, desculpa se sou rude, mas vc falou 10 quilos, não salva 100 gramas. Analisa friamente, deixa a emoção só para os que estão perto das vítimas ou dos detratores. Se bem que se os mais próximos olhassem com menos emoção... vamos lá::: quem planta chuva, colhe tempestade. Se te julgarem por algo que você não é, e pior, se te fizerem pagar por algo que não fez, então vc vai mandar a fatura. Foi isso que o cara de Campinas fez. E o maluco do brigão, não foi educado adequadamente em casa. O choque que de realidade dele ao perceber que eles (os brigões) não são os donos do mundo, ficou escancarado na TV. Para nós mesmos, independentes se machos, valorização da macheza, do machismo da porra qualquer, devemos apelar para inteligência, que não tem genero. Quem for no mínimo esperto, senta e conversa com quem a gente gosta a respeito dessas merdas que andam acontecendo. Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Li seu comment 2 vezes e não entendi nada. A ironia é que vc falou que o Toni falou 10 kg mas não dá pra mais que 100g. O seu comment, porém, sequer tem massa.

      Excluir
  6. Se juntar a este caldo o crime da embaixatriz que mandou matar o marido então o ponteiro da balança vai para onde?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sério que o Luciano é seu amigo, Tony?

      Excluir
    2. 10:51 A senhora nasceu hoje?

      Excluir
    3. Esse Luciano tá fumando a maconha do Ministro da Justiça.

      Excluir
    4. Luciano nos mostra como agem os reaças. Não reaça, o ponteiro da balança não muda.

      Excluir
  7. Não precisa nem ir muito longe, basta ler os comentários deste blog. Gay fazendo uso de discurso de homofóbicos, apoiando machismo, homofobia, racismo, fascismo. E esse movimento é crescente entre gays. Aqueles que apoiam Bolsonaro estão cada vez mais ousados, agora querem ter voz e vez nos sites/blogs voltados para as pessoas LGBTQ. Bom, se esses seres não querem se tratar, então aguentem, porque serão enfrentados. Era o que deveria estar sendo praticado efetivamente entre os próprios gays. Porque deve partir principalmente dos gays a coibição de práticas e falas nazistas de outros gays.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Elas estão desgovernadas, não deu certo, na Europa, seriam brasileiras. Imagina quanto os analistas não faturarão. O inferno manda lembranças pet pet pet

      Excluir
  8. Aqui em Campo Grande/MS, um policial coreano lotado na PRF matou a tiros um empresário ,por conta de uma discussão no trânsito,alegando legítima defesa.
    Ricardo Hyun Su Moon conduzia sua Mitsubishi Pajero prata naquela manhã em sentido à rodoviária, onde embarcaria para Corumbá (a 419km de Campo Grande), seu posto de trabalho na PRF. Após uma suposta briga de trânsito, ele atirou sete vezes contra a Hilux branca do empresário.

    Nascimento, dono de dois restaurantes japoneses na cidade, morreu na hora, perdeu o controle do veículo e bateu em um poste. Um jovem de 17 anos que o acompanha foi baleado nas pernas. Outro acompanhante no veículo, um supervisor comercial, de 48, quebrou o braço esquerdo e sofreu escoriações com a batida. Ambos foram socorridos conscientes.

    O policial ficou no local do crime e chegou até a discutir com uma das vítimas, mas não foi preso na ocasião, mesmo havendo policiais militares no local. Posteriormente, ele acabou sendo indiciado em flagrante ao comparecer na delegacia com um advogado e representante da PRF.

    Em seu depoimento, Moon disse que agiu em legítima defesa. Afirmou que as vítimas não o obedeceram mesmo após ele se identificar como policial, que tentaram lhe atropelar ao fugir dele e que viu um objeto escuro que poderia ser uma arma na mão de uma das vítimas.

    ResponderExcluir