sábado, 21 de janeiro de 2017

CARNIFICINA AMERICANA

Oh dear. O que foi o discurso de posse do Trump? O presidente Snow, de "Jogos Vorazes", não teria feito pior ao assumir em Panem. Eu prometi a mim mesmo que ignoraria solenemente, mas não deu. Trump falou como se os Estados Unidos fossem uma terra arrasada, onde reinam as trevas e perambulam zumbis. Não é só o paralelismo pop com o Bane do Batman que assusta. É a visão antiquada de um mundo onde só existem fazendas e fábricas, onde qualquer estrangeiro é uma ameaça, onde a tecnologia da informação é coisa de viado. Isto não é  conservadorismo: é estupidez mesmo. A tal da "carnificina americana" que Trump disse que acaba com ele pode, ao contrário, estar começando agora.

12 comentários:

  1. No Brasil o mesmo se reflete. Segundo algumas digital influencers, existe lugar para homens e lugar para maricas. O clássico estereótipo, homem no exército, mulher na cozinha e viado no salão de cabeleireiro. Tudo segmentado. Parece muito com o pensamento limitado sobre um mundo constituído de indústrias e fazendas.

    ResponderExcluir
  2. Já já aqueles brucutus que votaram no Trump vai ver que não arranjam emprego porque não tem educação , são ignorantes quase semi analfabetos e não é culpa dos mexicanos

    ResponderExcluir
  3. Os americanos se acham os melhores em tudo , talvez um pouco de Trump vai ser bom para curar o complexo de superioridade dos americanos .

    ResponderExcluir
  4. Gosteido artigo de Juan Arias “ ESSA PARTE DE TRUMP QUE NOS HABITA” que diz:
    “Somos todos um reflexo de Trump cada vez que nos inflamamos diante dos diferentes. Não somos uma selfie dele quando sofremos se a nossa filha branca se casa com um negro? Ou quando nosso filho pardo se orgulha de ter se casado com uma branca?”

    Cada vez que um pai diz: “Prefiro um filho morto a um filho gay”, e quando em algum canto sombrio da nossa alma nos alegramos cada vez que um delinquente é linchado na rua, não estaremos poluídos pelo vírus trumpiano? Ou quando os homens, talvez sem verbalizar, consideram que muitos estuprossão causados e justificados pelas mulheres com seus vestidos provocantes, ou quando acreditam que todas elas são facilmente prostituíveis diante do poder ou do dinheiro?

    "Somos habitantes do planeta Trump quando degradamos os direitos humanos, defendemos a tortura ou a pena de morte e nos opomos a que a mulher possa decidir conscientemente sobre a sua maternidade."

    "Somos pequenos Trumps quando acreditamos que é a pobreza que causa a violência. E a polícia é trumpiana quando, na dúvida entre um branco e um negro, se inclina pela inocência do branco."

    ResponderExcluir
  5. E via de regra o conservadorismo não é estúpido? Os eleitores do Trump ainda continuam a acreditar que ele irá trazer os empregos ligados a indústria, como se fosse a coisa mais fácil do mundo trazer esses trabalhos. A eleição do Trump mostrou que os Estados Unidos da América ainda vivem em pleno estado de alienação. A América não passa de uma terra ocupada por uma alta gama de brancos que sentem imensa saudades dos tempos áureos da Ku Klux Klan. Just This.

    ResponderExcluir
  6. Kkkk bee, vamos rir muito

    ResponderExcluir
  7. Atóro as monas aqui nos comments debochando do país mais rico e poderoso do mundo, enquanto vivem numa África ligeiramente melhorada chamada Brasil. Bitch please, olhe o próprio umbigo, olhe em volta, olhe o Brasil antes de falar mal de americanos ou mal da classe média brasileira que não quer mais pagar pra ver socialista posar de salvador da pátria enquanto vive de verba da viúva roubando ou a titulo de incentivo. As monas aqui precisam aprender com o mundo real, em vez de ficarem chamando os americanos da classe media baixa de white trash. Muito lindo ver monte de homossexual no twitter falando dos white trash, enquanto em suas vidas pregam respeito aos gays, mulheres e minorias. Hipocrisia perde.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Há uma baita falta de noção. Taí o belíssimo filme Moonlight, considerado por alguns críticos dos EUA o melhor do ano, que é um filme de negros, do autor da peça ao roteirista do filme, diretor, atores e atrizes [nem há personagens brancos, brancos só os investidores que o bancaram]. Pois nesse país, onde o racismo ainda não é página do passado, há importantes diretores de cinema negros que fazem filmes independentes [e premiados] sobre sua comunidade [assim como trabalham para os grandes estúdios]. E na Broadway ainda há mais diretores negros também respeitados e premiados. Enquanto isso, no Brasil, onde os negros são quatro vezes mais numerosos que os de lá e constituem mais da metade da população, eles aparecem nos filmes dos brancos.

      Excluir
    2. Querido, ninguém aqui chamou a classe média americana de white trash. E como é que pedir respeito pras minorias é hipocrisia? Vá se tratar.

      Excluir
    3. Mas precisava como primeiro ato, tirar a página LGBT do site da Casa Branca. Quanto a você, o inferno te aguarda viada pró hetera...

      Excluir
  8. Tava demorando pra aparecer um imbecil nos comentários...

    ResponderExcluir
  9. "Atóro as monas aqui nos comments debochando do país mais rico e poderoso do mundo" Agora vai em blog de americanos classe média, socialmente progressivos liberais, que moram em cidades/estados pólo de educação e tecnologia e veja se a opinião deles não batem com a dessa "Africa melhorada". Os únicos americanos que apoiam Trump são do sul e do cinturão bíblico, e se tem gay que apoiam o pensamento dos americanos que vem do cinturão bíblico, aí já é uma questão a ser estudada.
    Nick

    ResponderExcluir