domingo, 22 de janeiro de 2017

BUÁÁÁ LAND


"Manchester à Beira-Mar" é um dos grandes concorrentes de "La La Land" na corrida pelo Oscar. Também é o oposto do musical em quase tudo: é triste, realista, pesadão. Nem trilha original tem; a cena mais devastadora é embalada pelo "Adagio" de Albinoni. Mas o melhor de tudo é que se trata de um filme para adultos. O roteiro escapa dos clichês e das soluções fáceis. Quem for esperando uma historinha de superação, do tipo "só o amor constrói", não precisa nem sair de casa. Mas existe amor em Manchester, e também muito sofrimento. A cidade do título (que não é a inglesa, mas sua homônima no estado americano de Massachussets) tornou-se um poço de lembranças funestas para o dificílimo papel de Casey Affleck. O ator tem que conjurar as emoções mais violentas e depois represá-las, num trabalho sutil que os leigos não apreciarão, mas que merece todos os prêmios que vêm por aí. Ele faz um sujeito quase inexpressivo, tão ensimesmado que só vai ao bar para puxar briga com estranhos, e que, de uma hora para a outra, se vê designado como o tutor do sobrinho adolescente quando morre o irmão mais velho. Mais não dá para contar. Só prevenir aos sensíveis de que eles irão chorar muito.

6 comentários:

  1. Pois é, a maioria leiga não vai apreciar, mas por algum motivo a sala estava lotada! Um drama dramático, e muito - ou como você disse, um filme bem mais adulto (a tendência parece ser esta), mais próximo da realidade, e bem menos afeito a uma 'moral da história'. Moral não há, só a constatação de certas dificuldades humanas. Mas a partir de certo ponto o filme prende toda a nossa atenção. Bom te encontrar, Tony!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maioria leiga hahahahahahaha.
      Leiga em quê, meu anjo? Em superioridade cinéfila?
      Ai credo quanta guei chata que há nessa vida e que se acha superior.

      Excluir
  2. Rubens Ewald Filho que não é leigo, disse que o Casey Affleck é um canastrão e não merecia prêmio algum.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. REF, aquela chata? Aff...
      Tem uma memória prodigiosa, mas é superficial que dói...

      Excluir
  3. então este vou pular - tb quero encontrar com a tonyah no cinema!

    ResponderExcluir
  4. Acabei de assistir. Muito bom, muito triste também, chorei em várias partes. Quem já perdeu o pai ou alguém muito próximo vai se identificar.

    ResponderExcluir