terça-feira, 10 de janeiro de 2017

A PRINCESA E A RAINHA-MÃE


O documentário "Bright Lights" já estava pronto antes de Carrie Fisher e Debbie Reynolds morrerem, mas teve sua exibição na HBO antecipada para esta semana. É um retrato em close da relação entre mãe e filha mais famosa de Hollywood, recheado de filmes caseiros e material de arquivo. Depois de muitos anos de turbulência, as duas desenvolveram uma simbiose divertida, mas que não deixa de dar um teaser do final abrupto e trágico. Senti falta de saber mais dos conflitos delas: Debbie precisou suar para pagar as dívidas de jogo do segundo marido, e Carrie se meteu com todo tipo de droga enquanto era diagnosticada com transtorno bipolar. Mesmo assim, a dupla exalava bom humor e autoironia. Chama a atenção como a princesa Leia - que poderia ter sido cantora, pois tinha um vozeirão daqueles - estava acabada para seus 60 anos (menos ainda na época das filmagens), até mesmo corcunda. Enquanto que a mãe mantinha a jovialidade com mais de 80, apesar de quando jovem lembrar a Eliana do SBT: bonitinha, mas com sex-appeal negativo. "Bright Lights" não é baixo astral, mesmo a gente sabendo agora como acaba a história. Mas também é uma lembrança agridoce do que perdemos com Debbie Reynolds e Carrie Fisher - principalmente esta última, que ainda tinha tanto o que fazer.

6 comentários:

  1. Carrie era medíocre como atriz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já Debbie sobrava de talento.

      Excluir
    2. Além de serem muito simpáticas à causa gay. Devemos à ambas.

      Excluir
  2. Dizer que Debbie era bonitinha, mas com sex-appeal negativo é coisa de bicha mal-amada é recalcada. E desde quando todas as mulheres têm ser sexy como a [porca] Madonna?
    Debbie era a imagem da graça, talento e leveza. Taí Singing In the rain para não deixar dúvida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi a falta de sex appeal que liquidou a carreira de Debbie Reynolds no cinema (e a de Doris Day também) nos anos 1960, tempos de liberação sexual.

      E taí uma coisa que eu não sou: bicha mal amada. Sou um fracasso em muitas áreas, mas tenho um casamento feliz há 26 anos.

      Excluir