sexta-feira, 4 de novembro de 2016

ELA TÁ BEBA DOIDA


"A Garota no Trem" lembra um pouco "Garota Exemplar", de dois anos atrás. Além de serem baseados em best-sellers e terem títulos parecidos, os dois filmes tratam de crimes misteriosos envolvendo protagonistas complicadas. Tive até a sensação de que o diretor Tate Taylor imita o estilo de David Fincher, com imagens meticulosamente enquadradas e manipuladas. Emily Blunt estava até cotada ao Oscar (não está mais), porque seu personagem é realmente difícil: uma alcoólatra abandonada pelo marido, que logo se casa de novo e tem um filho. Ela fica obcecada com a nova família dele, a qual observa todos os dias de sua janelinha no trem. Olha também a vizinha, de quem acha que leva uma vida perfeita. E nada é o que parece, claro. Só que a resolução final relega tudo ao nível de filme de mulherzinha. "A Garota no Trem" é bem filmado, tem atores importantes fazendo pequenos papéis e em nenhum momento chega a se tornar chato. Mas tem uma outra semelhança com "Garota Exemplar": é tão esquecível quanto.

Um comentário:

  1. Adorei o filme!

    A tristeza/depressão da Emily Blunt é muito convincente.

    Fiquei pensando em todos que ja tiveram ou tem um relacionamento abusivo com um parceiro manipulador. Interessante.


    Abraço!

    ResponderExcluir