domingo, 16 de outubro de 2016

QUE GRANDE TENDA É ESTA?

"É o tendão de Aquiles". William Shakespeare nunca escreveu esse trocadilho em português, mas ele está no texto da montagem de "Tróilo e Créssida" que acaba de entrar em cartaz em SP. O diretor Jô Soares não teve o menor pudor de dessacralizar o bardo inglês - e, de fato, trazê-lo de volta às origens, quando suas peças eram a diversão do populacho. Também tentou deixar mais engraçada essa "comédia sinistra", que na verdade se passa durante a trágica Guerra de Tróia. Por isto, fez com que nada menos que quatro personagens tenham trejeitos gays. Inclusive o rei Menelau, cujos cornos provocados pela fuga de Helena com Páris estão na origem do conflito. Funciona: o público do Teatro do SESI (que não cobra ingressos) se diverte à pampa, e ainda conhece a obra menos badalada de Shakespeare. Talvez porque "Tróilo e Créssida" não tenha protagonistas definidos nem um final conclusivo.  O casal-título protagoniza apenas uma das subtramas do texto, que, além do mais, termina antes do que seria um clímax natural - o cavalo de Tróia. Mas todos aqueles personagens clássicos estão lá: além dos já citados, ainda tem Ulisses, Heitor, Cassandra... O elenco trabalha em chaves diferentes, da comédia rasgada à tragédia pesada, mas estão todos bem. Vou destacar meus amigos Otávio Martins e Tuna Dwek, além da música original de Ricardo Severo. Os figurinos são lindos e eficazes, com os gregos de branco e os troianos de preto. Deixam fácil saber quem é quem, e lembram aqueles soldados do Império na Estrela da Morte de "Star Wars". Já não gosto tanto assim do cenário, nem dos capacetes de futebol americano usados pelas amazonas que irrompem em cena no final (todas lutadoras de MMA na vida real). Mas nada disto impede que "Tróilo e Créssida" seja um programão. É Shakespeare para quem nunca viu Shakespeare, popular e acessível. Como sempre deveria ser.

7 comentários:

  1. bacana. vi a entrevista deles no jô, verei com ctz. once upon a time namorei hamlet em montagem neste mesmo teatro. q por sinal tem um staff pica

    ResponderExcluir
  2. Falando em staff pica, ano passado assisti uma peça sobre Jean Genet onde faziam parte uns quatro atores presentes nessa nova montagem do Jô. E quem fazia Genet era exatamente o baixinho que faz o Tróilo. Como é grande esse ator? Tanto em talento como em atributos fálicos... O pau do cara, mole, dava quase no joelho, o que deixava a plateia em polvorosa. E ele dava show de interpretação, era tudo muito bom. Vai longe esse ator mega dotado em todos os sentidos.

    ResponderExcluir
  3. Vi essa peça no domingo. É uma peça bem a cara do teatro do Sesi, popular, cara e com um elencão de primeira, muitos deles fazendo apenas "figuração de luxo", como é o caso da Galisteu e do Damasceno(um ator que fez história em montagens inesquecíveis do Gerald Thomans). Quem rouba a cena é a "bicha zoiuda" e a Maria Fernanda Cândido joga na nossa cara a sua beleza absurda, mas ainda um tanto quanto canastrona. Tuna tem potencial trágico e arrasa quando aparece. E o Gelli só confirma que é um ator grandioso (já vi outras peças com ele, como Genet e Teneessee), ele é muito bom e cativa o público.

    ResponderExcluir
  4. Melhor direção do Jô. A Globo perde um grande astro e o teatro ganha um excelente diretor... É a vida!

    ResponderExcluir
  5. Vi num dia que o marido da Galisteu estava presente e não parava de mexer no celular. Alguém avisa pra ele que celular no teatro não pode.

    ResponderExcluir
  6. Maria Fernanda sofrível, Galisteu sempre cavando uma oportunidade pra ser notícia, o resto do elenco é bom, com destaque para o protagonista que foi revelado como Jean Genet e aparecia totalmente nu na primeira cena. Até hoje me masturbo pensando naquela neca maravilhosa. O cara do Supermax tb fazia uma traveca na mesma peça e o bofe do Aquiles era o bofe da trava musculosa. Um luxo! Pelo jeito o Jô viu a peça e chamou metade do elenco.

    ResponderExcluir
  7. Vi e a Galisteu só passava por trás, uma sombra. Maria Fernanda Cândido sempre MFC. Ou seja: linda e atriz qualquer nota. O Trólio salva. Aquiles e Heitor são tesão e as bichas protagonizam os melhores momentos nessa peça com elenco de apoio maravilhoso.

    ResponderExcluir