quinta-feira, 18 de agosto de 2016

A ÉPOCA MALDITA


Sou da geração que foi atingida em cheio pela AIDS. Perdi ficantes, amigos, conhecidos, uma hecatombe. Na verdade, é um milagre eu ter escapado - só descobri que precisava usar camisinha depois que milhões já tinham morrido. Também vivi intensamente a fase dos filmes e peças que retrataram a crise mais aguda provocada pela "maldita", a partir de meados da década de 1980. Com algumas variações, claro, a história era sempre a mesma: fulano vivia feliz e despreocupado, desfrutando de sua viadagem, até que um dia se descobriu doente. Algum tempo e muito sofrimento depois, fulano morria. Este é basicamente o plot de "Holding the Man", um filme australiano do ano passado que só chegou por aqui via Netflix. É baseado no livro escrito por um de seus personagens, relatando o calvário que viveu ao lado do namorado, a quem conheceu ainda no colégio. O longa é envolvente e bem feito, apesar dos protagonistas serem grandinhos demais para convencerem como adolescentes. Também há pequenas participações de atores famosos da Austrália, como Guy Pearce ou Geoffrey Rush. Mesmo assim, padeci um pouco. Não acho mais que a AIDS seja um bom assunto dramático, pelo menos não se a trama se passar naquela época pré-coquetéis. O desenlace costuma ser igual - e deprimente, por mais que se agreguem mensagens de otimismo. Já vi (e vivi) esse filme antes.

8 comentários:

  1. Também não consigo, Tony. Dá uma bad danada. E concordo com você: precisamos de mais roteiros pós-coquetéis: também há dramas e inúmeras possibilidades para a narrativa, mas o mocinho não precisa morrer no final, né? :*

    ResponderExcluir
  2. Achei esse filme bem ruim e uma das maiores furadas foi usarem os mesmo atores quando eles são adolescentes. Essa agonia eu senti com uma minissérie sueca que mostra a comunidade de Estocolmo nos 80 "Nunca enxugue lágrimas sem luvas". Eram só 4 cap, mas custei acabar de ver.

    ResponderExcluir
  3. Muito bad!!! Pra mim uma arma quimica sem duvida nenhuma pra fazer as bee sofrer e talvez vender latex sei la, mas q essa doença sempre foi estranha

    ResponderExcluir
  4. Depois de Angels in America deviam enterrar essa premissa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O mio babbino caro
      18:55 Exatamente!

      Excluir
  5. The Normal Heart pra mim, ainda continua Ors Concours... ;P

    ResponderExcluir
  6. Filme que associa gay com HIV é coisa de maricona, bicha jurássica, do tempo que chamavam Aids de Câncer gay... Filme antigo, datado, nem quero passar perto de cinema que passe coisa do tipo.

    ResponderExcluir