sábado, 2 de julho de 2016

PORTA DO CAMARIM


As primeiras notícias dão que "Contrato Vitalício" fez menos do que o esperado em seus primeiros dias em cartaz. O primeiro filme "oficial" do Porta dos Fundos era uma das grandes apostas do ano ("Entre Abelhas", de 2015, também dirigido por Ian SBF e estrelado por Fábio Porchat, era um drama sem a marca do grupo). O que será que aconteceu? Quatro anos depois de estourar, eles não são mais novidade, mas a audiência de seu canal no YouTube continua alta - e também a capacidade de se envolver em polêmica de vez em quando. Mas parece que o público que os adora na internet não se dispôs a acompanhá-los ao cinema. E não é que o filme seja ruim: "Contrato Vitalício" poderia ser um pouco mais curto, mas é cheio de energia, inventividade e humor. O problema é que, ao contrário dos esquetes online, o roteiro não fala de probleminhas do cotidiano comuns a quase todas as pessoas. O tema do longa é o showbiz, a fama, o estrelato. Algo que Porchat, Gregório Duvivier e a tropa toda estão vivendo intensamente, mas muito distante da vida dos mortais comuns. Além disso, boa parte das piadas só serão entendidas com quem tem alguma intimidade com o meio artístico, como a preparadora de elenco vivida por Júlia Rabello ou as dezenas de menções en passant a celebridades de diversos tamanhos. Dito isto, "Contrato Vitalício" merece ser visto por quem curte o Porta dos Fundos. Até porque tem a mais engraçada inserção de merchandising de todos os tempos.

15 comentários:

  1. No caso do 'Porta' o sucesso na internet não refletiu-se nas salas de cinema. Preguiça de seus espectadores no mundo virtual de fazer reverência ao grupo no mundo físico? Pessoas que dão audiência na internet tendem a não dar a mesma em lugares e/ou eventos que se exige presença física? Agora, tem um componente hoje que cada vez vem se tornando crucial em bons números de bilheteria, a divulgação positiva de um filme boca a boca e em diferentes meios de circulação de informação, e já circula que "Contrato Vitalício" possui temática diferente das esquetes produzidas para internet. Talvez possa estar nisso a bilheteria aquém das expectativas para o filme.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Pessoas que dão audiência na internet tendem a não dar a mesma em lugares e/ou eventos que se exige presença física?"

      Pensei nisso. E acrescentaria eventos que cobrem entrada, pois a geração internet não topa mais pagar por produto cultural (a não ser que seja meet & greet com 5th Harmony e R$ 2.500 pra ver o que sobrou da Mariah Carey).

      Excluir
  2. Pra que gastar uma grana no cinema se daqui 6 meses vai passar na tv?
    Vi o trailer e ao contrário da sua descrição achei comédia pastelão, e uma história fraca, fulano assina contrato vitalício, some, volta parecendo mendigo, what's the point?
    E, tipo, alguém ainda tem vontade e curiosidade de ver o superexposto Porchat?

    ResponderExcluir
  3. Eu até ia assistir esse filme sexta-feira, mas ou o marido assitia Procurando Dory ou morria.

    ResponderExcluir
  4. porchat nao me faz ir ao cinema. apesar de ser comivel, acho ele meio over, gritado. Ha quem ache graça. como diz o velho deitado: Nao achei-lhe sar.

    ResponderExcluir
  5. Porchat e Paulo Gustavo, o humor gritado, cansativo e ególatra.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade eles meio que são atores de um personagem só. Não por acaso a rede de supermercados que tinha o PG como garoto propaganda trocou ele pelo FP

      Excluir
    2. Adoro o Porta dos Fundos. Foi um exemplo bacana sobre o período de democratização da mídia. Infelizmente ainda mantem o Fábio Porchat chatérrimo no elenco. Quanto ao Paulo Gustavo e o seu eteno papel dele mesmo e a sua cria, Marcus Majella, já não convencem mais ninguém. O Marcus estava melhor aproveitado quando estava na Porta dos Fundos.

      Excluir
  6. O mio babbino caro
    Talvez para fazer humor tenha que ser ainda mais sério.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. concordo com o amigo acima. Marília Pera dizia que o humor escrachado cansava a platéia. Palavra de quem entende.

      Excluir
    2. Papo reto, vai ser sempre incompleto enquanto o cinema nacional for essas lorotinha branca...

      Excluir
  7. Sendo franco, pra quem não falsifica entrada de estudante, cinema se tornou programa quase proibitivo de tão irracional. Com uma única ida de casal num fds à noite pagando inteira, cobre-se a fatura de 4 meses de NetFlix, por exemplo. Ou cerca de 8 lançamentos no Now.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, anônimo, disse tudo. Lacrou.

      Excluir
  8. Tony, ótima resenha. Só uma pequena correção: Júlia Rabello.

    Rabelo é um barco português, que transita pelo Porto (e aparece nas fotos da cidade portuguesa). A grafia antiga continha dois Ls, mantida no sobrenome de alguns. O "e" pode ser por conta da pronúncia portuguesa do termo, que muitas vezes diminui a vogal entre R e B.

    ResponderExcluir