sexta-feira, 27 de maio de 2016

MUITO MAIS QUE 33

Achei que eu tinha lido errado. Primeiro entendi que havia ocorrido mais um caso de estupro coletivo no Piauí, como há um ano. Depois achei que tivesse sido no Rio de Janeiro. E só então percebi que eram dois casos diferentes, um em cada estado, ambos horripilantes. O pior é que devem ser apenas os que foram noticiados: quantos outros vêm acontecendo por aí, sem chegar à polícia ou à imprensa? A cultura do estupro é quase universal. Mesmo os Estados Unidos, tão avançados em tantas áreas, ainda padecem deste mal, disseminado até mesmo dentro das universidades. Aqui no Brasil, parece que estamos nos equiparando à Índia. É chocante que os canalhas postem vídeos de suas vítimas nas redes sociais: além de continuarem a violência por outros meios, provam que têm certeza da impunidade. E isto mostra que não foram só 33 selvagens que violentaram a menina de Jacarepaguá. Fomos todos nós, que vivemos nessa cultura e pouco fazemos para mudá-la. Pelo menos a reação tem sido veemente: não me lembro de ver a opinião pública tão mobilizada quanto a este assunto, e com tão pouca paciência para os boçais que jogam a culpa na mulher. Mas claro que isso ainda é pouco. Enquanto elegermos religiosos de araque e nazistas de verdade, a cultura do estupro continuará com respaldo oficial. Se queremos um país melhor, não é só combatendo a corrupção ou exigindo um governo eficiente que chegaremos nele. Há uma mudança muito mais profunda a ser feita, dentro das nossas cabeças.

49 comentários:

  1. ...putz, que legal, muito bom encontrar uma opinião que corresponde ao que sinto...o que devemos mudar esta em nós, em nossas cabeças dinossauro..
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderExcluir
  2. Isso é nojento, nojento nojento nojento. Me dá asco pensar em 33 machos abusando e violentando uma garota de 17 anos. Qualquer estupro e abuso contra mulheres é algo nojento, indefensável, mas pensar numa cena dessa só me faz quase perder a fé na humanidade.

    Mas existem duas tragédias que ocorrem junto dessa da moça do Rio. A primeira é a mais batida e o argumento bem fraco que tenta justificar o acontecido pelo fato da moça ser drogada, ou pelas roupas que ela usava. Claro que isso não faz sentido e nem preciso explicar porquê.

    Mas a segunda tragédia é que até pessoas inteligentes o suficiente para não usar o argumento néscio de cima são incapazes de debater soluções razoáveis para a ocorrência epidêmica de estupros e abusos contra mulheres. Ontem deu tristeza ver post no Facebook de liberais e libertários falando que a solução para proteger as mulheres é o fim do desarmamento. Como se o número de armas apreendidas pela PM do Rio não fosse 70% de armas obtidas legalmente, segundo o Globo. Ou seja: nós não temos um problema de armas ilegais. Boa parte das armas usadas para cometer crimes no Rio são legais. Além disso, esse argumento sugere que a culpa do estupro é da mulher que não tinha uma arma. Ou seja, libertários não são diferentes de conservas botando a culpa na mulher. Enfim, homens mudando o foco do problema da objetificação da mulher no Brasil para promover a agenda do desarmamento.

    Outra sugestão estúpida que vi foi que penas mais duras desestimulariam o estupro. É sério isso?? Vcs acham mesmo que os 33 machos pensaram na duração da sentença deles antes de violentar a menina? Que eles fizeram um cálculo elaborado, pesando o prazer de gozar dentro de uma garotinha indefesa contra o prejuízo de ficar preso X anos pelo crime de estupro? Já é bem estabelecido na Criminologia e na Psicologia Jurídica que penas mais duras NÃO diminuem a incidência de um crime.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato. No Brasil tenta-se resolver crime aumentando as penas ad infinitum. Só que os criminosos praticam pensando na impunidade pela ineficiência da polícia judiciária. Basicamente, se você não é preso em flagrante, jamais o será.

      E quanto a mudar a cultura do estupro, isso passa necessariamente pela maneira como criamos meninos.

      Excluir
    2. Tem uma teoria de uma mulher (Jane Roberts) que recebe uma entidade chamada Seth, que homens cometem esses crimes para poderem ir para prisões onde poderão exercer práticas sexuais "sem culpa"...

      Interessante o texto sobre a "Natureza da Bisexualidade Humana" (Men's Bisexual Nature).

      "Creativity rides the tides of love. When love is denied its natural expression, creativity suffers. Your befiefs lead you to suppose that a natural bisexuality would result in the death of the family, the destruction of morals, rampant sexual crimes, and the loss of sexual identity. I would say, however, that my last sentence adequately describes your present situation. The acceptance of the species' natural bisexuality would ultimately help solve not only those problems but many others, including the large instances of violence, and acts of murder. In your terms, however, and in your circumstances, there is not apt to be any easy transition."

      Seth - Jane Roberts.

      Excluir
    3. Recebia né... pois a "Inês" está MORTA!!!

      Excluir
    4. Tony, porque você aceita comentários da Mono em posts sérios? Já que a Mono é um perfil de humor om piadas sobre teoria da conspiração não combina aceitar comentários de um perfil humorístico numa postagem séria.

      Excluir
  3. O meu consolo é que vão dar muito na cadeia... Pelo menos isso...
    Às vezes eu tenho vergonha de fazer parte da raça humana... muita vergonha...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vão não, fera. Estupradores ficam em ala separada só pra eles.

      Excluir
    2. Não se justifica um erro com outro. Se vão ter que dar muito na cadeia isso é um erro. Eles devem apenas ir para a cadeia e por ali ficar. O nome disso que vc está falando é cultura do ódio cultura da violência.

      Excluir
    3. 13:01 Você é muito raso!

      Excluir
  4. 50.000 estupros por ano no Brasil. E o MBL atacando movimentos feministas. Gostaria de pensar que agora eles entenderam a importância do movimento feminista. Mas a impressão que eu tenho é que vão esperar a opinião pública acalmar, esquecer esse estupro e depois continuar atacando movimentos já legitimados de olho no levante popular pelo ódio para as eleições.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse MBL caiu:http://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2016/05/27/maquina-de-partidos-foi-utilizada-em-atos-pro-impeachment-diz-lider-do-mbl.htm
      Vamos site uol e do prórpio MBL comentar e usar as palavras deles, dizer que o Moro vai pegar eles como pegou o PT, que todos serão tirados da cena política e que são ladrões.

      Excluir
    2. Objetivo principal do MBL são as eleições desse ano. Sabe aquele momento quando mandam a conta pra gente? É isso. Não tem almoço de graça.

      Excluir
    3. Não tem mobilização sem conta querido.

      Excluir
  5. E o que dizer dessa imbecilidade e dos comentários que seguem então, PQP

    http://rodrigoconstantino.com/artigos/o-estupro-coletivo-e-os-avancos-sociais-do-pt/

    ResponderExcluir
  6. Agora, sério mesmo, porque que TINHA que ser o "33"??

    Cheira a truque, né não!?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como eu faço pra ser abduzido por um disco voador? Eu gostaria de nunca mais voltar para a Terra.

      Excluir
    2. Mono usa sua numerologia até para comentar o caso brutal desse estupro. Deselegante.

      Melhore, Marcelinho.

      Excluir
  7. Não seria melhor falar "costume criminoso do estupro", ou "hábito cruel do estupro" do que falar "cultura do estupro"? Pra mim cultura é artes, folclore, valores de expressão é estupro é uma violência, um crime, um ato desprezível.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cultura, no sentido amplo, engloba não só as manifestações artísticas, mas tudo o que o ser humano faz que não seja de origem natural (como a fome ou as demais necessidades fisiológicas). Portanto, é correto falar em "cultura do estupro".

      Excluir
    2. Anônimo das 13:46 o termo pode ser chocante, mas é correto e infelizmente todos a presenciamos no dia a dia. A cultura do estupro está nas imagens, na linguagem (piadas, gírias, expressões, etc.), nas leis, na tv (series, filmes, novelas, propagandas e comerciais) e em outros fenômenos cotidianos que vivemos e testemunhamos todos os dias que fazem a violência contra a mulher parecer tão normal. A cultura do estupro é um conjunto complexo de crenças que encorajam agressões sexuais masculinas e apoiam a violência contra a mulher, fazendo-a parecer algo normal e banal.

      Excluir
    3. Eu também sempre vi a cultura como manifestações artísticas de um povo, é esquisito pra mim e soa estranho chamar um ato de violência de cultura.

      Excluir
  8. O motivo que levou ao estupro dessa menina é o mesmo que levou um estádio inteiro chamar Dilma de vagabunda. Não há inocentes. Parem a palhaçada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Definitivamente.

      Excluir
    2. Não foi vagabunda, mandaram ela tomar no cu, com todas as letras e era a "elite" nacional. E não houve revolta. Triste extremamente triste, uma das respostas foi eliminar o Ministério da Mulheres, para que? Ou melhor coloca-lo junto ao ministério da Justiça sob o comando do Sr. Alexandre de Moraes.

      Excluir
    3. Discordo, Dilma fodeu um país, foi xingada porque era paga pra trabalhar e não destruir o Brasil.

      Excluir
    4. 15:56 E o que vc faz pelo seu país que não seja ficar gritando na rua? Já parou para pensar?

      Excluir
    5. Te garanto que coisas bem melhores do que destruir um país junto do partido ladrão ao qual pertenço.

      Excluir
    6. "Há uma mudança muito mais profunda a ser feita, dentro das nossas cabeças"
      (TG)

      Excluir
  9. Fica claro que as autoridades, especialistas, criminalistas, sociólogos, a sociedade, ninguém tem a resposta para explicar um país tão violento, tampouco solução para previnir crimes como estupros e violência doméstica contra a mulher.
    A sociedade está afundada em números, estatísticas, indignações, mas não sabe como sair dessa manifestação virtual e criar na prática medidas que dêem resultado real, diminuindo os milhares de casos de estupro, inclusive porque a grande maioria é cometida por alguém que conhece a vítima.
    As mulheres estão convivendo com seus inimigos e algozes, e a sociedade só consegue lamentar, sem saber como mudar algo que parece um sintoma de algo maior, que as feministas apontam como machismo e alguns homens, seja por covardia, seja por não se reconhecerem, acham exagero.
    O fato é que temos assistido a ascenção das mulheres a todas as esferas da sociedade, hoje talvez não consigamos lembrar de um trabalho ou lugar no mundo em que não exista mulher, no entanto elas continuam sendo espancadas pelos maridos, estupradas, mal tratadas. Todas? Não, claro. Muitas? Provável. É tão endêmico quanto tabu, não se fala no almoço de domingo sobre a violência contra a mulher.
    E acaba sendo inevitável nesse momento politico que o assunto seja usado de forma ideológica ou partidária. Bobagens serão ditas, coisas importantes também, e pelo bem da sociedade espera-se que não fiquemos aoenas nesse ping pong virtual de acusações, um jogando luz na miséria do outro, mas que saibamos de alguma forma trazer benefícios da questão e o debate.
    Porque, senão, de outra forma, terá sido apenas um episódio midiático usado pelos aproveitadores de sempre para manter acesa a chama dos seus discursos inflamados que os mantém soberanos intactos em suas torres julgadoras, de onde assistem os seus patrocinadores pagando por suas palavras vazias travestidas de esperança.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Respostas há, muitas aliás. Concordo qdo vc diz q estamos mergulhados em números, estatísticas e indignação midiática mas não conseguimos sair do buraco. A resposta está na distribuição da riqueza. É preciso redistribuir os impostos, acabar com a corrupção. Mas quando falamos sobre impostos e taxar os mais ricos, voltamos para o buraco. A elite é a grande causadora dos males nacionais. Ninguém consegue mais fingir isso.

      Excluir
    2. E os abusos sexuais dos próprios filhos pelos pais, que as mulheres HISTÓRICAMENTE sempre ACOBERTARAM??

      Até mesmo acobertaram abusos sexuais cometidos por PADRES!!!

      Então meu filho, o problema é muito mas MUITO mais complexo do que chamar mulheres de "vítimas".

      Excluir
    3. Falar de mais imposto pra cair na mão da corrupção e roubo é ter certeza de que nada mudará, só roubarão mais.

      Excluir
  10. Pessoas muito bem intencionadas têm culpado a "cultura do estupro". Cada vez que fazemos uma tal generalização, ou pior, culpamos abstrações, esquecemos que sempre há um culpado de carne e osso. Nesse caso, 30 culpados.
    Não nos deixemos enganar pelo conto do coletivismo : a culpa não é da "sociedade" , nem da "falta de oportunidade ", nem da "cultura do machsimo". A culpa, nesse caso, é exclusiva de 30 canalhas monstruosos.
    Não existe no Brasil nada sequer semelhante à Sharia; não existem costumes tribais bárbaros, como em partes da África ou da Índia.
    O que existe aqui é triste tentativa de sempre eximir o culpado e culpar abstrações : o ladrão não tem culpa, foi a falta de oportunidade; o político é desonesto, culpa da ausência de reforma política; uma mostruosidade ocorre, a culpa é da cultura do estupro.
    Nao!
    O ladrão rouba porque é mau caráter, o político está lá porque muitos votaram nele, a violência sexual ocorre porque vagabundos com nome e sobrenome a cometem, tiram foto, esperam a culpa recair sobre abstrações e aguardam as bênçãos dos "direitos humanos".
    À pobre vítima ninguém procurou para lhe garantir quaisquer direitos. ...

    ResponderExcluir
  11. "Cultura significa todo aquele complexo que inclui o conhecimento, a arte, as crenças, a lei, a moral, os costumes e todos os hábitos e aptidões adquiridos pelo ser humano não somente em família, como também por fazer parte de uma sociedade da qual é membro."
    O estupro e a violência não é culturalmente aceito pela sociedade,prova disso é essa gigantesca revolta, nossa cultura (infelizmente) é machista misógina e homofóbica e essa cultura de preconceito incentiva a violência e o estupro. Não temos cultura de estupro, temos cultura do preconceito e essa estimula o estupro.

    ResponderExcluir
  12. Lembrei daquele áudio vazado de Lula e Dilma fazendo piada da mulher solteira que ao ser abordada por 5 homens acharia que era um presente de Deus.
    https://youtu.be/Yh4U3V8I_wk

    ResponderExcluir
  13. Esquerdistas como o Tony Goes, Barbara Gancia, Jandira Feghali, Jean Wyllys, Marcelo Freixo, Sakamoto.. falam de Cultura de Estupro mas é bem incoerente pois esses movimentos dão entonação de "homem estuprador em potencial"
    basicamente o discursinho pacifista da esquerda é não dar punição aos agressores e generalizar como "A Cultura..." é unicamente pra passar a mão na cabeça de bandido

    na verdade Tony Goes pelo contrario da bobagem que você falou, cultura de estupro é só pra tirar a culpa do indivíduo, tamanha desonestidade só poderia vir de um new-left que na verdade tenta enfiar marxismo na goela das pessoas

    também mencione a parte onde a família da menina boazinha estuprada tirava foto com fuzil, na favela era conhecida como maria fuzil, drogada que os pais nem conseguem a segurar, então esse papinho não cola, não seja desonesto por favor!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gentem! Agora virei new-left!

      Excluir
    2. Os mais velhos vão lembrar do filne Acusados, com que Jodie Foster ganhou um Oscar, e que conta a história de una mulher de classe sócio econômica baixa que está num bar cheio de homens e dancando sensualmente e ekes resolvem fazer un gang bang nela. O julgamento na justiça desse estupro levanta questões bem parecidas com algumas coisas que lemos em fatos como esse agora no Rio, em que se questiona o que a mulher estava fazendo ali se oferecendo e colocando os homens como meramente pessoas instintivas que reagem a esse estímulo sexual. O filme é de 1988 mostra como não evoluímos nada nesse aspecto.

      Excluir
    3. A ironia cruel e triste do estupro é que a sociedade acaba o tolerando, seja fingindo que não o percebe, seja com as políticas que preferem tentar curar o estuprador, enquanto lá dentro das cadeias os estupradores são separados pois até assassinos os consideram a coisa mais nojenta e abominável pelos códigos deles.

      Excluir
    4. Não virou não. Esse pessoal, digamos, é chato.

      Excluir
    5. 22:58 Muito honesto vc que apoia um ministério de políticos corruptos que despenca vergonhosamente dia após dia através de ligações telefônicas indecentes, tem ações burras como encontrar-se com um ator idiota para discutir educação, abre as portas do ministério para pessoas da pior qualidade. É claro que vc vai dizer que tudo isso é um mal necessário como fazemos repetitivamente desde 1500.

      Excluir
    6. Muito melhos ser "new left" que ser do grupo do anônimo das 22:58. Os "left" criaram shows como Friends e outros de sucesso e os "conservative" como vc das 22:58 não criam nada e só reclamam da propaganda dos "left", como o autor desse livro:Primetime Propaganda: The True Hollywood Story of How the Left Took Over Your TV.
      Estou postando esse livro pq acho interessante esse movimento "conservative" que só reclama dos "left" e não faz nada.

      Excluir
    7. Exato!

      Os conservadores são péssimos em arte!

      Bando de gente odiosa. E falam que são "cristãos".

      Excluir
  14. O mio babbino caro
    ..."Agora não dá mais para sonhar
    O seu diário na TV
    Não há segredos mais pra ocultar
    Todos vão saber que era criança
    E que amava muito os pais
    Que tinha um gato e outros pecados mais

    Morreu violentada por que quis
    Saía, falava, dançava
    Podia estar quieta e ser feliz
    Calada, acuada, castrada
    Morreu violentada por que quis
    Saía, falava, dançava
    Podia estar quieta e ser feliz"...
    (Angela rõ Rô)

    ResponderExcluir
  15. Anonimo 22:58
    O fato da menina ser conhecida como Maria Fuzil ou ser drogada ou caralho a quatro, nao a faz merecedora de um estupro, nao relativize, nao seja conivente. Isso tem que acabar e ponto final.
    Uma anonima que nao sabe colocar acento nas palavras.

    ResponderExcluir
  16. Nao estou justificando os atos dos bandidos, mas a menina nao era flor que se cheira, vivia infurnada com bandidos, se ela fosse homem com certeza seria assasinada, como era mulher resolveram estupra-la (sabem que é pior castigo para uma mulher, alem de perder os filhos) entendam nao estou justificando, ninguem tem o direito de estuprar ninguem...mas ela convivia com bandidos...

    ResponderExcluir
  17. Temos que ensinar os jovens a não andar com bandidos, eles estupram, roubam, matam, torturaram, essa moça andou com bandidos e olha a maldade que fizeram com ela.

    ResponderExcluir
  18. Tony, eu nem sempre concordo contigo, e me irrito particularmente com alguns anônimos que costumam comentar no seu blog. Mas às vezes venho aqui apenas pra ler o que você tem a dizer sobre tal assunto, pois depois de ler barbaridades no Facebook ou certos colunistas que se fazem de sonsos, sinto que preciso ler a opinião de alguém ponderado e sensato. Parabéns atrasado pelos 9 anos de blog e continue com o bom trabalho.

    ResponderExcluir