sexta-feira, 1 de abril de 2016

MARKETING ENEVOADO

Tem horas em que um marqueteiro faz falta. O PMDB achou que era uma ótima ideia romper com o governo pela TV, com Eduardo Cunha levantando os bracinhos. Deu no que deu: muita gente que era pelo impeachment agora está se questionando. Os taxistas cariocas são outro exemplo infeliz. Quiseram demonstrar que são capazes de parar a cidade numa demonstração contra o Uber. O que conseguiram até agora é uma campanha conclamando a população a NÃO pegar táxi por pelo menos três dias. Esses tiros pela culatra mostram como gritos e ameaças funcionam pouco em tempos de redes sociais. Que o diga o Lula, que se autoapelidou de Jararaca e depois teve que afinar o discurso.

12 comentários:

  1. O mio babbino caro
    Tinha que fazer isso na moita. Quem seriam essas pessoas que era pelo impeachment e agora está se questionando. E o Chico e o Caetanos ainda falam aquelas coisas, se continuar assim "Não vai ter Golpe".

    ResponderExcluir
  2. Logo os taxistas do Rio que me dão arrepio!Péssimos, muito malandros à solta e bandidos mas com registro oficial! (sem generalizar) Caras de pau! O dia foi um horror na cidade!

    ResponderExcluir
  3. Acho que babu quer seu corpo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nada. Ela é truqueira. Bate ponto pra fazer nome. Vai lançar um blog em breve. Advinha o nome do blog?

      Excluir
    2. Nos lençóis da cama, bela manhã
      No jeito de acordar
      A pele branca, gata garota
      No peito a ronronar
      Seu fingir dormindo, lindo
      (L)

      Excluir
  4. O Brasil é um horror, morei em Londres dos 18 aos 21. Mesmo sabendo que os ingleses(londres capital da lavagem de dinheiro mundial) fazem parte do golpe querem botar a mão na Petrobras e adoram nos fuder, me arrependo

    ResponderExcluir
  5. O cornelismo nesse país ainda não acabou. São os taxistas que querem impedir o consumidor de escolher o serviço que achar melhor, ao invés de melhorar o preço, melhorar o serviço, parar de cobrar absurdos de turistas estrangeiros, para ficar em poucos exemplos.
    São também as operadoras de TV a cabo que querem a todo custo aumentar os impostos da Netflix para impedir a fuga de seus assinantes, sendo que não raramente, um mesmo filme passa dez vezes na mesma semana em canais diferentes, além é claro do preço.
    Por último, temos as operadoras de telefonia, tanto as que operam o telefone fixo quanto as de telefonia móvel que perderam muito dinheiro para o WhatsApp. Agora estão tentando impor uma regra que limita o acesso mensal à banda larga, como nos planos com dados móveis, sendo que este serviço no Brasil é um dos piores das Américas.
    Essa péssima tradição histórica precisa ser extirpada do nosso cotidiano. Mas, nesses casos específicos, agora que a moda é ir pra rua, tá na hora de variar o leque de pautas e lutar para que esses abusos não persistam.

    ResponderExcluir
  6. PMDB é que nem taxista mesmo. Se tivermos sorte os dois serão varridos do mapa e existirão apenas como lembranças de um passado sem nostalgia.

    ResponderExcluir
  7. Já que você falou do PMDB leiam essa entrevista de uma sinceridade surpreendente de Roberto Requião, um dos pilares desse partido, para entender o que nos espera caso o golpe dessa quadrilha se concretize:
    http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2016/04/160330_requiao_pmdb_if

    ResponderExcluir
  8. Um marqueteiro tipo João Santana?

    ResponderExcluir
  9. Falando em Trump, ele atingiu um nervo ao sequer mencionar punir mulheres que praticam aborto (já legalizado nos EUA há eons). Agora está tendo que voltar atrás em todas as declarações sobre o assunto.

    Aborto aqui no Brasil? Nem com zika.

    ResponderExcluir
  10. Experiência recente de taxi, no Rio de Janeiro: o taxista depressivo mal cheiroso fumando dentro do carro.

    Sim, fumando dentro do carro.

    Assim fica difícil defender a classe...

    ResponderExcluir