terça-feira, 5 de abril de 2016

DILDO BAGGINS

Uma mulher atirou um dildo de borracha na cara do primeiro-ministro da Nova Zelândia. O motivo é o de menos: todos os políticos, de todos os matizes, merecem pelo menos uma vez na vida levar um consolo na cara em público. O que importa é que a Nova Zelândia é um país tão civilizado que não aconteceu nada com a mulher. E o episódio ainda serviu de assunto para o programa do John Oliver, que tirou sarro à vontade sem medo de represálias. Quando eu digo "sarro à vontade", não passo uma ideia fiel do que ele fez: assista ao vídeo até o fim, mesmo que você não entenda inglês. E mais uma vez eu estou me coçando por ser praticamente impossível fazer um programa como esse no Brasil.

11 comentários:

  1. Genial! E a gente debatendo se porta dos fundos é escrotinho.
    E quem vc botaria apresentando um programa assim aqui?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jura? Acho meio passado. Meio com a imagem já gasta.

      Excluir
    2. Também acho. Muito muito gasta. E depois que começou a fazer comercial até de uniesquina, piorou.

      Excluir
    3. Ele precisa pagar as contas.

      Excluir
  2. Doeu mais dar-me conta que vivo no Brasil, onde não podemos mesmo ter nada deste tipo na TV, ainda mais nestes tempos estranhos que vivemos.

    ResponderExcluir
  3. Caso a republica das coxinhas seja instaurada no Brasil, será realmente impossível fazer qualquer tipo de piada. A bancada evangélica, o novo órgão de censura do país, será o moderador do que ofende ou nao a população. Ou vocês acham que um governo de ultra direita vai resolver o problema da caretice dos tempos atuais?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amor, precisa desenhar pra vc aceitar que Dilma se associou a essa gente? E vc achando que precisa da direita pra eles subirem ao poder.

      Excluir
  4. Levar uma rola assim na boca. Hmmmm

    ResponderExcluir
  5. Se joga Tony. Propõe essa ideia na Fromcast aquela empresa irlandesa onde vc trabalha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você acha que eu já não propus? Mas eles acham que no Brasil não dá. Altíssimo risco de processos.

      Excluir