domingo, 6 de março de 2016

SHOULD OLD ACQUAINTANCE BE FORGOT

A última temporada de "Downton Abbey" conseguiu que eu voltasse a fazer algo que saiu dos meus hábitos: sentar na frente da TV na mesma hora, no mesmo dia da semana, do começo ao fim. E não é que foi um prazer ver esses capítulos finais aos poucos, sem ser de enfiada? O derradeiro foi exibido ontem pelo GNT, e na verdade foi duplo - incorporou o especial de Natal, uma tradição da série. Desconfio que ela tenha se tornado o programa britânico de maior sucesso internacional de todos os tempos, apesar de falar de assuntos tão específicos a seu país. "Downton Abbey" influenciou até mesmo a TV aberta brasileira: a primeira fase da novela "Além do Tempo" tinha muito de sua dinâmica. E agora pare de ler, porque não sei continuar sem spoilers. A reta final foi bastante mansa, sem grandes tragédias ou reviravoltas. Ninguém morreu, nem mesmo lady Grantham, que já devia estar com 183 anos. Um monte de casais se formou na última hora, como nos nossos folhetins. E a história não acabou: simplesmente parou, deixando a porta escancarada para uma futura retomada. Mas será que queremos saber desse futuro? "Downton Abbey" foi um fenômeno porque falava de um tempo que parecia menos conturbado, apesar das guerras, das adversidades e da desigualdade social. A família rica era inacreditavelmente boazinha: a criadagem, fantasticamente submissa. Mesmo assim, o seriado tocou em temas como a emancipação da mulher, a luta de classes, a homossexualidade no começo do século 20 e o avanço inexorável do progresso. Foi uma delícia de se ver e ouvir, além do mais por causa das tiradas ferinas escritas pelo roteirista Julian Fellowes, que trabalhou sem assistentes. Agora ele prepara uma série sobre o mesmo período nos Estados Unidos, "The Gilded Age". Mesmo sabendo que nada acabou, fico cantando internamente como os personagens na última cena. Mas a minha versão é em português mesmo: "adeus, amor, eu vou partir..."

13 comentários:

  1. Downton Abbey excelente em todos os sentidos produção impecável, assisti uma vez e gostei muito, adoro toda esta época antiga.

    ResponderExcluir
  2. Downton Abbey é uma série sobre um mundo com ordem. Seu sucesso, creio, vem do nosso desejo natural de organizar a realidade que nos cerca. Tentamos fugir do caos, ainda que através da fantasia.

    Foi uma experiência apaixonante.

    Só não concordo em dois ponto com o Tony: A família rica não era inacreditavelmente boazinha, mas formada por pessoas verdadeiramente nobres. A criadagem também não era fantasticamente submissa, mas composta por indivíduos que tinham um lugar no mundo, algo cada vez mais raro em nossos dias.

    Olhar para si e não se identificar com quem vê é o combustível do ressentimento que dirige certas ideologias tortas.

    :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. The Fool, vá ver um documentário sobre as reais condições de trabalho dos empregados dessas mansões ingleass (tem no YouTube). "Downton Abbey" é um conto de fadas.

      Excluir
    2. Naquela época a concentração de renda era menor. Da pra acreditar?

      Excluir
  3. Assisti todos os capítulos de todas as temporadas. Absolutamente impecável,fora o prazer divino de presenciar Dame Maggie Smith...

    ResponderExcluir
  4. Eu amo a Inglaterra

    ResponderExcluir
  5. http://www.cartacapital.com.br/revista/891/a-ultima-esperanca

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que você mandou comentário para o post errado...

      Excluir
    2. N gosto do PT mas a democracia está a bout de souffle.
      Agora um link realmente bom https://www.instagram.com/prettylittlebraids/

      Excluir
  6. Vc gostaria de ter vivido na era victoriana? Eu sim...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adoro esta época como os anos 20 e 30.

      Excluir
  7. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Eu também, seria casado com uma mulher, treparia num beco escuro qualquer, e usaria aquelas roupas lindas!!! kkkkkkk
    xiiiiii mas sei não, o tratamento dentário não tinha anestesia rsrsrs

    ResponderExcluir