domingo, 27 de março de 2016

DEZ, NOTA DEZ

Quando eu era pequeno, Carlos Imperial era uma presença constante na cultura popular brasileira. O cara estava na música, no cinema, na TV. Mais tarde eu descobri que ele também era atuante nos bastidores: foi fundamental para o lançamento das carreiras de Roberto Carlos, Wilson Simonal, Tim Maia, Elis Regina e muitos outros. Sem cantar nem tocar bem nenhum instrumento, Imperial sabia moldar os jovens talentos para que se tornassem ídolos. Escolhia do repertório ao figurino, e emplacava um sucesso atrás do outro. Mas tinha uma figura que foi se tornando cada vez mais grotesca com o tempo: gordíssimo, cafajeste, muitas vezes de aspecto asqueroso. Nos anos 1980 desandou a fazer os recém-liberados filmes pornôs, e depois se elegeu vereador pelo Rio de Janeiro. Morreu em 1992, com apenas 56 anos de idade, e hoje está praticamente esquecido. Por isto a importância do documentário "Eu Sou Carlos Imperial", que pode apresentá-lo às novas gerações. O filme não é preciso com datas nem explica como Imperial se tornou tão importante ainda jovem. Mas reúne cenas inacreditáveis e depoimentos hilários, e o resultado é que a plateia ri como se estivesse numa comédia. Imperial era um escroto que sacaneava seus contratados, mas que também os protegia. Todos falam bem dele, apesar de terem sido vítimas de suas mentiras e sacanagens. Tal criatura impossível no mundo politicamente correto de hoje ganhou tributo à altura: como o bordão que lançou nas apurações dos desfiles das escolas de samba, este filme é "dez, nota dez".

26 comentários:

  1. Deve ser muito engraçado, quero ver! No Youtube há vários vídeos dele da época da "Discothèque", divertidíssimos como estes:

    Disco Umbanda:
    https://www.youtube.com/watch?v=mDuZcagcuP0

    Super heróis:
    https://www.youtube.com/watch?v=EdCBVhrvDjE

    ResponderExcluir
  2. Essa coca-cola que falam no trailer era coca-cola mesmo ou cocaína?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Coca-Cola mesmo. Imperial era caretérrimo: sequer bebia álcool. Mas dizem que comia três mulheres por dia...

      Excluir
    2. Na sauna nós gays trepamos mais.

      Excluir
    3. Homem satiríaco come de tudo. Deve ter comido muitos gays depois ficou com medinho e ajudou a batizar a SIDA como Peste Gay.

      Excluir
  3. Legal, vi youth ontem um filme classudo pra dizer o mínimo. Recomende mais desse nível.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um dos meus filmes favoritos do ano passado.

      Excluir
    2. Raro filmes inteligentes assim, gostei da Paloma Faith e do "Maradona" mas acho vivemos uma crise criativa. Falta de drogas boas?

      Excluir
  4. Pena que nao vai chegar no cinema daqui da cidade! 😢 Inveja branca de vcs! E Feliz Pascoa Tony!

    ResponderExcluir
  5. É dele a autoria do boato do Mario Gomes com a cenoura.
    Sem contar os vídeos da campanha eleitoral em que ele participou que estão no YT são divertidíssimos.

    Galera da patrulha PC fique longe deste filme. É um documentário sobre um "cafajeste" dos anos 60, 70 e 80. Se foram analisar o documentário pelos valores de hoje só vão reclamar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O episódio da cenoura do Mário Gomes é contado no filme.

      Excluir
    2. Tenho um amigo que transava com ele.

      Excluir
    3. Mário Gomes era MUITO gostoso.

      Excluir
    4. Ele Mario Gomes ou ele Carlos Imperial?

      Aliás, Mario Gomes tentou emplacar como cantor na época. Além do repertório horrível, esse boato ajudou a abortar a carreira dele.
      Pena. A produção era do finado Lincoln Oliveitti.

      Excluir
    5. Mario nunca foi talentoso, com ou sem boato seria sempre um ator medíocre. Não que isso amenize ou justifique o estrago do boato. Gay gostoso mesmo era o mega galã das pornochanchadas e depois da Globo Nuno Leal.

      Excluir
    6. Mario Gomes era lindíssimo. E aqueles olhos verdes??

      Excluir
    7. cenorinha é do Imperial? Sempre soube que este boato foi espalhado pelo daniel filho por ciúmes do mário gomes que pegou a beth faria.

      Excluir
  6. Uma figura que marcou época!

    ResponderExcluir
  7. Carlos Imperial, Tim Maia, Simonal...artistas maravilhosos que tiveram a felicidade de não ter passado pelo processo de coxinização dos artistas do século presente.

    ResponderExcluir
  8. A lava jato é uma grande besteira, banqueiros nunca vão presos. Só gds homens q constroem o país...fora de sintonia com o post mas acabei de pesquisar sobre o q fizeram com o fausto de sanctis. loucura viver no brasil, é de uma outra "corja" q temos q nos livrar para andar pra frente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "(...) banqueiros nunca vão presos. Só gds homens q constroem o país..."

      Como lidar?

      Será que síndrome de abstinência da mortadela já começou a perturbar a mente desse menino?

      Excluir
  9. apaixonei pelo de sanctis

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Apaixonei" ou "Me apaixonei"? Por que ninguém mais usa pronome reflexivo?

      Excluir
  10. O mio babbino caro
    Legbácomomar não tem cabelos
    Que a gente possa agarrar
    Criteriosamente rigorosos em omitir sua contribuição devastadora, batizando a AIDS quando de seu surgimento como Peste Gay.

    ResponderExcluir
  11. Carlos Imperial comia de tudo, transar com travestis ou gays no papel de ativo nao era considerado uma relacao homossexual, era apenas sexo como qualquer outro.

    ResponderExcluir