sábado, 20 de fevereiro de 2016

ECO SEM FIM

A morte de Umberto Eco me deixou com a sensação de que eu deveria tê-lo "aproveitado" melhor. Li alguns de seus romances, não todos: "O Nome da Rosa", "O Pêndulo de Foucault", "Baudolino". No ano passado passei pelo "Número Zero", e me sinto mal por não ter me conseguido me envolver com a trama. Mas não dá para negar que o cara era um monumento. Até mais do que isso: era uma ponte entre o mundo erudito e a cultura popular. "O Nome da Rosa" conseguia a façanha de ser um tratado sobre a Idade Média misturado com um policial à la Agatha Christie (o filme é uma diluição). "Baudolino" tem uma imagem tirada do folclore judaico que me assombra até hoje: o rio Sambation, onde correm pedras ao invés de água, e que para aos sábados. Mas talvez eu não deva me lamentar tanto. Eco deixou uma obra vastíssima, e um de seus exemplares já está aqui em casa à minha espera: a "História da Beleza". Vou começar por ela.

12 comentários:

  1. Essa entrevista de 2011 é a cara dele:
    http://revistaepoca.globo.com/ideias/noticia/2011/12/umberto-eco-o-excesso-de-informacao-provoca-amnesia.html

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito do Cemitério de Praga, fica a dica.

    Ano passado li 2 livros dele, o Número Zero e o Pêndulo de Foucault, então senti sua morte como algo próximo. E uma grande pena, pelo desaparecimento de uma pessoa que dedicou sua vida a ser um poço de conhecimento.

    ResponderExcluir
  3. O mio babbino caro
    Ao ler noticia assim, nos sentimos mais pobres, mais sós, mais tristes...menos um que nos arrebatava do abismo da existência. Mas ainda podemos presentear quem amamos com seus trabalhos...

    ResponderExcluir
  4. Eu, hein! Então é só aproveitar! Bons ecritores nunca morrem. Eu confesso que nunca lí nenhum, embora tenha livro dele. Achei que você fosse falar que já o tinha conhecido. Brincadeira!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É cada um que aparece nesse blog... Hahahaha

      Excluir
  5. Umberto Eco com ctz só morreu depois de tomar conhecimento que vc, Tony, não conseguiu se envolver com "Número Zero".

    ResponderExcluir
  6. Semiologo, profesor universitario, especialista en filosofia medieval. faltan palabras. quiza uno de los intectuales mas lucidos contemporaneos. conocedor profundo y comentarista del filosofo ORIGENES, reconoce una enorme influencia de jorge luis borges. asisti a muchas conferencias suyas en la universidad de bologna, don vivia la mayor epoca del año.Los ensayos publicados por la universidad de harvard son imperdibles.
    una perdida en medio a tanta mediocridad. una pena que quiza sea recordado por el nombre de la rosa, que a pesar de tener una lecturura mas complicada de lo que parece, no es su mejor legado.
    BARTOLOME MITRE Y ALVEAR BUENOS AIRES

    ResponderExcluir
  7. O Nome da Rosa foi o único q eu li e vi a versão do cinema. Obra-prima em todos os sentidos.

    ResponderExcluir
  8. se me permite, o cemitério de praga é um desbunde

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tentei ler "O Cemitério de Praga" no italiano original.

      http://tonygoes.blogspot.com.br/2011/08/buona-sera-tutti.html

      Não passei das primeiras páginas...

      Excluir
  9. O povão desse país nem sabe quem é e nem quem foi este escritor!

    ResponderExcluir