sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

VENENO ANTIMONOTONIA

Rihanna deu um tapa na cara da sociedade. Depois de acostumar seus fãs com álbuns anuais recheados de hinos dance, ela primeiro ficou um bom tempo em silêncio. Depois, ao longo de 2015, lançou três singles bem diferentes de seu trabalho anterior. Nenhum deles foi incluído em "Anti", mas davam pistas do que estava por vir. E como veio: desde quarta-feira que as internets estão discutindo a estranheza do novo disco. Não tem hits contagiantes, nem beats acelerados. Dá para desconfiar que RiRi se inspirou em divas pós-modernas como FKA twigs ou Jhené Aiko, que constróem mais texturas do que melodias. Também é admirável o fato dela sequer aparecer na capa, desprezando a postura piranhesca comum a tantas cantoras e que ela mesma ajudou a disseminar. Rihanna está indo contra a própria imagem e frustrando expectativas, mas o fato é que "Anti" é muito bom. Tem ideias, tem climas, tem ousadia. Deve ser apreciado aos poucos, com fones de ouvido e mente aberta.

25 comentários:

  1. Ótimo disco. Fale também do novo álbum da Sia, com músicas rejeitadas por outras cantoras.

    ResponderExcluir
  2. Lixo ;) a cultura que somos obrigados a engolir hoje

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. vc é obrigado por quê? é refém do mercado fonográfico ou tem preguiça de buscar outras coisas pra ouvir? ;)

      Excluir
    2. Exato. Obrigado.

      Excluir
    3. Acho que ele quis dizer obrigado pelo fato se que a grana e o poder determinam o que vai tocar, pelo menos nos grandes veiculos de massa. Pode parecer bonitinho o lance do artista alternativo, mas não é simples, e consumidores comuns, por assim dizer, acabam só tendo acesso ao que a pseudo falida industria fonografica decide promover. Ok claro, é comércio, é oferta e procura, não acho que deva ser diferente, mas é meio louco, basta vc ver como no Brasil hj só existe espaço para sertanejo, o resto meio qur finge que existe.

      Excluir
    4. Só faltou completar com "isso é Brasil" ou colocar a culpa no PT.

      Excluir
    5. Estou aqui imaginando ela literalmente refém do mercado fotográfico: amordaçada e trancafiada em uma cabine ouvindo ANTI no repeat pela eternidade. Justo ela que sempre só se interessou por musica clássica e barroca...

      Excluir
  3. Nao ha uma unica musica q eu tenha gostado, parece um disco inteiro de lado b sem pretensao nenhuma de aparecer nos charts #decepcao

    ResponderExcluir
  4. É maravilhoso quando artista bom fica rico e não faz álbum se preocupando com ~retorno~.

    ResponderExcluir
  5. O problema dela é que a voz é irritante

    ResponderExcluir
  6. Olá.

    Desculpe pela postagem nada a ver, mas estava assistindo alguns videos dos programa 'Hugo' da CNT/Gazeta no YouTube e vi o nome 'Tony Goes' como responsável pelo texto do programa. É você mesmo? Adorava o 'Hugo' quando criança.

    Aliás, você poderia escrever mais sobre suas experiências nos bastidores da TV aqui no blog.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, sou eu mesmo. "Hugo" foi minha primeira experiência como roteirista de TV.

      Excluir
  7. A imagem da capa é, sim, uma foto dela (quando criança).

    ResponderExcluir
  8. dizendo o que todos os outros blogs já disseram...ZzZzZzZz

    ResponderExcluir
  9. Riri fez o que a Gaga tentou fazer no quarto trabalho,ou seja, um trabalho diferentão, só que ela inteligentemente esperou o oitavo, surpreendeu sim, mas será flopada pelos fãs que pagam a conta da marijuana dela.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quem paga a conta é a Dior, Puma, etc... A música deixou de ser a principal fonte de renda dela faz horas, amigo. Se ela precisasse desse dinnheiro, não ia demorar quatro anos para lançar um álbum sem singles fáceis.

      Excluir
  10. Gente, ouvi tudo hoje, que porcaria, devia voltar pro bate cabeça.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bate cabeça? Ela nunca cantou heavy metal.

      Excluir
    2. A biba quis dizer bate-cabelo, deve ser gay que frequenta Blue Spacy e outros inferninhos do tipo.

      Excluir
  11. É sempre assim - a cantora lança um disco com nenhum potencial de sucesso, talvez querendo se desvencilhar do "mercado pop", grava uma monte de coisa estranha e aí as hipsters vem com esse papinho de "contra a maré", "revolucionária". No caso de Rihanna, anti é um lixo metido a moderninho. É diferente de que tudo o que ela já fez - e ainda assim uma porcaria.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desvencilhar do mercado pop, haha. Rihanna tá cagando pro mundo meu querido, ela faz o que ela quer. Vai escutar Fifthy Harmony e Coldplay.

      Excluir
  12. Ah tá. Agora a moda é dizer que Rihanna caga pro mundo pop e é a nova diferentona do pedaço? HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH TÁ BOWA!

    ResponderExcluir