domingo, 3 de janeiro de 2016

MAIS PARA OITO QUE OITENTA


Tarantino finalmente tropeçou. "Os Oito Odiados" é o pior filme de sua carreira, apesar de ter muitos elementos em comum com os demais. Sangue à pampa, diálogos malandrinhos, reviravoltas mil. Mas dessa vez o diretor errou a mão. A começar pela duração: quase três horas, e os cinemas brasileiros não estão dando o mesmo intervalo que os americanos. Com uma hora e meia a menos, esse "Oito" talvez ficasse divertido e despretensioso como "À Prova de Morte". Mas do jeito que está é quase uma tortura. Porque não há um grande tema de fundo, como o nazismo ou a escravidão. Nem mesmo a cultura pop, como em "Pulp Fiction". Só a vontade de fazer os personagens se matarem entre si. Há boas cenas, é claro, e Jennifer Jason Leigh vai merecer a indicação ao Oscar de coadjuvante que talvez ganhe. Pena que Tarantino, um dos nomes mais influentes do cinema atual, tenha resvalado num pecado básico: o teatro filmado. Claustrofóbico, arrastado, gratuito e bem menos inteligente do que se acha, "Os Oito Odiados" tem jeito de autoparódia. Daquelas bem sem graça.

23 comentários:

  1. Desde muito tempo acho ele ruim...Precisamos de novos talentos

    ResponderExcluir
  2. No geral gosto do trabalho dele, com exceção de "Jackie Brown" era um "Pulp Fiction" requentado com atores ruins nos papeis bons e atores bons com papeis ruins.

    ResponderExcluir
  3. Pelo trailer já dava para ver que vinha uma bomba.

    ResponderExcluir
  4. Se de um "bom" Tarantino eu já passo longe, imagina dessa bomba...

    ResponderExcluir
  5. Respostas
    1. Claro, afinal seu gosto pessoal é sinônimo de inteligência, e só você é imtelectuamente bem dotada aqui. Tá.

      Excluir
    2. Que "iMtelecto"!!!!

      Excluir
  6. Nem todo artista prolífico tem algo bom a entregar ou dizer.
    Vide Madonna, Paulo Gustavo, Ivete etc. Giram muito dinheiro, tem hordas de baba ovos, mas não quer dizer que sejam relevantes artisticamente. São parte da roda que não pode parar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Madonna e Paulo Gustavo. Tudo a ver. Depois não querem ser chamadas de ignorantes.

      Excluir
    2. Falou a barroca...

      Excluir
    3. Fã da Gaga, no mínimo. Ela também se enquadra "nem todo artista prolífico tem algo bom a entregar ou dizer. Gira muito dinheiro, tem hora de baba ovo, mas não quer dizer que seja relevante artisticamente".

      Excluir
  7. Respostas
    1. Sim, porque tem muito preto no elenco.

      Excluir
  8. eu AMEEEEEEEEIIIIIII!!! e achei du grande caral****!!!! para mim passaram-se 3 horas e eu nem percebi. E continuo achando que um Tarantino ruim é que nem um Woody Allen ruim, ou seja, muito (mas MUITO) acima da média.

    ResponderExcluir
  9. Espere Sexy and the City 3 e elas vão gostar...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que seria mais apropriado à turminha daqui...

      Excluir
  10. Depois da bomba que foi "Django Unchained" passo longe desse.

    ResponderExcluir
  11. Sou virgem de Tarantino e pretendo manter o status quo.

    ResponderExcluir
  12. Tony, assisti o filme e acho que tem testosterona demais. Não é o melhor filme do diretor, mas é ótimo. Segue aí o link de uma crítica à qual eu concordo:https://youtu.be/jLrD7GQMPig

    ResponderExcluir
  13. Taranto quis brincar de ser Hitchcock, fazer um filme de mistério sobre quem é o quê, porém monótono, sem menor criatividade que prenda a atenção, ficou bobo, pretensioso, western sem ação, no blábláblá mal escrito.

    ResponderExcluir
  14. Valeu só mesmo pela bunda do Tatum que é enorme mesmo na calça, mas a narração do Tarantino é tosquice pura, explicando as cenas.

    ResponderExcluir
  15. Vou não, quero não9 de janeiro de 2016 15:04

    Também me desapontei = excesso de expectativas para um legítimo Tarantino, acho que a mosca azul de Hollywwod picou ele, tomara que não fique chato, baunilha.

    ResponderExcluir