sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

QUEM PRECISA DE INIMIGOS?

Muito já se falou da semelhança física entre o vice-presidente Michel Temer e o Drácula de Bela Lugosi. Também se pode dizer que ele pertence a um partido de vampiros: o PMDB está sempre disposto a sugar o sangue do governo, qualquer governo. Mas hoje Temer está mais para um outro personagem com o qual também é parecido, o brasileiríssimo Amigo da Onça. O sósia sem bigode da "imortal criação de Péricles" (como anunciava a extinta revista "O Cruzeiro") chegou ao Palácio do Jaburu, o segundo posto mais importante da república, e agora tem a possibilidade concreta de alcançar o primeiro. Manterá Temer sua fama de ponderado, capaz de criar pontes políticas e escapar das suspeitas que engolem seus colegas? Ou se fingirá de sonso, não declarando apoio explícito a Dilma e trabalhando nem tão discretamente para que o impeachment seja aprovado? Porque aí ele será presidente, um cargo para o qual jamais seria eleito pelas urnas. Poderia convocar um ministério de "salvação nacional" e levar alguns louros pela recuperação da economia. Sua simples presença no Planalto já acalmaria os mercados: bastou o anúncio de Eduardo Cunha para a Bolsa subir e o dólar cair, um sinal inequívoco da impopularidade de Dilma entre os donos do capital. Pois eu acho que ele não vai resistir a essa oportunidade irrepetível. Tanto que já começou a conspirar: seu cupincha Eliseu Padilha acabou de se demitir do ministério da Aviação Civil, e outros devem desembarcar do governo em breve. Além do mais, PMDB é o maior partido do Brasil, mas nunca conseguiu tomar o Executivo federal. Começo a supeitar que Dilma não tem a menor chance.

25 comentários:

  1. temer assume a presidência, coloca a economia nos trilho, vira o novo salvador da pátria e se reelege presidente. e o PSDB?

    ResponderExcluir
  2. Deus te ouça. Deus te ouça.Ameeennnn

    ResponderExcluir
  3. O momento é de fazer jogo duplo, Tony! Ou triplo ou quádruplo... Tirando Cunha, ninguém mais parece querer declarar guerra explicitamente, até porque ainda há as surpresas da lava-jato.
    Padilha saiu do governo, e isso é um sinal claro de Dilma não deve confiar no PMDB. Mas, Temer vai jurar apoio a ela até o momento em que se sentir "aclamado" e sentir que os peemedebistas podem deixar o governo sem parecerem ser ( aos mais desinformados) um bando de ratos deixando o navio que afunda.
    Mas, esse país anda tão esquisito...
    A verdade é que tudo pode acontecer!
    Tudo mesmo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ae Brunão vai pro buraco. Pra cima com a viga ou a cobertura cai e o resto que se exploda né não.

      Excluir
  4. Que discurso naif gente. O povo está delirando com as possibilidades de como a Dilma vai cair. Agora, depois da burrada que o PSDB fez, ela vai até 2018. Conformem se.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode até ir, mas vai sangrando. Chegará cianótica em 2018.

      Excluir
    2. Que tédio desse mimimi, seus tolos. O impeachment é um jogo de ganha-ganha para o PT. Os petralhas sairão vencedores nas duas situações: no impedimento ou na permanência.
      Muitos tolos - como os daqui do blog - vão cantar vitória se a Dilmacho cair. Mas em 2018, verão os tucanos (ou seja, petralhas que não vão para cadeia) cair de novo diante dos petralhas reais( aqueles que podem ir para a cadeia).
      Por isso, a ditadura era perfeita. Os tolos permaneciam em silêncio e tudo ficava bem.Democracia e tolice não combinam. Para tolos, à direita, ao centro e à esquerda, o melhor é se impor. Nada de escolher.

      Excluir
    3. ganha-ganha? Ok, prefiro que o PT ganhe e governAnta seja impedida. Se consideram isso "ganhar", ao vencedor as batatas!

      Excluir
  5. E o Alckmin ainda aparece do nada e consegue piorar o que parecia ser impossível ficar pior.

    ResponderExcluir
  6. Esse cenário vai ficar nesse jogo estável de troca de acusações e debate de possibilidades como Temer na presidência mas nada vai se concretizar.
    Pra desempatar esse jogo de quem tá certo ou errado ou de quem deve ficar ou sair, apenas o povo indo pras ruas dizendo o que querem como foi com o Collor.
    O PMDB não vai se posicionar nem de um lado nem de outro. A mídia já tentou mas não conseguiu. Então está nas mãos do povo para decidir.
    Achei que a revolta legítima dos estudantes em São Paulo pudesse ser um início e motivação para grandes manifestações em torno do impeachment, mas Alckmin agora foi rápido e cancelou a reforma no sistema educacional de SP e acalmou o povo.
    Se marcarem Passeata na Paulista vai ser sempre aquele show de horror e ignorância...e tudo volta ao debate puro com poucas ações reais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A revolta dos estudantes ser um início para grandes manifestações em torno do impeachment??? Esse ai já provou que troca alhos por bugalhos.

      Excluir
    2. O PSDB preferiu por em risco as finanças de São Paulo a tirar o foco da crise federal. Politicamente, sábio. Na prática, uma lástima.

      Quanto à possibilidade da "revolta" dos estudantes (e daqueles com mais de vinte anos de idade que eram vistos inflando as manifestações) gerar uma grande movimentação em torno do impeachment, não seria de todo improvável. Lembremos que foi a balela dos "20 centavos" que agrupou os antigovernistas e viabilizou as grandes manifestações de 2015.

      Excluir
  7. Hoje ele já andou desmentindo os ministros da Gilma que disseram que ele estava com ela pro que desse e viesse.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amanhã ele volta atrás no que disse. Típico PMDB.

      Excluir
  8. O problema, Tony, é que nossa crise econômica não é mero reflexo da crise política. Na realidade, a última está mais para um desdobramento da primeira. O comportamento dos mercados após o anúncio de Cunha foi pontual e não se sustenta a médio e longo prazo. A "Nova Matriz Econômica", o crescimento exponencial do Estado, os "investimentos" duvidosos dos bancos públicos, a corrupção como "nunca antes na história deste país", o empresariado de mentirinha (eternamente dependente de dinheiro subsidiado) e o imenso endividamento público, das famílias e das empresas criaram uma situação extremamente grave. O Titanic já bateu no iceberg. Os passageiros da primeira classe possuem bote, o restante de nós...

    NUNCA houve o incremento de renda alardeado, apenas aumento irresponsável de crédito que, por sua natureza, um dia cessa e precisa ser pago. A tábua de salvação, as commodities, não sinalizam recuperação no curto ou médio prazo. O agronegócio, já sabemos, também foi atingido neste último trimestre. Deu ruim.

    Entre outras inúmeras trapalhadas, criaram uma situação que ninguém será capaz de resolver com uma canetada. Já falam em "depressão econômica", eu não concordo. Infelizmente estamos rumando para o COLAPSO. Temer sabe disso. O PMDB também. Medidas populistas serão cada vez mais ineficazes e só agravarão o problema. Levará uma década para colocar a casa em ordem.

    A mentalidade esquerdista cobra seu preço. Todos querem seus "direitos" providos pelo estado-babá, achando que os recursos são tirados de uma cartola mágica. Não são. Somos um país com um povo pouco instruído e nada produtivo, que constrói estádios em vez de infraestrutura, inviável em sua estrutura legal (trabalhista e tributária) e onde a corrupção é endêmica. Já entramos em metástase.

    Juro que adoraria ser otimista, mas o realismo, apesar de amargo, tem bem menos efeitos colaterais. Convulsões sociais aqui vamos nós.Todas, é claro, devidamente aparelhadas pelos grupelhos de sempre e manipuladas pela impressa vermelha, tal qual tem ocorrido com as "ocupações" das escolas paulistas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo, casa comigo. Enfim, alguém inteligente nesses comentários.

      Excluir
    2. O pior é que essas mentes iluminadas e bem articuladas, conhecem bem o exterior e sabem muito bem que apesar dos descalabros por nós vividos, somos um dos poucos países onde se vive relativamente bem.

      Excluir
    3. Felipe Almeida4 de dezembro de 2015 18:13
      Apesar de não concordar com algumas colocações suas, fico feliz em ver alguém tecendo críticas com argumentos consistentes e não com base em meras conjecturas e "diz-que-me-diz".
      Ah! Como é bom ver pessoas defendendo suas ideias de maneira inteligente.

      Esse comentário era pra vc, Anônimo4 de dezembro de 2015 16:11. kkkkk
      Pelo visto n fui o unico q gostou hehehe

      Excluir
    4. Assino embaixo.

      Excluir
    5. Assino embaixo!

      Excluir
  9. Apesar de não concordar com algumas colocações suas, fico feliz em ver alguém tecendo críticas com argumentos consistentes e não com base em meras conjecturas e "diz-que-me-diz".

    Ah! Como é bom ver pessoas defendendo suas ideias de maneira inteligente.

    ResponderExcluir
  10. De uma coisa vcs podem certeza absoluta: se a Dilma cair o negocio vai feder feio como vcs jamais viram, portanto muito cuidado com o que vcs desejam...

    ResponderExcluir
  11. Brasil perdido e mal pago! Sai a mamulenga manipulada pelo demônio de nove dedos entra o vampiro sugador de poder, este País está condenado!

    ResponderExcluir
  12. Também acho que o Temer assume a presidência (vai ter ditadura satanista sim, chora petista). Há pouco tempo o PMDB elaborou uma carta sobre sua matriz política e econômica, que é neoliberal e agradou o empresariado, Eduardo Cunha já fez vários discursos sobre o protagonismo que o partido tem por direito exercer na política brasileira. Esta semana o Temer veio a São Paulo com uma agenda particular (leia-se encontrar com os empresários paulista). Os sinais estão todos aí faz tempo Tony.

    ResponderExcluir
  13. Para o PT, o processo de impeachment é ótimo. Livraram-se de um achacador, e há dois caminhos agora. Se Dilma ficar, o governo dela pode sair fortalecido. Se cair, a bomba será jogada no colo do PMDB e do PSDB, que dará provável apoio ao novo governo. Se não resolverem a crise econômica que o PT criou, o PT tem boas chances de ganhar em 2018. Afinal, a última lembrança de um governo em que tudo parecia bom na economia é justamente a do governo Lula.

    Para o PSDB é extremamente vantajoso o impeachment de Dilma. Dilma cai, Temer assume e depois a Justiça (tucana) cassa a chapa vencedora das eleições de 2014. Ao contrário do PT, o PMDB não tem militância nem controla movimentos sociais para deixar o Brasil à beira da guerra civil. Pode até deixar ingovernável, mas nada que um bom agrado não contorne.
    Nesse cenário de impeachment e posterior cassação, Aécio vira presidente, caso o segundo colocado seja empossado pelo TSE, ou convocam-se novas eleições. Que o PSDB vencerá, por que Malina Silva não ganha nem para síndica.
    Mas, para os tucanos, a permanência de Dilma, com a deterioração da economia, também não é um negócio ruim. Pode ser usada como arma para varrer o PT em 2018. E, sem o PT de rival, os tucanos não são ninguém.

    Para o PMDB, qualquer coisa é boa. Em todas as circunstâncias, boas ou ruins, podem vender a peso de ouro sua colaboração. Ou ter a caneta em mãos e ser o dono do ouro.

    Em qualquer cenário, os três maiores partidos do país saem com vantagem, mas o destino do Brasil, em qualquer cenário, é triste. #prayforbrazil

    ResponderExcluir