quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

GAROTA NÃO VAI PRA CALIFÓRNIA


Se Marina Person tivesse uma filha, elas provavelmente não seriam tão parecidas entre si como a diretora de "Califórnia" é com Clara Gallo, a atriz de seu filme. Por causa disso, a crítica toda está achando que se trata de uma obra autobiográfica. A personagem tem a mesma idade que Marina tinha em 1984, ano em que se passa "Califórnia". Mas, até onde eu sei, o tio que volta com AIDS dos Estados Unidos (interpretado por Caio Blat) é fictício. É esse retorno que causa a primeira grande frustração da protagonista, que sonhava em ir visitar o tio no estado americano que dá nome ao filme. Mas esse problema logo cai para segundo plano, ofuscado pelos namoricos do colégio. A princípio eu me ressenti um pouco dessa perda de importância do tio gay, mas aí lembrei que é assim mesmo que funciona a adolescência. O envolvimento com a família despenca na hora em que começamos a paquerar. "Califórnia" é um filme sincero e delicado, e mostra que os jovens de 30 anos atrás não eram assim tão diferentes dos de hoje em dia.

7 comentários:

  1. Vi umas cenas que ela mostrou no.gnt e achei a caracterização dos personagens péssima, em nada lembra os anos 80, parece um filme contemporâneo, uma pena dar esse vacilo.

    ResponderExcluir
  2. Nao é possivel que so eu veja o quanto o paulo miklos é um canastrao atuando. Da uma gastura ver algumas das cenas, inclusive essa da discussao com a virginia cavendish no trailer parece inacreditavel.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, ele eh inacreditavelmente canastrao.

      Excluir
  3. O mio babbino caro
    Os jovens de 30 anos atrás não eram assim tão diferentes dos cinco jovens fuzilados em Costa Barros, no Subúrbio do Rio...

    ResponderExcluir
  4. Recolha todos esses brinquedos esparramados agora!

    ResponderExcluir