quinta-feira, 5 de novembro de 2015

SINAI DE ALERTA

Meu palpite: o avião que caiu sobre a península do Sinai se partiu sozinho. Em 2001, essa mesma aeronave deu uma bundada violenta ao aterrissar no aeroporto do Cairo. A cauda se quebrou. O avião foi remendado e depois vendido pela Middle East Airlines para a Metrojet, uma companhia russa de baixo custo. Aposto que a manutenção não é o forte dessa empresa... Um belo dia, o remendo se abriu. Mas essa hipótese está sendo veementemente rejeitada pela própria aerolinha, e até vai contra a imagem de eficiência que a Rússia gostaria de projetar para o resto do mundo. Por isto, os súditos de Vladimir Putin estão endossando que foi um atentado terrorista. Serve como desculpa perfeita para aumentarem os ataques na Síria, teoricamente contra o Estado Islâmico (e na verdade contra os rebeldes anti-Assad). O curioso é que ingleses e americanos agora também concordam com essa teoria. Mas o ISIS ou seus afiliados ainda não têm nenhum míssil capaz de derrubar um avião a 10 mil metros de altura, e é bastante improvável que uma bomba tenha sido levada a bordo por algum passageiro (quase todos russos, alguns ucranianos). Mas pelo jeito interessa às potências exagerar o poderio dos islamofascistas, para justificar uma guerra mais estruturada. Quem fica mal na foto é o Egito, que voltou a ser dominado por seus milicos. Um regime militar precisa garantir a segurança para se manter no poder. Não é o caso.

3 comentários:

  1. Sim...a "revolução" no Egito foi apenas mais um golpe de estado, organizar 'mass rallys' é o pão com manteiga dos milicos americanos. Essas do Norte da África planejadas desde os anos 90 talvez antes. Oh well...O Brasil q tome cuidado.

    ResponderExcluir
  2. Tem coisa pior q a nossa mídia atual? Desinformação a serviço do império protestante. Até qdo o mundo vai aturar o abuso dos rednecks? Acorda Brasil!

    ResponderExcluir