terça-feira, 3 de novembro de 2015

JEAN-MICHEL DOS TECLADOS


Jean-Michel Jarre é um dos pioneiros do pop eletrônico, da época em que este gênero musical ainda era chamado de "progressivo". Seus discos dos anos 70 incluem clássicos como "Oxygene" e "Equinoxe", e eram apreciados por nossos ancestrais hippies para embalar viagens espaciais sem sair de casa. Entre outras façanhas, Jarre também foi casado por quase vinte anos com minha musa Charlotte Rampling. Mas de uns tempos para cá seu nome andava meio esquecido, depois que a eletrônica se imiscuiu em praticamente todos os estilos musicais. Agora ele reclama seu lugar central nessa história com o lançamento de um álbum com título pomposo: "Electronica 1 - The Time Machine". É uma espécie de "We Are the World" viajandão, e o mais legal é que Jarre viajou mesmo. Ao invés de trabalhar por e-mail, ele foi se encontrar pessoalmente com cada um dos convidados desse disco de duetos. A lista inclui luminares atuais como Moby, Del Naja (do Massive Attack), Armin Van Buren, Laurie Anderson, Vince Clark (fundador do Depeche Mode, do Yazoo e do Erasure), veteranos como o alemão Edgar Froese, do Tangerine Dream (que morreu logo após as gravações) e até gente distante do universo eletrônico, como Pete Townshend do The Who ou o pianista chinês Lang Lang. O resultado são faixas que misturam perfeitamente os estilos individuais com o som intergalático de Jarre. Tirando "If", a colaboração com a cantora inglesa Little Boots, não tem nada que possa tocar no rádio. Mas quem sobreviveu à década de 70 sabe que a música progressiva funciona melhor em formatos longos, com fones de ouvido e um certo desprendimento.

7 comentários:

  1. Na versão digital do álbum tem um continuous mix que nada mais é do que o cd inteiro inimterrupto (não necessariamente mixado).
    O pulo do gato é que há uns ruindos entre as músicas. Os prog-geeks que analisaram o espectro desses ruídos acharam mensagens encondidas como fotos do Jarre e coordenadas de shows dele, como a Place de la Concorde.

    ResponderExcluir
  2. Ei Tony, Cruzou com o Eduardo Noriega em sua viagem? Brincadeira, só pra mexer mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahaha, quem me dera. O único famoso que eu vi na viagem foi o Benedict Cumberbatch, e mesmo assim foi no palco de um teatro.

      Excluir
    2. Eu acho a morreria se encontrasse o Angel (Eduardo)

      Excluir
  3. Que pena não é Tony, rsrsrsrsr...

    ResponderExcluir
  4. OFF:

    Olha que bacana, Tony:

    https://www.youtube.com/watch?v=f3qCFFTgRG0

    (assistir a um gay com esse discurso é um fio de esperança)

    ResponderExcluir
  5. Site legal aqui no Brasil com muitas informações e entrevistas sobre o projeto e outras coisas do Jarre, fato que a Sony Music do Brasil não divulga nada !!!

    www.jarrefan.com.br

    ResponderExcluir