segunda-feira, 9 de novembro de 2015

BURACO COM FUNDO


"Os 33" consegue emocionar mesmo com a gente farto de saber como acaba a história. O problema do filme é outro: é longo demais. Tudo bem que se quis passar ao espectador a sensação de passar meses confinado a quase um quilômetro abaixo da terra, e também a dúvida sobre o sucesso do resgate dos 33 mineiros aprisionados. Mas o roteiro se alonga à toa: cada nova técnica utilizada para perfurar a rocha fracassa na primeira tentativa, e são muitas essas técnicas. Também é esquisito ver atores anglófonos como Gabriel Byrne tendo que falar inglês com sotaque espanhol. Talvez isto explique porque "Os 33" está indo mal de bilheteria no Brasil, mas no resto da América Latina (especialmente no Chile) é um sucesso. Entre o novelão e o documentário, o filme carrega nas tintas, mas tem lá seus bons momentos.

13 comentários:

  1. vou ver esse filme só por causa do mario casas. é meu crush desde "tres metros sobre el cielo"

    ResponderExcluir
  2. Queremos que vossa mercê fale sobre a primavera das mulheres ou sobre as viagens dos famosos no avião do governo mineiro graças ao santo Padécio, e voce vem com dois posts seguidos de filme flopado?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pt quebra o país e nego preocupado com artista em avião. Isso que é querer desviar assunto.

      Excluir
    2. O Príncipe Regente da Capitania de Minas Gerais não fez nada para evitar a tragédia das represas e ainda usou o avião do Estado para dar viagens de graça para Luciano Huck e outros membros da nobreza carioca e você não se importa? Preciso lembrar do helicoca do Zezé Perrela, amiguíssimo do Aéreo Neves também?

      Excluir
    3. E o que o atual governador fez mesmo pelas represas?

      Excluir
    4. Existe relatório de 2013 falando do risco do desabamento das represas. 2 anos inteiros de inércia do governo do PSDB contra menos de 1 do PT. E agora?

      Excluir
  3. Esperando o parecer do De Fu sobre o post (com português pedante, se não afetado), os comentários dos anônimos que discordam e as tréplicas quilométricas do De Fu direcionadas a CADA um dos comentários contra ele.

    ResponderExcluir
  4. Latinos gostam dessa história porque são carentes e amam aparecer em filme de hollywood, brasileiro não se acha latino e não se comove nem com (zzz ate quando) Santoro no filme.

    ResponderExcluir
  5. Chorei vendo o trailer. Assisto a todos os filmes os quais vc comenta aqui, mesmo as vezes nao concordando com a critica em si. Lembro q vc falou bem mal de mad max e qdo eu fui assistir achei sensacional. By the way critica acertadissima a q vc fez do Danilo gentili na folha. Comecei a ler casualmente sem saber de quem era e no final qdo li Tony goes pensei "esse é o meu garoto" equanto dava um soquinho no ar. Sera q esse cara pensa q é engracado de verdade repercutir em tom de deboche um assunto tao serio como o machismo e a violencia contra a mulher? Lembro de uma vez qy ele falou q "ia virar gay" pra correr menos risco de ser assassinado ja q supostamente o numero de assassinatos contra gays é menor q os cometidos contra heteros, esqecendo q aqueles sao crimes incitados pelo odio. Pra ele fazer piada com o oprimido é mto mais facil como vc mesmo disse. Quero ver ele fazer um tipo de piada q nao resvale nessa q mais parece escola silvio santos de humor tipico: povão, pedante e fora de moda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não fui eu que assinei a íntegra dessa coluna do F%. Foi a escritora Daniela Abade, dentro da campanha "AgoraÉQueSão Elas". Mas eu concordo com tudo o que ela disse ali.

      Excluir
    2. De certa forma meio torta, as feministas que estão nessa causa deveriam agradecer a existência dos Danilo's , pois eles se tornam a cara para elas baterem. Sem eles, a luta fica vazia, pois o verdadeiro inimigo está dentro da casa das mulheres, são os filhos criados machistas, são os maridos machistas, sãs as próprias mulheres machistas que sofrem e ao mesmo tempo são coniventes, não são somente vítimas, são algozes de si mesmas.
      Está aí o racismo que só é falado quando aparece alguém pra ser abatido em público, o racismo do dia a dia segue como sempre nos últimos tempos, silencioso, mascarado.

      Excluir
  6. E o sotaque do Rodrigo Santoro? Ficou bom ou ficou "la garantia soy yo"?

    ResponderExcluir
  7. Daniel, filme é falado em "inglês".

    Então aí vale juntar todos os atores que falam inglês com sotaque, seja espanhol, brasileiro, francesa, etc.

    ResponderExcluir