domingo, 8 de novembro de 2015

ACUSADA DE MORTE


O caso da enferemeira Lucia de Boerk sacudiu a Holanda ao longo da década passada. Suspeita de matar bebês e velhinhos durante o turno da noite, ela foi condenada porque sua história de vida parecia mesmo a de uma assassina: rejeitada pela mãe, ex-prosituta, aspecto vulgar e, horror dos horrores, não devolvia livros para a biblioteca. Mas a mulher era inocente, e o filme "A Acusada" deixa isso claro desde o primeiro frame. O que é ruim para o espectador não-holandês que desconhece essa história. O suspense seria muito maior se não ficasse claro de que lado a personagem está. Mas acho que era essa mesma a intenção da diretora Paula van der Osten. Não faltam pessoas condenadas mundo afora só porque se encaixam com nossos modelos mentais do que seja um criminoso. "A Acusada" representou a Holanda no Oscar de filme estrangeiro do ano passado, e chegou à lista dos nove semi-finalistas. Não conseguiu a indicação, mas merece ser visto porquem gosta de tramas de tribunal. E a reflexão que propõe não é inédita, mas continua válida: cuidado com as aparências.

5 comentários:

  1. Em tempos de #AgoraÉQueSãoElas, não pega mal escrever que uma mulher teria "aspecto vulgar"? As feministas, se soubessem, iriam trucidar vc.

    ResponderExcluir
  2. Nada a ver com machismo. Homens e mulheres podem ter aspecto vulgar. Comentaristas anônimos também.

    ResponderExcluir
  3. A Amanda Knox é a mesma coisa, n é machismo é misoginia. Qdo a mulher é atraente n confiamos nela. Muitas muitas foram erroniamente condenadas por serem "vulgar" um termo extremamente machista. A Australiana da frase catch "the dingo ate my baby" é outro exemplo.

    Sobre o cinema hj: N consigo mais, parece q a gente pode ver qq filme contanto q seja propaganda americana. Eles transformaram a sétima arte numa máquina de propaganda redneck. A falta de pluralidade nunca me assustou tanto. É...

    ResponderExcluir
  4. Adicionando ao comentário acima, missão impossível, Macbeth, etc...qtas vezes temos q ver AS MESMAS histórias, vivemos uma crise criativa grave. O império redneck perdeu os limites, no famoso documento 'the new american century' os 5 psicopatas q assinaram aquela bosta comentam q n vão respeitar leis internacionais pq como o único superpoder do mundo n tem pq. ELES FUDERAM O BRASIL, mataram o Getulio, ameaçaram nos invadir várias vezes, e o brasileiro (nacionalidade q mais gasta no império redneck) simplesmente sustenta cidades como Miami e NY. Até qdo?

    ResponderExcluir