domingo, 15 de novembro de 2015

007 CONTRA O ESTADO ISLÂMICO


O título desse post não passa de wishful thinking. O novo filme de James Bond mostra o agente secreto em luta contra uma organização do mal tão tentacular que seu logotipo é um polvo, e que quer dominar o mundo para fazer ainda mais maldades. Mas a Spectre passa ao largo de qualquer ideologia religiosa, nem pretende "combater o vício". Por isto mesmo, não dá medo nenhum. Christoph Waltz, como o vilão-mor, só falta morder a unha do dedo mindinho para ficar ainda mais ridículo. Mas desde quando filme de 007 serviu para dar medo? O espião é uma fantasia masculina: o homem perfeito, com sangue frio na hora da luta e quentíssimo nas cenas de cama. Criado na literatura, passou por diversas mutações no cinema, e não só por causa dos muitos atores que o interpretaram. O de Sean Connery era o mais perigoso, o de Roger Moore o mais engraçado. Pierce Brosnan emitia raios de charme com o olhar, e Daniel Craig não tem o refinamento de seus antecessores. Ele está de saco cheio da franquia e ameaça nem fazer o quinto filme previsto em seu contrato. Já começaram as apostas sobre seu sucessor, e um dos mais cotado é Idris Elba. Um ator negro no papel seria uma guinada e tanto (puristas como eu acham que James Bond tem que ser branco de cabelos negros), mas ainda menos grave do que a besteira que os produtores fizeram nos dois últimos capítulos da série. Em "Skyfal", 007 revisita o palacete onde nasceu. Em "Spectre", é revelada sua ligação familiar com o malvado Blofeld. Uma cretinice, porque James Bond é um ícone como Mickey Mouse ou Tintim: não tem família, não sabemos de onde vem, não nos importamos com isto. Porque esses personagens são só veículos para projetarmos a nós mesmos. No mais, foi meio esquisito ver "007 contra Spectre" menos de 24 horas depois dos atentados em Paris. O tema principal do filme é o avanço da vigilância eletrônica 24 horas, e de repente ela parece mais necessária do que nunca. Ao mesmo tempo, a ameaça do fundamentalismo islâmico é solenemente ignorada. Apesar dos gadgets cada vez mais modernos, James Bond continua preso à época da Guerra Fria em que nasceu. Pelo menos a sequência inicial é de arrepiar os cabelinhos da nuca: uma luta dentro de um helicóptero sobre a Cidade do México. O resto é médio.

12 comentários:

  1. Sendo bonzinho, o filme é nota 5,5...
    Passeia entre o irrelevante e o cretino.
    Acho que um ator negro(retratando a diversidade da Inglaterra dos dias hoje) e um roteiro com questões mais contemporâneas fariam muito bem à franquia!

    ResponderExcluir
  2. Pra mim o 007 do Daniel Craig é o único com testosterona, o único que realmente me faz querer estar no lugar das bond girls... Os outros são até bonitinhos, mas são como café descafeínado, deixam aquela sensação de que falta alguma coisa. E olha que eu nem me ligo tanto nos branquelos...

    ResponderExcluir
  3. A vigilância em massa simplesmente rasga qq direito q a sociedade o indivíduo tem/teve. Essa palhaçada começou em 11/9 qdo um grupo de psicopatas assinou um documento q entre coisas dizia q leis internacionais n importavam.

    Snowden falou q a vigilância NUNCA impediu nenhum ataque, é apenas um instrumento de controle social e a internet a maior e mais poderosa arma de controle do indivíduo de todos os tempos. Se informe.

    Sobre o estado islâmico, uma DESGRAÇA, criada por eles mesmos. Quem são eles? Na minha opinião senhores da guerra q lucram com o caos no mundo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Snowden que disse? Então dá pra confiar 100%. SQN

      Excluir
  4. Estou em Paris estava indo pra casa de um amigo vi gente correndo na rua, lojas fechando e muitos helicópteros. Nunca senti tanto medo, me senti no Iraque, aparentemente foi um alerta falso. É a nova ordem mundial?

    ResponderExcluir
  5. Eu acredito q existam organizações assim como a spectre, até muito muito mais poderosas. Uma cena importante q vc n deve ter observado no filme, na mesa de reunião alguém diz:
    -Através da vigilância sabemos quais INDIVÍDUOS devemos 'mirar'.

    Deu pra entender pra q a vigilância serve?

    Eu já vi funcionando e funciona muito bem. Controle total, controle absoluto. Esse SEMPRE FOI, o grande objetivo da internet. A liberdade simplesmente morreu. Será q vc tem a menor noção da gravidade?

    ResponderExcluir
  6. A época da guerra fria era muito muito melhor q os dias de hoje, existiam regras, leis internacionais, o mundo é mais perigoso hj do q antes

    ResponderExcluir
  7. http://www.brasil247.com/pt/247/cultura/205248/A-solidariedade-no-nosso-tempo-é-seletiva.htm

    Apesar de ser de um portal tendencioso o texto é bom, isso explica muita coisa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, esses pilantras do 247...

      E ainda tem gente que vem aqui divulgar essas teses estapafúrdias. Preguiça master!

      Uma das pautas do Foro de São Paulo e da Internacional Socialista (o PDT, por exemplo, é membro de ambos) é defender o terrorismo muçulmano e a agenda islâmica. Qualquer pessoa minimamente informada sabe disso. Daí, volta e meia aparece, em nosso mirrado debate nacional, uma ovelhinha - de sites sujos a jornalistas a soldo, ou mesmo políticos vermelhos -, imbuída do mais gritante espírito de rebanho, reproduzindo essa história de "Mariana é mais importante" para desviar a atenção do horror ocorrido em Paris.

      A ideologia de esquerda - brasileira e mundial - é cúmplice do terrorismo em tantas esfera que eu simplesmente não daria conta de enumerar. Dentre elas, oferece suporte a diverso grupos de confronto, combate Israel com todas as forças e sempre constrói narrativas relativizantes imediatamente após atentados. De 11 de setembro á 13 de novembro!

      A cereja do bolo é ler comentário de boneco ventríloquo que sequer sabe a origem ou entende a gravidade das ideias que propaga.

      Excluir
    2. Seu nome é apropriado. Apenas um discípulo de loucos como O de Carvalho, Rey Azevedo e a tragicômica The FU.

      Excluir
  8. O Daniel Craig exala testosterona. Muito sortuda a dona Rachel em tê-lo na sua cama todas as noites...

    ResponderExcluir
  9. Agora tá na moda patrulhar o sentimento alheio. Sei que não querem entender, mas ser solidário com Paris, não significa desconsiderar a situação de Mariana ou qualquer outra. Agora esse papo de solidariedade seletiva... Parem com isso e se ocupem direcionem em ajudar a quem precisa!

    ResponderExcluir