terça-feira, 20 de outubro de 2015

PAISAJE DE SI MISMA

Ao longo da década passada, fui quase 20 vintes vezes à Cidade do México, sempre a trabalho. Mas claro que nas horas vagas eu passeava: visitei duas vezes a casa azul onde Frida Kahlo nasceu e morreu, e outras tantas o sensacional Museu de Arte Moderna. O fato é que os artistas mexicanos do século 20 são ainda mais instigantes que os nossos, mas por aqui só os muralistas e Frida Kahlo são razoavelmente conhecidos. Por isto que é bárbaro que a exposição "Frida Kahlo - Conexões entre Mulheres Surrealistas no México" não traga só trabalhos da monocelhuda. Tive o prazer de reencontrar Remedios Varos e Lenora Carrington, duas pintoras que eu só tinha visto por lá, e ainda conheci um monte de senhoras que eu ignorava. A mostra está em cartaz no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo, e costuma ficar abarrotada nos finais de semana. Mas eu fui hoje na hora do almoço: estava tranquilo e ainda era entrada franca. Frida era a "paisaje de sí misma", como disse um crítico, e vê-la junta com suas amigas e contemporâneas é revelador. Saí tão inspirado que não vou mais me depilar.

8 comentários:

  1. Eu acho a Frida em si mais interessante que seus trabalhos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. e pq vc nao conhece seu trabalho a fundo!

      Excluir
  2. Feliz Aniversário, Tony! Tudo de bom para você

    ResponderExcluir
  3. Já viu o projeto do novo aeroporto da Cidade do México? É pra sambar na cara de Dubai...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Me pergunto de que adianta ser a vanguarda da arquitetura aeroportuária se nem a corrupção do estado misturado com os cartéis de Sinaloa eles conseguem resolver.

      Excluir
  4. Mariana imbassahy trabalha de favor

    ResponderExcluir
  5. Faltou um amigo gay na vida de Frida. Um não, vários! Um esteticista, um cabeleireiro, um maquiador, um modista e mais um BFF para dizer na lata quando ela insistisse em seguir sua intuição: "tá péssimo, miga!"

    ResponderExcluir