terça-feira, 13 de outubro de 2015

GANHOU, PLAYBOY

Meu pai tinha coleção de "Playboy" americana, e um dos meus prazeres secretos quando pequenininho era me esconder atrás das cortinas e folhear as revistas. O que mais me deixava excitado eram os cartuns, não as fotos - eu era o protótipo da criança perversa polimorfa, tinha tesão em tudo. A criação de Hugh Hefner fez parte da minha educação, como da de milhões de outros meninos. Ainda mais porque rompeu uma barreira importante em 1972: acossada pela rival "Penthouse", também teve que passar a publicar fotos de nu frontal. Mas, ao contrário da concorrente, jamais descambou para o sexo explícito. As fotos da "Playboy" sempre foram "de bom gosto", mesmo quando exibiam bacurinhas. Agora não exibirão mais, pelo menos nos Estados Unidos. Foi anunciado hoje que, a partir do ano que vem, os famosos "pictorials" serão mais discretos. Não adianta mesmo querer competir com a internet, onde a pornografia grátis está ao alcance de qualquer um. Mas isto não quer dizer que a "Playboy" encaretou. Só está protegendo a marca, uma das mais reconhecíveis do mundo inteiro. Porque o logo do coelhinho quer dizer muito mais que só mulher pelada. Ao longo de mais de meio século, a revista criou um conceito (frequentemente imaginário) do que é ser um homem moderno, com acesso a gadgets e fêmeas incríveis. Algo assim meio James Bond. É para preservar esse mito que a "Playboy" dá um passo atrás - ou um passo na cola de suas jovens competidoras, como a "Maxim" ou a "Lui" francesa, que sobrevivem muito bem sem apelar pras xanas arreganhadas. E no Brasil, o que vai acontecer? Faz tempo que a versão nacional perdeu a relevância. As famosas não se expõem mais, as BBBs e mulheres-frutas estão super expostas. E até o editorial cambaleia: acho que a última entrevista de impacto foi a de Sandy em 2011, quando ela admitiu que gosta de sexo anal. A "Playboy" brasileira virou uma revista para caras recém-divorciados, e precisa se reinventar com mais urgência do que a matriz. Mas talvez seja tarde demais...

18 comentários:

  1. Para mim tanto faz como tanto fez nunca dei um centavo para comprar esta revista não curto mesmo e nunca curti isto.

    ResponderExcluir
  2. Eu cheguei a ter assinatura, ainda adolescente, e incrivelmente me excitava, era a sacanagem possível. O resto da revista era muito legal também.

    ResponderExcluir
  3. Folheie um única playboy em minha vida. Foi em um barbeiro numa cidade do interior paulista. Eu tinha quatorze anos. Lembro que havia uma matéria sobre tipos de nós de gravata. Era ótima. Quanto à página central, olhei de relance por no máximo dois segundo. Tive medo que meus olhos começassem a sangrar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sangrar De Fu?? Que isso? Eh so uma xereca, uma parte do corpo humano. Vc nao consegue ser indiferente às coisas ne? So sabe odiar.

      Excluir
    2. Se um hetero falasse que os olhos iam sangrar se visse foto de rola, as gueis feito essa aí iam dar um piti do tamanho do rombo que o PT fez no Brasil.

      Excluir
    3. Primeira vez que concordei com The Fool. Nao somos obrigados a achar xana bonita.

      Excluir
  4. Respostas
    1. Não há masi tempo para reinvenções.

      Excluir
    2. a alternativa agora é investir em tecnologia pra quem sabe salvar a editora.

      Excluir
    3. Amor, a notícia é sobre a Playboy americana.

      Excluir
  5. Anônimo das 20:44 mesmo você sendo gay, mesmo eu sendo gay, mesmo o Tony Goes sendo gay, a Revista Playboy não se trata apenas de suprir o estimulo da masturbação pro Homem Heterossexual, se trata de Erotismo, se trata de assuntos contemporâneos e de antropologia, eu tenho a minha amada Playboy francesa do ano de 1967, que está intacta, fico folheando ela, é uma grande revista, não se trata apenas de genitálias, uma ideia errada a sua

    ResponderExcluir
  6. A unica vez q eu senti tesao de verdade por uma mulher foi vendo a playboy das malandrinhas de junho de 2001, eu devia ter uns 14 anos e lembro de ter ficado impressionado com uma loira ou mais precisamente com a bunda e as coxas cobertas de pelosdourados descoloridos com agua oxigenada q ela tinha, cara so de pensar sinto tesao de novo, serio! hahahahaha


    achei o link da foto no google, apesar da qualidade nao estar 100% da pra ter uma ideia do q eu to falando:

    http://4.bp.blogspot.com/-b3Zt6O4hsPQ/T1tpi3VNZdI/AAAAAAAAKLE/HA-pCH2tIYk/s1600/revista-playboy-Sara,+Elaine+e+Fabiana+As+Mallandrinhas-+%2811%29.jpg

    ResponderExcluir
  7. O mio babbino caro
    Em se tratando apenas das genitálias, sempre foi como olhar para um prato de comida sem fome. Tranquilo.

    ResponderExcluir
  8. Eu comprei a Playboy da Marina Lima na época. Fiquei curioso.........

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Reparou que não apareceu foto da bunda?

      Excluir
  9. Achei foi bom! Por mim que desapareça. Nao curto meeeesmo!!!!

    ResponderExcluir
  10. As bichas que postam aqui jamais saberão reconhecer o valor da Playboy na cultura popular...

    ResponderExcluir