quarta-feira, 16 de setembro de 2015

TOUJOURS CHARLIE

Desde o atentado de janeiro, tudo o que o "Charlie Hebdo" publica é revisado com lupa pela internet. Cartuns que outrora passariam batido agora causam escândalo nas redes sociais, entre gente desabituada com a pegada agressiva do jornal e que não sabe interpretar o que está vendo. A bola da vez são essas duas charges. Numa delas, a mais polêmica, o corpinho do menino Aylan aparece ao lado de um cartaz do McDonald's, sob o título "Tão Perto do Objetivo". Claro que eu entendo que é delicadíssimo usar o garoto para fazer troça, mesmo que o alvo não seja ele (para quem ainda não entendeu: o alvo é a sociedade de consumo). Mas pessoalmente eu nem achei muita graça, pois é cerca de um bilhão de vezes melhor morar num país com promoções de fast-food do que em outro devastado pela guerra. Bem mais engraçada é a outra charge, que mostra Jesus (simbolizando não ele, mas os supostos cristãos) caminhando sobre as águas enquanto que um garoto muçulmano se afoga. Aqui a "vítima" é a xenofobia dos países que não querem ter sua cultura cristã de araque ser contaminada pelos infiéis. Mesmo assim, já surgiu na internet um movimento #JeNeSuisPasCharlie". Não vou aderir. Embora eu ache algumas piadas pesadas e outras sem graça nenhuma, continuo Charlie.

48 comentários:

  1. Um verdadeiro genocídio de cristãos segue em solo islâmico, mas certo discurso ocidental, que só enxerga "xenofobia" em quem tenta proteger a própria cultura, parece ainda prevalecer.

    Para os menos afeitos a textos, segue um vídeo que 'desenha' o que quero dizer. (Atentem para a conversa entre a muçulmana e a inglesa!)

    https://www.youtube.com/watch?v=CveZGAvsTa0

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Depois do "gay tem que se dar o respeito pra ter direitos" agora temos "xenófobos são os que protegem a própria cultura". Qual será a próxima pérola nauseabunda que vossa mercê nos brindará?

      Excluir
    2. Anônimo, 16:17,

      Não use aspas para indicar frases que não são minhas, mas, sim, mero fruto de sua interpretação histérica.

      Se não sabe ler, ou argumentar, me poupe de sua tolice. Se bem que, das profundezas que você habita, não espero nada além disso aí.

      ¬¬

      Excluir
    3. Tem gente que ainda defende esse modus operandi deles, a esquerda brasileira adora.

      Nesta semana do Rosh Hashaná, os palestinos não querem que os judeus e outros povos visitem alguns locais sagrados em Jerusalém, jogaram até coquetel molotov neles. Olha as notícias, tudo que a imprensa fala é da brutalidade das forças israelenses.

      Excluir
    4. Os dois lados, palestinos e israelenses, são intolerantes e violentos um com o outro. Ficar se atentando apenas aos erros de um enquanto santifica o outro é cegueira ideológica ou moral. A solução dos conflitos no Oriente Médio não vai vir de gente que fica salientando apenas as mortes e os feridos de um lado. Tanto israelenses quanto palestinos são vítimas da ganância e intolerância de líderes como o premiê israelense Netanyahu, a realeza saudita que financia os terroristas no Oriente Médio todo (inclusive o ISIS), o presidente turco Erdogan (que só pensa em atacar os Curdos e nem se importa com o ISIS) e também culpa dos EUA que só fazem chover bombas e mortes no Oriente Médio para sustentar a realeza saudita e manter seus contratos de petróleo barato.

      Excluir
    5. Anônimo 17:49,

      Tenho que discordar de você.

      Israelenses não utilizam suas crianças para detonar bombas entre seus adversários.

      Israelenses não tratam as mulheres como cidadãs de terceira classe, cerceando sua liberdade política, sexual e social.

      Israelenses não perseguem, torturam e assassinam cristãos - muitas vezes sob o aplauso da população local - filmam e postam na internet "pela glória de seu deus".

      Homossexuais israelenses não são assassinados - pela comunidade ou até pela própria família - em função de serem quem são.

      A pena capital não é aplicada pelo "crime" de apostasia em Israel, .

      Blogueiros israelenses não são condenados a centenas de chibatadas por divergirem de seus líderes religiosos.

      Adúlteras israelenses não são condenadas ao apedrejamento.

      Israel (que eu já tive a oportunidade de visitar) é um lugar onde a diversidade e o respeito imperam. Casais gays possuem uma qualidade de vida muito superior a que teriam em qualquer capital brasileira. Entretanto, cruzar a fronteira e visitar a Palestina é de alto risco para qualquer homossexual que não seja absolutamente discreto, ou mulher desacompanhada.

      Por fim, israelenses não são perfeitos. Ninguém é. Só não queira utilizar uma manjado discurso relativista - típico da esquerda ocidental - para igualar culturas e povos de cepas absolutamente diversas.

      Essa história de que muçulmanos são vítimas (e não coagentes em certa medida) dos horrores no Oriente Médio não me convence. Neste debate, sou pró-Israel! Penso que a única cegueira ideológica, ou moral, é não se posicionar de forma clara.

      Excluir
    6. Anônimo 16:17. Aposto 100 reais que a próxima pérola DeFuliana vai ser algo do tipo "negros cometem mais crimes que brancos, portanto o racismo pode ser entendido como uma defesa prévia à criminalidade".

      Excluir
    7. Anônimo 19:03

      Sua tentativa quase desesperada em me desqualificar chega a ser patética.

      TF / The Fool
      (Daqui por diante, de olho em você!)

      Excluir
    8. Que medooooooooo de voce! Vai chamar a Sheherazade ou o Lobão pra me pegar?

      Excluir
    9. Lobão? Xerazade? Ele vai mandar é o Darth Vader atrás de vc kkkkkk

      Excluir
    10. Caro The Fool, apenas uma curiosidade. Vc é judeu?

      Excluir
    11. Saudades de Mono nessas horas...

      Excluir
    12. The Fool, sobre seu comentário comparando Israel e o mundo islâmico:

      Primeiro, se vc soubesse ler (ou não tivesse cegueira ideológica) teria percebido que eu não disse que todos os muçulmanos são vítimas. Tanto é que citei nomes de líderes de países islâmicos que se importam mais em exterminar minorias (vide Turquia) ou manter contratos de petróleo com os EUA (vide A. Saudita). Apenas mais uma prova de como seu raciocínio político motivado te faz ler apenas partes do texto que lhe convém.

      Segundo, você argumenta que muçulmanos ou palestinos (vc não especifica) fazem todas essas atrocidades e qual a sua conclusão? Que continuar a bombardear e isolar Gaza, matando palestinos com mísseis teleguiados é a solução? Vc é "pró-Israel" (seja lá o que isso signifique) mas não diz o que isso tem a ver com o tema. E depois reclama que "mal-interpretam" suas palavras. Por acaso vc está apenas fazendo uma argumentação no sentido de que israelenses são superiores aos palestinos e muçulmanos em geral, e portanto é aceitável que Israel sufoque a Palestina? Ou vc pretende argumentar outra coisa, mas deixou de dizer para que quando alguém inferisse suas intenções vc tivesse uma abertura para chamar a pessoa de "patética" ou "rancorosa"?

      Terceiro, existem mais de 1 bilhão de muçulmanos em dezenas de países, que variam de regimes autoritários a democracias, e com certeza os atos e as crenças nefastas de alguns muçulmanos ou estados muçulmanos não devem ser generalizadas para todos aqueles que têm o Islã como sua crença. O Corão, assim como a Bíblia e a Torá, é cheio de passagens que encorajam a tolerância e o entendimento entre as pessoas, mas também de outras passagens que pregam atitudes reprováveis e intolerantes. Quando no mês passado um judeu invadiu a Parada Gay de Jerusalém e esfaqueou 8 pessoas (uma das quais morreu), ninguém correu para acusar o judaísmo de religião homofóbica. E enquanto muitos muçulmanos fazem atrocidades contra mulheres e homossexuais, é muito fácil para vc olhar apenas para a evidência de que o islamismo é inerentemente repressivo enquanto milhares de outros muçulmanos (vivendo em países islâmicos ou ocidentais) querem apenas viver a própria vida e não tem nada a ver com o que a ISIS faz.

      Por fim, queria te lembrar que a realidade resiste simplicidade. Com certeza resiste a simplicidade do seu viés de quem quer dividir o mundo entre os “certos” e os “errados”, como todo bom conservador que vê o mundo por meio de lentes em que tudo é apenas preto ou branco.

      PS: presumi que sua comparação foi com o mundo islâmico como um todo pois vc não deixou claro com o que vc comparava Israel. Aliás, esse é um truque retórico muito comum nas suas argumentações: não deixar claro seu ponto de comparação para que caso alguém rebata seu argumento, vc possa usar a desculpa de que a pessoa interpretou errado o que vc disse ou que usou um espantalho para contra-argumentar. Pois, meu bem, se vc não especifica bem o que vc diz ou é por desleixo ou por má-fé.

      Excluir
    13. Anônimo 21:45,
      Bom dia!

      (1) Você só citou líderes muçulmanos por dois motivos: primeiro, porque é impossível negar o horror islâmico e, por último, para tentar igualar, pela sua régua, israelenses e palestinos. Ademais, qual o problema em vender petróleo para os EUA? Em uma economia saudável, vende-se para quem quer comprar. Entretanto, o antiamericanismo da sua ideologia não resistiu em se fazer presente.

      (2) Eis a máxima leninista: ‘acuse os adversários do que você faz, chame-os do que você é’. Você me culpa antes para blindar-se de ser responsabilizado pela imprecisão neste pequeno debate.

      Será que sou eu que não “especifica”? Basta ler seu primeiro comentário (17:49) para constatar que lá está o truque retórico do qual sou acusado. Você começou citando “palestinos e israelenses” e, já na terceira oração, tascou um “conflitos no Oriente Médio”. Resvalou no ISIS, na Turquia e terminou na Arábia Saudita. Não especifiquei muçulmanos (geral) ou palestinos (no particular) em função do SEU comentário.

      Continuemos. Você enfatiza os ataques sofridos por Gaza, mas comodamente esquece que o sistema antiaéreo israelense intercepta dezenas de mísseis todos os dias. A única diferença é que Israel é militarmente mais eficiente e sofre menos danos no combate. Não é o caso, ao contrário do que você insinua, de determinar a superioridade de um ou outro, mas, sim, de fazer uma escolha baseada em fatos (cito alguns em 18:54). Neste confronto, que infelizmente segue sem solução, já disse: sou pró-Israel.

      (3) Repito: israelenses não são perfeitos. Há malucos em todas as frentes. Seja entre judeus, cristãos, muçulmanos, ou ateus, sempre haverá psicopatas cometendo sandices e histéricos prontos para segui-los. Entretanto, não são “muitos muçulmanos que fazem atrocidades contra mulheres e homossexuais”, mas todos! Diferente de judeus e cristãos (que podem ser “não ortodoxos”, ou “não praticantes”) um muçulmano que não obedeça à ‘Sharia’ é considerado apóstata e a pena última para tal crime é a morte. Ainda que individualmente um ou outro seja razoável e queira que a religião avance, a realidade é outra. Esse islamismo light que você idealiza é mero fruto da sua fantasia argumentativa.

      Em função do negócio dos meus pais, cresci entre árabes e conheci, nos idos da década de 1990, uma sede da OLP em São Paulo, no bairro da Moóca. Sei bem quando falo sobre a forma de agir dessa religião. Ademais, não entendo como um gay, apesar de esquerdista, pode ser simpático a um regime político-religioso em que radicais jogam homossexuais de um prédio, um deles não morre e a população “oprimida” termina de matá-lo a pedradas e pauladas.

      (4) O mundo realmente não é preto ou branco. Há inúmeros tons de cinza entre os dois extremos, mas isso não impede de sabermos qual cinza é mais escuro, ou impede?

      Mais uma vez: minha comparação apenas obedeceu à fluidez do seu primeiro comentário. De mais a mais, não seria possível separar palestinos do mundo islâmico. Especificar, neste caso, quase não faz sentido e, por isso, não impliquei com sua réplica inicial. Quanto a uma eventual má-fé, toma que o filho é teu. O já batido truque leninista não funcionou desta vez.

      * * *

      Reconheço que você se esforça para esboçar argumentos. Vai um pouco além do xingamento vazio de seus colegas. Seria ainda mais interessante se assumisse um apelido, mas imagino que isso não combine com sua ideologia política. Mantendo-se anônimos, vocês dão a impressão de serem mais numerosos do que de fato são em um eventual ataque virtual. Fora que o coletivo (ou classe, ou partido) deve sempre se sobrepor e suprimir o individual, não é mesmo?

      Excluir
  2. O mundo será ateu daqui algum tempo. Na Suiça 50% da populaçao é de ateus. Nos paises nordicos a mesma coisa. Infelizmente vamos ter q passar anos com o classe média #féemdeus #abençoadoporcristo e etc...um saco ter q esperar a evoluçao desses animais. No caroço q eles tem no cérebro, é melhor ser aceito pelo homem de pensamento médio do que pensar alem do seu tempo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Porque "classe média"? São as classes menos favorecidas - ou seja, as com menos acesso à educação - que compõem a maior parte dos fiéis, em qualquer país.

      Excluir
    2. O anônimo (os MAVs agora são sempre anônimos) usa o termo "classe média" para seguir, à risca, a cartilha esquerdopata na qual a culpa recai sempre sobre a classe média, e jamais, sob hipótese nenhuma, no impoluto proletariado.

      Excluir
    3. MAV, esquerdopata, impoluto proletariado. Ja passou a hora de criarem um dicionario coxinha-enroladinho para facilitar a comunicacao inter-ideologica na internet.

      Excluir
    4. Enquanto isso os bilionários Forbes Brasil continuam enchanted!

      Excluir
  3. Cito galeano "n é o único mundo possível"

    ResponderExcluir
  4. A classe média cristã ( cristão não quer dizer evangélico, mas todo esse povo que coloca em Deus a razão da sorte deles) é a maioria que forma a direita e extrema diteita hj. É a nova classe média q vc vê nas manifestaçoes carregando placas estúpidas. Cantam Aline Barros, votam no Cunha, viajam e bancam festinha infantil e casamento ostentaçao em salão de festas de gosto duvidoso. Dançam arrocha gostoso no show sertanejo.
    Honestamente, o evangélico pobre é o q menos enche o saco no fim das contas.
    Ainda temos q aturar a liga de senhoras da alta sociedade que disputam a tapas quem é a mais católica fervorosa entre elas. É chique ser ultra católica conservadora e devota de maria e da familia. Uma madame trouxe para o Brasil o culto a Nossa Senhora das Neves que fica em Courchevel nos alpes franceses, uma estaçao de esqui chiquérrima. Tem padre que só atende as madames e é conhecido e badalado entre elas, jogando no lixo toda a doutrina biblica com ostentaçao e luxuria. A igreja da medalha de maria em Paris virou tão cafona como uma loja louis vuiton já que é lugar pra ver e ser visto e postar as selfies.
    Será que ninguem encherga o nível de ridicularidade da elite desse pais? Eles conseguiram transformar até a fé numa palhaçada elitista.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Melhor comentário da história desse blog!

      Excluir
    2. Que horas ela volta?

      Excluir
  5. Respostas
    1. MAV é qualquer pessoa com pensamento de esquerda com quem o povo direitoso eleitor do Cunha e Feliciano discorda.

      Excluir
    2. Resposta errada, sou os internautas a soldo do PT...Como soldo entenda um pão com mortadela e, com sorte, trinta acués...Tá explicado o porquê de tanta amargura...

      Excluir
    3. Esse "SOU os internautas a soldo do PT" foi um lapso Freudiano ai Dani? kkkkkkkk

      Excluir
    4. Foi...Sou uma bicha comunista reprimida...Aff, me descobriram...OMG

      Excluir
  6. O cristão pobre grita grita mas não fala coisa alguma. O cristão classe média média e alta e ricos são os que fazem todo o alarde.
    A diferença é que os mulçumanos pobres quando gritam e nao sao ouvidos, decidem explodir um templo de 5.000 anos.

    ResponderExcluir
  7. Na semana de moda de Paris, todas as fashionistas batem ponto na igreja da medalha milagrosa de Paris....rsrsrs. E muitas fotos pro instagram, é claro.

    ResponderExcluir
  8. Existe uma crítica enorme ao novo conservadorismo no Brasil. Mas ele se apresenta não apenas nas classes baixas e médias, mas tb entre os ricos devotos da tradição e valores familiares. Estranho é que os gays adoram e idolatram essa turma quatrocentona que, de certa forma, atrasa a agenda progressista no congresso.

    ResponderExcluir
  9. 1 bilhão de vezes melhor? Melhor pra você que pode comprar um dos sanduíches da promoção, né? Mas não é só um país de "promoção de fast food". É do país mais imperialista do mundo que você está falando. E a sociedade de consumo e o capitalismo também matam, e matam de forma mais cruel que se pode imaginar, não duvide disso nunca.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Qual é o país mais imperialista do mundo a que você se refere? Os EUA? Não é para lá que a maioria dos refugiados querem ir...

      E sim, é um bilhão de vezes melhor morar num país que tem promoção do McDonald's do que morar num país onde a ditadura sanguinária de Assad luta contra os alucinados selvagens do Estado Islâmico. Pelo menos a promoção você não é obrigado a aceitar.

      Excluir
  10. Posts assim revelam especialistas em oriente médio e religião que a ONU e Harvard e todo o meio acadêmico e diplomático deveria contratar na hora, inclusive para ajudar a resolver crises internacionais. Fico deslumbrado com a qualidade dos comentaristas, fico tão curioso sobre em que trabalham kkkkkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem Homeland essas pobres assistem e veem aqui opinar. Faz me rir!

      Excluir
    2. Entao de acordo com seu raciocinio, apenas porque nao temos como fazer algo pelo Oriente Médio devemos ser ignorantes sobre a situacao toda? Boa filosofia a sua. Ignorance is bliss, como dizem.

      Excluir
  11. O instagram virou uma passarela de santos, imagens de Nossa Senhora e mensagens católicas nas contas das senhoras consideradas "finas". Como disseram acima, a capacidade da elite brasileira de tornar tudo uma cafonice é espantosa. Até os santos da igreja estão banalizando no instagram em pró do luxo e "suposta" elegância...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É comum ve-las postarem no Instagram uma mensagem de boa noite com uma imagem de Chesus, e passagem da bíblica ou frase de auto ajuda qualquer como legenda. Eu, do lado de cá, tenho que me segurar pra não correr no banheiro e vomitar minha ceia.

      Excluir
    2. Maldita! Vc vai queimar no fogo do inferno, e no mármore do profeta e quando tiver queimadinho, ele vai te dar pele nova pra queimar de novo...ehehe

      Excluir
    3. Mas por que vocês seguem essas mulheres no Instagram??

      Excluir
    4. Para ver o nível dos absurdos que elas atingem.

      Excluir
    5. Não é preciso segui-las para ve-las. Tudo se vê na internet mesmo que vc nao queira muitas coisas passam pelos seus olhos.

      Excluir
    6. Que perguntinha??

      Excluir
  12. A igreja católica em frente a praça nossa senhora da paz em Ipanema é onde elas se encontram pra rezar o terço comprado em paris. Tb tem uma missa da semana que costumam frequentar e o padre do qual todas são amigas. Os neo-pentecostais são umas malas, mas a alta sociedade consegue pior. Toda estupidez em nome da tradição. E o que me irrita é ver jornalistas, gays e intelectuais participando do circo em busca dos privilégios que essa classe rica oferece a quem se submete a sua estupidez. Não dá mais. Essa gente precisa ser alvo incessante de crítica para não se tornarem donos únicos da verdade. Não estamos brincando com a fé de cada um, mas criticando a forma hipócrita que essa fé se manifesta nesse grupo. Nossa Senhora das Neves...haja paciência.

    ResponderExcluir
  13. Oh mio babbino caro
    Vamos ver os cartuns quando os motivos forem judaicos.
    Shaná Tová

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quanto mais querem pousar de bacana, só acentuam quanto são ridículos. Mas já existe essa reação maravilhosa esboçada aqui, e logo perceberão que é melhor para todos, inclusive quem tenta ridicularizar outros credos.

      Excluir
  14. E a charge do Hubert censurada pelo Facebook?
    O que a amizade com dona Dilma não faz....

    ResponderExcluir
  15. Hahaha. Nossa Senhora das Neves. Deve ser a padroeira das meninas AA. Muita pose, dinheiro pouco.

    ResponderExcluir