sábado, 19 de setembro de 2015

I'VE GOTTA BE COOL, RELAX

Fiquei sabendo em cima da hora que o Queen + Adam Lambert iria tocar em São Paulo dois dias antes do Rock in Rio. Os ingressos começaram a ser vendidos em maio e se esgotaram rapidamente, e eu nem percebi. Perdi a chance de conferir em carne e osso a nova encarnação da banda que eu mais amei na vida. Dessa vez eu até estava a fim - diferentemente de 2008, quando Roger Taylor e Brian May vieram ao Brasil acompanhados por Paul Rodgers. O ex-vocalista do Bad Company tem um vozeirão, mas zero da atitude camp de Freddie Mercury. Os remanescentes do grupo perceberam isso e, para mais uma turnê mundial, recrutaram Adam Lambert, a quem tinham conhecido durante o "American Idol" de 2009. Vi algumas coisas deles na internet e não achei horrível, mas comi bola. E acabei vendo o show pelo Multishow na madrugada de ontem para hoje, na companhia de dezenas de amigos nas redes sociais. Acho que me diverti mais do que se tivesse visto ao vivo (e ainda economizei 600 reais, fora o táxi).
Adam é ótimo, mas não é Freddie. Ninguém seria. Outros nomes possíveis para essas substituição temporária seriam George Michael (meu favorito), Robbie Williams e Mika (mas este, só nas músicas calmas). A voz de Adam alcança os agudos necessários, e sua bichice incontrolável também combina com o repertório. Saiu-se especialmente em "Crazy Little Thing Called Love", onde o próprio Freddie imitava um pouco o Elvis. Mas ele tem algo de mulherzinha que incomodou a mim, fã ortodoxo. Freddie também era uma bicha louca, mas era macho. E isto não tem nada a ver com sexualidade, se é que me faço entender. De qualquer forma, o show foi bem bacana. E bem óbvio: só os hits mais conhecidos com os arranjos de sempre, porque é disso que o povo gosta. Incrível perceber o poder dessas músicas, que agora hipnotizam uma geração que nem era nascida quando Freddie morreu. O show de Porto Alegre, dia 21, talvez seja a última vez na vida que Roger e Brian toquem sob a marca Queen no Brasil (depois ainda seguem para Buenos Aires e Santiago). Então, para quem nunca viu, resta uma derradeira chance. Eu tive a graça de ver o original, no Morumbi em 1981 e no primeiro Rock in Rio, em 1985. Isso ninguém me tira.

56 comentários:

  1. O jeito broadway/american idol de cantar é horrivel, não combina com freddie, por mais que esse tbm fosse por esse caminho, mas com uma veia verdadeira de rock, coisa que esse Adam não tem nem sabe simular. Achei ele mais pra Bon Jovi com uns agudos horrorosos e cafonas. Mas pra entreter publico do Rir ta é otimo.

    ResponderExcluir
  2. "Freddie também era uma bicha louca, mas era macho." Me senti lendo um blog do Bolsonaro. Tony, é vc mesmo? Ou alguém hackeou o blog?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já vão começar de novo aquele lenga lenga...

      Excluir
  3. Acho comparações sempre idiotas... Nunca ninguém vai ser igual ou rivalizar com Freddie Mercury, pois a bicha já se transformou em MITO e mortal nenhum pode alcançar o poder de um ser mitológico. Mas tem uma coisa que me chama muito atenção nesse texto acima, Tony, quando vc diz: "Freddie também era uma bicha louca, mas era macho." Ou quando diz que o jeitinho mulherzinha da bicha te incomoda. Claro que vc tem todo direito de não gostar disso, ou ter a tua opinião, da mesma forma como Beth Faria disse que tem repulsa a mulher gorda, que é um direito dela, ok... Hitler tb odiava judeu e negro e gay... Enfim, é uma discussão que vai longe. Mas, gostando ou não, considero essa mentalidade resultante da tal da "heteronormatização", que causa preguiça em muita gente, confesso que até em mim tb. Mas, qual o problema das bichas botarem a cara no sol, mona. Deixa a outra dá pinta horrores. A questão é que ela canta e, mesmo que nunca se equipare ao mitológico Freddie Mercury, até achei que ela deu conta do recado. O importante é que a bee tem talento, canta pra caralho e vamos parar de reproduzir opiniões baseados em estereótipos, isso não acrescenta nada para causa gay e nem para evolução de comportamento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não me fiz entender. Vou tentar me explicar: meu comentário não tem NADA a ver com sexualidade ou identidade de gênero. Estou me referindo à persona cênica. Ao personagem que cada cantor encarna no palco. Freddie Mercury era uma moça delicada na vida real (e passivo, segundo consta), mas era uma bicha feroz nos shows. Eu vivi intensamente a história dele no Queen e ele me influenciou demais. Adam Lambert, que é talentosíssimo e cheio de cojones para aceitar uma empreitada dessas, tem um jeito diferente em cena. É mais mansinho, por mais que se esforce. Os dois não são iguais, e ninguém nunca vai ser. Eu, como fã do Queen da velha guarda, desde 1974, claro que prefiro o original. Tenho todo o respeito pelo Adam, de quem aliás eu gosto muito - até tenho o CD novo dele. Mas ele parece uma menininha perto do rock supremo que foi Farroukh Bulsara. Só isso.

      Excluir
    2. Vi e não aguentei! Nasci um raver mesmo. Pra mim rock já nasceu com cheiro de mofo!

      Parei na redenção dele de "Another One Bites The Dust"! Totalmente sem paixão e garra - como o Freddie Mercury expressava tão bem! Errar nessa musica desse jeito não pode! Ficou horrível.

      Parei aqui, é logo no início, e já tá bom demais! Os fãs que se divirtam!

      Eu volto pros meus sets de DJs de techno! Gracias senhoritas!

      Excluir
    3. Oh mio babbino caro
      O problema nem é o "Queen" e sim aquela pasteurização, mistura de Shopping com Parque temático, a 600 reais, fora o táxi...

      Excluir
    4. O que ele quis dizer, pra mim, é que intuitivamente no palco o Fred parecia aquela bicha que ia te pegar na cama e te dar surra de pica, o Adam parece que vai te dar surra de bunda. Mas isso no palco. Na vida real pode ser o contrário. De qualquer maneira acho que toda análise acaba passando pelo sexo, pela sexualidade, inevitável, não vamos fingir o contrário, isso é arte, não é a politica economica do Levy. O Fred parecia ativa e Adam, passivona. Simples.

      Excluir
    5. Não conheço nada mais cafona que festa temática. "O magico de oz", " Alice no pais das maravilhas", decoraçao de boate. Só pras circuits classe C mesmo.

      Excluir
    6. Reductio ad Hitlerum detected.

      Excluir
    7. "O Fred parecia ativa e Adam, passivona. Simples"

      Ironicamente parece que na cama é (ou era, no caso de Freddie) o contrário rs.

      Excluir
  4. Rock in Rio é mico, mas o Queen é lacre inviolável!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pior é que elas vão pro Rock in Rio e pra completar a cafonice da noite terminam na The Week.

      Excluir
  5. Porque a maioria dos títulos desse blog quase sempre é em inglês?

    ResponderExcluir
  6. vi na internets, achei a voz meio ruim...

    ResponderExcluir
  7. Eu lembro quando rolou esse boato do George Michael (cuja carreira solo estava naufragada na época) substituir o Freddie. Teria sido épico, mas ficamos só com aquele show de 1992.

    ResponderExcluir
  8. Vou dar uma olhadinha agora!

    Nunca gostei muito do Queen não! Muito teatral! Afetado demais! (olha aí o preconceito!!!!!) Acho as músicas deles meio brega. Mas o Fredy Mercury cantava muito! Minha fonoaudiologia super caretinha, na minha juventude, adooooraaaava ele!
    Ela era cantora lírica e achava ele perfeito como cantor. Ele e Nina Hagen.

    (Cada coisa que fica na memória da gente, né não???)

    Show inteiro:

    https://www.youtube.com/watch?v=nAH4WP0wrk0

    ResponderExcluir
  9. Algumas meninas BB vão levar água de coco escondido na bolsa pro show da Rihanna. A crise e grana que ganharam nos eventos não permite elas paguem entrada + bebida no rock in rio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vc quer dizer Meninas CC, Classe C.

      Excluir
    2. E por acaso é vergonhoso ser pobre?

      Excluir
    3. Não há pobreza maior que dizer que é rico.

      Rico que é rico é natural. Leva água de coco na bolsa.

      Excluir
    4. Exatamente...todas são "ricas", "finas" e vipadas.

      Excluir
    5. E viajadas. E trepam mais e se drogam mais e compram mais do que quem não seja do clube.
      E todas catando marido rico. Estrangeiro, de preferência, porque é fino ter passaporte de país de primeiro mundo.

      Excluir
    6. Tem um AA que o marido pagou viagem pra Ibiza, Africa do Sul, etc.... Era garoto de programa de luxo. Hoje apresentado em sites como exemplo de cool e sofisticação.

      Excluir
    7. Ah se a gente pudesse contar todos os bafos e dar nomes das michelles e das wannabees que posam de senhoras da sociedade....

      Excluir
    8. São várias. Essa q posou em site eh muito bonita. Ostentou muito com o namorado em Ibiza e South Africa. Não é inteligente mas ta arrumando a vidinha dela. Mas tem nome de pobre.

      Excluir
    9. Já sei quem é. Tem olhos verdes lindos. Já conseguiu tirar uma pequena empresa do marido. Ex GP.

      Excluir
  10. Preguiça e quem fala mal do Adam Lambert! 1985 faz parte do passado e Rock in Rio é mico monumental hoje em dia!

    ResponderExcluir
  11. Adam Lambert é lindo de morrer e canta pra caralho: a família tradicional brasileira se revira na tumba!!!

    Sem brincadeira, acho que ele foi bem macho de imprimir seu próprio estilo e não bancar o cover de alguém que foi inimitável e que é insubstituível.

    ResponderExcluir
  12. Falar que a voz do Lambert é ruim é o cúmulo da ignorância. Critique-se a emoção, o estilo, a postura, a roupa, o cabelo, o que quiser. Mas o cara tem mais técnica que o próprio Freddie, que já era um baita cantor.

    ResponderExcluir
  13. Gente, o Freddy Mercury morreu. Next.

    ResponderExcluir
  14. 1 - o Adam Lambert, que eu nem sabia quem era, foi FANTÁSTICO e ganhou mais um fã;

    2 - Se a Freddie fosse viva hoje, ou começasse a Queen hoje, não seria menos bicha que Adam;

    3 - Acho ESPETACULAR os culhões de Adam pra ser tão bichona num palco de festival, e diante dos fãs da Queen, que via de regra dizem "Adoro o Queen APESAR do Freddie ser gay";

    4 - George Michael não tem voz pra essa empreitada. Ponto.

    ResponderExcluir
  15. Não sei... Acho que Adam é Adam, e Queen é Queen. Água e óleo. Não dá liga.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Emulsiona que mistura, bicha.

      Excluir
  16. Quando Freddie morreu, eu era muleque, 4 anos, eu tinha. Eu sempre achei, depois que comecei a pesquisar a vida de Mercury, que ele sempre foi um viado enrustido, a impressão é que ele nunca assumiu a homossexualidade. Enrustido. E pior é que só tiraram o cantor do armário, depois que ele morreu. Eu acho que ele poderia ter feito muito mais pelos gays, ainda mais naquela época, que a aids matou dois terços dos viados dos eua.

    Depois que Morre. Acaba! Só fica a saudade. Entretanto, penso que se ele tivesse vivo, estaria vivendo com aquele namorado, que ele tinha antes de morrer....!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os tempos eram outros. Freddie não era assumidamente gay, mas se deixava fotografar em baladas e dava a entender que cheirava cocaína. Era um hedonista absoluto. Na verdade, ele era bissexual: o maior amor de sua vida foi uma mulher, Mary Martin, com quem ele viveu vários anos e que acabou sendo a maior herdeira de sua fortuna. Mas no final da vida, longe das câmeras, ele era uma bicha louca, e isto está fartamente documentado em sua várias biografias. Ele poderia ter feito mais? Sim. Inclusive só admitiu que estava com AIDS um dia antes de morrer, quando o mundo inteiro já desconfiava há pelo menos dois anos (ele aparece magérrimo em suas últimas imagens). Por outro lado, Freddie era "unapologetic": não baixava a cabeça, não pedia desculpas por ser o que era. E neste ponto ele foi um "role model" para mim.

      Excluir
    2. Boate Sótão! Presente.

      Excluir
    3. Bissexual kkkkkkkkk
      Amo essas bichas que meteram numas quenga mas sempre por tras escondido dando o rabicho nas sauna pagando de bi.
      Tem as que casaram e dizem que amaram a quenga e só depois se descobriu fêmea kkkkkk
      Ta bom de negação então. É ainda cool ter gostado da gruta umida, da status na pista.

      Excluir
  17. Gostei do Adam cantado, não tentou imitar o Freddie, tem ótima voz, carisma, lindo de morrer. Entendo que você prefira o George Michael, mas acho que a intenção do grupo ao colocar o Lambert no vocal é apresentar o Queen pra uma geração mais nova, que nem tinha nascido quando o cantar morreu. Ele tem mais apelo que o George pra esse público jovem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Não tentou imitar o Freddie" ???? Vc é louco?
      Eu gosto do Adam mas é preciso bom senso.

      Excluir
    2. O importante é que a RAINHA ainda éstá dando close por aí, galera!!! Deixa a bixa da nova geração brilhar... Preguiça desse papo cacuras vs bibas da nova geração.

      Excluir
  18. Dizem que Adam viu um show da Ney Matogrosso e que ficou com a "xana" em chamas, dizem até que ela agora é nova Cazuza de Ney, tá doida pra dar pro astro brasuca... Babado no mundo das bixas performáticas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas a Relações Públicas do Adam nega tudo e diz que ele está saindo com Justin Bieber...

      Excluir
    2. Faz parte da estratégia de assessoria de imprensa de qualquer artista internacional inventar admiração de artistas estrangeiros por artistas locais para parecer simpático e interessado pelo país. A Beyonce foi na cola do Grupo do Passinho. Bacana, mas tudo estratégia de marketing. Não se iludam muito

      Excluir
    3. Não se iluda voce com a anônima das 15:09, porque eu acho que ela é mentirosa.

      Oooops! Em PR Speak é melhor: "embelezou" tudo para dar um up no blog!

      Excluir
    4. Pra seu governo, Monatemática, dizem que Adam Lambert deu close no Centro Cultural da Vergueiro antes do show em SP e ainda fez a linha George Michael no banheirão do Shopping Paulista... Como ela não é tão conhecida (só bombou depois do show e da transmissão do Multishow), passou quase desapercebida.

      Excluir
    5. Tava tirando onda. Pra mim, na realidade verdadeira, não fede nem cheira!

      Excluir
  19. Fui no show do Rock in Rio, paguei esse mico, rs. Uma fila e um calor do cão, tudo caro lá dentro, mas tinha gente comprando até barro e lama da primeira edição desse festival. Sobre a Adam, acho que ela foi bem respeitosa o tempo todo, poucas vezes se distanciava dos outros integrantes, parecia uma teenage cantando com a banda dos sonhos. Adam Lambert reverenciava os tiozinhos o tempo todo, nem senti que ele quis se comparar com a finada Mercury (nem ia conseguir isso se tentasse) e o público que tava na Cidade do Rock era formado sim, em sua maioria, por gente com menos de 25 anos. Ou seja: o povo tava nascendo quando a Mercury virou hotel... Ops, quis dizer: cantora baiana. Não, quis dizer: virou glitter. Enfim, a bicha até podia roubar a cena, mas teve pena das "cacuras" se comportou respeitosamente e arrasou com os viados presentes, ele é realmente lindooo e a neca gritava nas calças de couro. O povo ficou louco de tesão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A neca nas calças de couro é truque antigo de estratégia de marketing. Não se iludam muito. É tudo enxerto!

      Excluir
  20. Acho fantástico que um vocalista muito talentoso, assumidamente gay e cheio de glitter esteja à frente de uma banda icônica, no maior festival de música do país e um dos maiores do mundo. Só merece aplausos. E muitos.

    ResponderExcluir
  21. Adoro o Adam! Gato, gostoso e talentoso.

    ResponderExcluir
  22. E com o LHE DAR com o Eduardo Cunha indo ao Rock in Rio e dizendo que é fã do Elton John?

    ResponderExcluir
  23. Enquanto vcs ficam aí debatendo se a guei é necuda ou boa cantora, aquelas pessoas que vcs odeiam nas passeatas, aqueles reaças que pedem impeachment, estão todos lá gastando gostoso no shopping Rock in Rio, ou vcs acham que os eleitores da Bolada tem 600 reais pra pagar tirolesa e montanha russa?

    ResponderExcluir