sábado, 1 de agosto de 2015

ASSUMINDO-SE HÉTERO


A fluidez sexual está na moda. De certa forma, é o oposto do conceito "born this way": um dia você pode gostar de uma coisa, no outro dia de outra, e ninguém tem nada a ver com isto. Quer dizer, alguém tem: aqueles a quem machucamos quando mudamos de ideia. O filme francês "Beijei uma Garota" parte dessa premissa interessante, e tenta ser uma comédia. Mas, não sei se por pudor ou por falta de talento mesmo, os roteiristas não exploraram direito o potencial cômico de um gay que transa com uma mulher pela primeira vez. O protagonista é lindo e mora há 10 anos com outro cara mais lindo ainda; no entanto, bastará uma noite com uma desconhecida bêbada para ele questionar toda sua vida. Aí o filme se propõe um desafio, pois tem que encontrar uma maneira de sair dessa situação sem resvalar na caretice. Se o cara larga do namorado para ficar com a mulher, estará celebrando a heteronormatividade. Se ficar com o namorado, estará reforçando a rigidez sexual. Sinto dizer que a solução encontrada não resolve bem este dilema. Mas o pior é mesmo o caráter do nosso herói, que conta mentiras a torto e a direito que seriam imperdoáveis para um hétero. "Beijei uma Garota" é uma bobagem.

10 comentários:

  1. Luciano Mangabeira1 de agosto de 2015 21:48

    Tony, vc viu o filme "Uma nova amiga" (Une nouvelle amie)? Eis a sinopse:

    Claire tinha Laura como sua melhor amiga. Parceiras desde a infância, as duas eram inseparáveis. Quando Laura fica doente e morre, Claire se aproxima de seu marido, David, e surpreende-se ao descobrir o segredo íntimo do viúvo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vi a bordo de um avião em junho, e adorei. Gostei tanto que revi quando entrou em cartaz no Brasil. É um dos meus favoritos deste ano.

      Falei dele neste post aqui, com direito a trailer e a uma cena completa:

      http://tonygoes.blogspot.com.br/2015/06/queer-cinema-bordo.html

      Excluir
  2. Vc n sai do reserva, já tentou o cinesala?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não saio é do Belas Artes, que é bem perto da minha casa. Vi este filme lá. Na Reserva até vou bastante; na Cinesala (que vive mudando de nome) já fui muito, mas é meio fora de mão para mim.

      Excluir
  3. O que significa reforçar a rigidez sexual?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saiu estranho, né? Deveria ter escrito algo como "rigidez da orientação sexual". É o contrário da fluidez sexual: alguém que muda de orientação com o tempo, por qualquer razão. Começa hétero, "vira" gay, volta a ser hétero, etc. etc.

      Excluir
  4. Fiquei curioso vou ver o filme

    ResponderExcluir
  5. Pois é, a pessoa inventa de casar para dar satisfação a sociedade e cai na maior fria, tenho um amigo que foi casado e a ex dele que era um porre só vai dar a separação por mais grana, ou seja melhor mesmo é seguir a sua natureza e não forçar algo que jamais daria certo eu mesmo quase fui casado ainda bem que pulei fora e hoje eu tenho um companheiro.

    ResponderExcluir
  6. Não acredito em ex gay. Esse filme nao considera a existencia de bissexuais? Se ele largar o namorado por causa da rachada vou detestar. De romancinho hetero meus olhos se cansaram! Chega! #Nojo

    ResponderExcluir
  7. Pois eu "born this way" sim senhor! De vagina tenho asco. Vamos ser gays pra sempre, caramba!

    ResponderExcluir