terça-feira, 14 de julho de 2015

GÉNÉRATIONS DE LA CHANSON


A chanson é uma espécie de MPB à francesa: não é exatamente um ritmo, mas o mainstream da música que se faz por lá. Um de seus maiores nomes foi Charles Trenet, que morreu com quase 100 anos sem parar de cantar e compor. Ele deixou clássicos como "La Mer", que curiosamente não foi incluído em "Trenet", o álbum-tributo que Benjamin Biolay acabou de lançar. Mas o repertório inclui outro de seus monumentos, "Que Reste-t-il de Nos Amours?", e pérolas menos conhecidas. Como "Revoir Paris", que abre o disco e ganhou o clipe acima. Acompanhado por um grupo de jazz, Biolay está cantando mais sexy do que nunca, o que o confirma no posto de meu marido secreto no. 1.

Um cantor que está seguindo o exemplo de Trenet é Charles Aznavour, que acaba de lançar um trabalho novo aos 91 anos de idade. Nunca fui muito fã dele, mas fiquei curioso para ouvir "Encores". Me arrependi: Aznavour, que já nasceu velho, agora está velho de verdade, com músicas melancólicas e a voz grave e enfraquecida. Sequer alcança a cafonice de seus antigos sucessos, como "She" ou "Dance in the Old Fashioned Way". Melhor abafar.
Ainda mais porque uma nova geração de chansonniers já está bombando. Um dos destaques é Thomas Dutronc, em cujas veias corre sangue azul: seu pai é o ator e cantor Jacques Dutronc, e sua mãe é a lenda viva Françoise Hardy. Garoto-propaganda dos perfumes Cerutti, ele também não faz feio no álbum "Eternels Jusqu'à Demain". A minha favorita é "Aragon", a faixa de abertura, mas o primeiro single, "Allongé dans l'Herbe", relembra os tempos do yé yé, a Jovem Guarda deles. E assim, entre auto-homenagens e passagens de bastão, a chanson française segue firme.

3 comentários:

  1. O mio bbino caro
    Não me diga que nunca viajou com "Yesterday When I Was Young". tão lindha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já viajei com várias do Aznavour. Inclusive literalmente; desembarquei há menos de um mês em Genebra ouvindo uma música dele sobre a cidade, "Inoubliable Genève".

      Excluir
  2. Adorei a dica sobre Benjamin Biolay!
    Não para de tocar na minha playlist do Spotify!

    ResponderExcluir