sábado, 18 de julho de 2015

A IMPERATRIZ DO BLUES


Bessie Smith foi a primeira cantora negra norte-americana a cantar para o público branco, na década de 20 do século passado. Seu estilo era o blues, um gênero musical que eu acho pobrinho - tem só três acordes básicos, e todas as canções soam iguais. Mas ela tinha um vozeirão e muita presença em cena, e abriu caminho para seguidoras como Billie Holiday. Sua vida tumultuada já deveria ter rendido filme há muito tempo. "Bessie", em cartaz na HBO, preenche essa lacuna com louvor. É o favorito para o próximo Emmy de melhor filme de TV, com nada menos que 12 indicações. Queen Latifah parece ter encontrado o papel de sua vida; dá até para imaginar que ela teria sido Bessie Smith se tivesse nascido naquela época. Pois são muitas as coincidências entre as duas, do temperamento explosivo à preferência por meninas. Bessie tinha um arranjo familiar moderno até para os padrões de hoje: vivia na mesma casa (ou trem, pois estava sempre em turnê) com o marido, seu empresário, e a namorada, uma das bailarinas de seu show. "Bessie" termina antes do acidente de carro que a vitimou (eu precisei googlar seu nome para saber o que lhe aconteceu), numa escolha ousada dos roteiristas. Talvez porque não seja a morte trágica o que define esta cantora fundamental para a cultura americana, e que influenciou por tabela a música do mundo inteiro.

6 comentários:

  1. tony é mesmo cultura. ta veno tu? agora entende de acordes, genero musical e coisa e tal. Meu idolo. ai ai.

    ResponderExcluir
  2. O mio babbino caro
    Influenciou inclusive David Lee Rhot ehe

    ResponderExcluir
  3. And HBO strikes again...

    Verei, com certeza!

    ResponderExcluir
  4. E a Queen Latifah que não sai do armário...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela está no armário de vidro.

      Excluir
  5. Gosto dos posts que as bi sem repertório não comenta.

    ResponderExcluir