terça-feira, 23 de junho de 2015

VOCÊ JÁ FOI A ISRAEL, NÊGA? NÃO?

Então vá. Há um nítido esforço de alguns setores da esquerda em demonizar Israel. A única democracia do Oriente Médio e um dos países mais gay-friendly do mundo vem sendo pintado, desde que a direita se aferrou ao poder, no maior vilão de uma vizinhança que inclui o Irã, a Arábia Saudita e o ISIS. Claro que o governo de Netanyahu não é flor que se cheire, e que injustiças terríveis são cometidas todos os dias contra os palestinos. Mas tocar num país não significa aderir ao regime que o governa. E Israel não é a África do Sul, onde o apartheid, com o perdão do trocadilho, deixava tudo preto no branco. Israel são 500 tons de cinza e, repito, uma democracia mais funcional que a maioria das que nos rodeiam. É por isto que Caetano Veloso e Gilberto Gil têm toda a razão em recusar polidamente o pedido de Roger Waters para que não se apresentassem em Tel Aviv. Adorei a carta aberta com que Caetano respondeu a Waters: quase tão boa quanto o pito que ele deu no funcionário que usou errado a crase numa de suas redes sociais. Acho que há muito que se pode fazer para que os israelenses retomem a ideia dos dois estados (ou, melhor ainda, um estado só, com plena cidadania para todos). Mas privar um público provavelmente mais liberal que a média de ver dois velhos baianos não me parece lá muito eficaz.

15 comentários:

  1. Essa questão de boicote a um país é muito complexa. Que nem a questão do desinvestimento em empresas que destroem o meio ambiente. Ao parar de se associar com um país ou empresa, vc o priva de algo, mas deixa de ter uma chance de influenciá-lo.
    Contudo, e se fosse um país exemplar em tudo, mas fosse super homofóbico, um boicote desse valia a pena ou não?

    ResponderExcluir
  2. Essa que se lança contra Israel é a mesma esquerda doente que defende Maduro. https://www.youtube.com/watch?v=OJt8nz3e_8c
    (o vídeo é bem panfletário, mas mostra como o 'bolivarianismo' trata seus gays. É de morrer de nojo!)

    ResponderExcluir
  3. Vou. Ano que vem, se Ele quiser. Com a mamãe. :D

    ResponderExcluir
  4. Shirley Rose (Petista Convicta)24 de junho de 2015 00:54

    Olha, Tony. Veja bem. Nós, nós...nós fomos chamados de "anões diplomáticos" por Israel. A desculpa veio e por isso apoiamos os nossos amigos, mas que demorou, demorou.

    Assim, o Partido dos Trabalhadores tem suas ressalvas. Entenda isso, camaradx Tony.

    Entenda.

    Obrigadx

    ResponderExcluir
  5. Olha, dizem q Israel n é tão legal qto assim. Sim, da pra comparar com a África do Sul, mas Israel é pior pq tem uma GRANDE influência sobre a mídia, eu sou contra as 3 religiões misóginas, sou contra quem é arrogante o suficiente pra achar q Deus fala com ele. Bom mesmo era viver no Antigo Egito.

    ResponderExcluir
  6. http://www.youtube.com/watch?v=-evIyrrjTTY

    This laaaaaannd is MIIINNEEEEEEE
    God gave this land TO ME...



    ResponderExcluir
  7. Não adianta discutir ou ponderar, a esquerda é dogmática, e enxerga tudo por um viés ideológico que, na maioria das vezes, passa bem longe da realidade. #IloveIsrael

    ResponderExcluir
  8. Ah, bom, se é "gay friendly" então pouco importa que boa parte da população viva confinada atrás de uma muralha, sem direito de ir e vir ou a qualquer outra coisa. É uma democracia plena, e em nada se compara ao apartheid, ou aos países vizinhos. Tudo bem. Mas enfim, se é para ficar no tópico "gay friendly", assista "Out in the dark" no Netflix.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ao apartheid se compara sim. Israel construiu uma armadilha para si mesmo, pois a população judia estganou enquanto que a árabe não para de crescer.

      Aos vizinhos, sorry, não se compara mesmo. Nem aos menos tirânicos, como a Jordânia ou o Líbano.

      Eu continuo defendendo a utopia: sonho com um estado único, multinacional, onde judeus, árabes, drusos e outras minorias viam juntos, com plenos direitos e plena cidadania.

      Excluir
    2. Os países vizinhos são terríveis, sim, mas há uma diferença importante: nenhum deles tenta se passar por democracia ocidental. São todos barbáricos, primitivos, fundamentalistas, e têm um orgulho doentio disso. Israel, por outro lado, é igualzinho aos piores deles, mas quer se tratado como se fosse civilizadíssimo.

      Tendo dito isso, volto ao tema principal - a atitude do Caetano & cia. - eu pessoalmente não acredito em boicotes deste tipo, mas acho que alguém com a carreira dele deveria saber melhor onde deve ou não se meter, e pensar se o dinheiro vale mesmo a mancha no currículo.

      Excluir
    3. Você leu a carta-resposta do Caetano? Eu concordo com tudo o que ele diz lá.

      Excluir
  9. Coitado dos judeus que vão ter essas duas porcarias tocando lá, dois idiotas que queriam proibir as biografias, se for enumeras as idiotices desses dois dava pra escrever uma biografia que agora eles não poderiam proibir.

    ResponderExcluir
  10. O mio babbino caro
    A questão toda se passa por Jerusalém indivisível.
    É...imagino que o nó, é a sede do peixe...

    ResponderExcluir
  11. Tanto Israel quanto Irã estão na minha lista de países que quero visitar. Há cidades lindíssimas em ambos países.
    A diferença é que Israel está muito mais próximo de se tornar realidade do que o Irã.

    ResponderExcluir
  12. Não poderia concordar mais. Também acho que existem maneiras mais eficientes pra resolver a questão palestina do que um boicote.
    Caetano que está certo, e qualquer oportunidade de ir pra Israel, principalmente pra Tel Aviv, vá.

    ResponderExcluir