quarta-feira, 24 de junho de 2015

TRANSLUMBRANTE

Ainda nem chegamos à metade de 2015, mas já está claro qual é o tema dominante da cultura pop produzida este ano: a transexualidade. A capa da revista "Entertainment Weekly" confirma a minha tese, mas Laverne Cox (da série "Orange is the New Black") nem é a trans mais badalada do momento. Esta honra vai para Caitlyn Jenner, que está fazendo de sua transição um espetáculo, um negócio e um exemplo a ser seguido. O assunto está presente na TV e no cinema: "Transparent", "Glee", "Sense8", o filme francês "Une Nouvelle Amie" que eu acabei de ver no avião. Mas a onda não começou agora, óbvio, RuPaul está por aí há mais de 20 anos e, aqui no Brasil, Laerte não sai das manchetes desde que se assumiu crossdresser em 2010. Só que nossos transexuais ainda não chegaram ao mainstream. Sim, havia a Valéria do "Zorra Total", mas cadê o personagem numa novela? Não tão cedo, né? Ainda mais agora, depois da grita em torno de "Babilônia" (que, aliás, está retardando a entrada em cena de Rogéria). Pelo menos tivemos a performance de Viviany Beleboni, a trans crucificada da parada gay de SP, que trouxe a polêmica para a luz do dia. E o brilho de Nany People, uma das melhores atrizes com quem eu já trabalhei, period. Não tenha dúvida: mais cedo ou mais tarde, o Brasil também vai transicionar para este novo tempo.

21 comentários:

  1. ihhhh não fala besteira. Esqueceu das participações da Roberta Close? E na novela Filhas da Mãe, a Claudia Raia fazia uma transexual! Tá cacura, mona?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, tivemos tudo isto. O Brasil às vezes parece mais adiantado do que os EUA nesses quesitos, em outras parece estar no século 19.

      Neste momento, tirando os exemplos que eu citei, não há muito mais presença da transexualidade na cultura mainstream brasileira.

      Excluir
    2. Em Geração Brasil, Luis Miranda fez majestosamente uma transexual.

      Excluir
  2. Lea T. não conta? Tivemos a Ariadna no BBB também - que agora está com um canal no Youtube de viagens. Mega celebridades não tem até pq quais são as do Brasil, de fato?

    ResponderExcluir
  3. Ué Tony achava que vc não entendia de assuntos relacionados a trans e travestis, principalmente quando evitou a tudo quanto é custo falar que o espancamento da Veronica Bolina foi o que realmente é: uma atrocidade motivada pela transfobia dos agentes prisionais. Até nos comentários vc se esquivava.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu me interesso sim, e muito, por tudo o que tem a ver com transexualidade.

      Sempre achei uma atrocidade o que fizeram com a Veronica Bolina, e disse isto nos comentários. Mas não quis fazer um post a respeito, porque muita coisa não estava clara naquela semana em que o caso foi notícia.

      Alguns sites pintaram Veronica como uma mártir, quando na verdade ela atacou barbaramente uma idosa, sob o efeito do crack. Quase matou a velha, e à toa. Claro que isto não justifica o que a polícia fez depois, que foi transfobia mesmo.

      Excluir
    2. Anônimos têm memória boa e ironia na ponta da língua!

      Excluir
    3. Ah se todos os brasileiros fossem como esses anônimos, não? Que país delicia seria o nosso.

      Excluir
    4. O Tony tb ta de parabens, nao se intimida de revisitar um tópico já falado antes se não houve consenso antes. Essa é uma das razões que gosto do blog. Aqui a discussão é boa.

      Excluir
  4. A Rogéria já fez outras participações em novelas e atuou no elenco fixo de uma delas interpretando uma mulher. Ela fez a mãe de Maria Padilha e avó de André Arteche na novela 'Lado a Lado' da Globo.

    ResponderExcluir
  5. Teve a Buba em Explode Coração, lembra? Mas isso foi antes das lésbicas de Torre de Babel serem explodidas.
    Pelo menos teve uma abordagem séria

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Buba foi em Renascer, de 1993. E ela era hermafrodita. Não é necessariamente trans, eu acho.

      Excluir
    2. Dani, erro duplo inadmissivel pra alguém que sempre tem a ultima palavra sobre tudo. Confundir hermafrodita com transexual e Renascer com Explode Coração é bem grosseiro pra alguém que sabe até da programacao de festivais do solstício de verão na Suiça.

      Excluir
  6. A Nany está mesmo mostrando a atriz que é na série, merecia que tirassem todo mundo e só ficasse ela e o tom, os únicos ali merecedores e talentosos. Os outros merecem respeito, mas não da pra fingirmos que os achamos bons.Gritar não é atuar.

    ResponderExcluir
  7. O Brasil parece adiantado às vezes, porque é um país hipócrita. Tudo pode, mas ao mesmo tempo se levantar bandeira = porrada. Carnaval é um bom exemplo disso. Tanto é assim que inspirou o clássico "Além do Carnaval", do americano James Green.

    ResponderExcluir
  8. O mio babbino caro
    " Ariadna (homem!) são consideradas material playboyano"...Ariadna homem?! Ai, ai, ai, Tio Tony. Somos todos aprendizes.
    Meninas, a passarela é de vocês.

    ResponderExcluir
  9. Tem uma trans na atual temporada de Penny Dreadful. E ela namora o Dorian Grey.

    ResponderExcluir
  10. RuPaul não é transexual. É drag queen.

    ResponderExcluir
  11. Cadê o update no blog. As bichas deram vários exemplos até se 2014. Sabe tão pouco de tranS que escreveu bobagens

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Puxa vida, mas que anônimo chato!

      Excluir