domingo, 28 de junho de 2015

FILME CABEÇA


Quando eu era pequeno, passava na televisão um programa chamado "Disneylândia", que reembalava antigos desenhos e curtas-metragens dos estúdios do Mickey. Um dos que mais me marcou foi "Razão e Emoção", onde essas duas entidades duelavam dentro da cabeça das pessoas para assumir o controle. Tenho certeza que este clássico (que está logo mais abaixo em todo seu esplendor original) serviu de inspiração para "Divertida Mente", desde já um dos melhores filmes da década. Esta nova obra-prima da Pixar é uma delícia do começo ao fim, com piadas sensacionais e um "insight" verdadeiro sobre como funciona o cérebro humano. Por isto, apesar de ser voltada para as crianças, só os adultos conseguirão usufruir totalmente. Fiz questão de assistir à versão original, porque queria escutar a voz de Phyllis Smith como a Tristeza. Lembra dela? A gorda de "The Office", um prodígio de under-acting naquela série e que aqui encontra o papel de sua vida. Só lamento que uma das minhas emoções favoritas, o Nojinho, apareça tão pouco. Quem sabe daqui a pouco ela ganha um filme só para ela?

12 comentários:

  1. Não curti, Tony!
    É um filme bem construído e com ótimos momentos, mas achei o tom do filme muito melancólico, muito pra baixo, quase angustiante.
    Talvez essa tenha sido a intenção, já que assim é a mente humana.
    Mas o filme não se decide se quer ser um filme "infantil" ou uma animação pra adultos.
    Ficou em cima do muro.
    A "alegria" que se espera desse tipo de filme mais parecia um otimismo desesperado, diante de tantas outras emoções pesadas que os roteiristas colocaram em cena ao mesmo tempo.
    Não achei uma obra-prima, achei um filme nota 6,5 ou 7 ...

    ResponderExcluir
  2. Adoro esses filmes antigos da Disney (feito à mão). Id, ego e superego pra crianças (mas com ego e superego amalgamados no original). E propaganda anti-nazista marca registrada dos filmes da Disney da época da guerra. Mas o filme engasga no meio e não continua mais. É só comigo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daniel, n sei se conseguiu ver td o video, mas segue abaixo o link...
      Engasgou mesmo, o link disponibilizado pelo Tony.

      https://www.youtube.com/watch?v=nvp3zAPraF4


      Vgn

      Excluir
    2. Obrigado, troquei o link. Tomara que agora vá. Não pus este antes porque achei que o som do outro era melhor.

      Excluir
    3. Obrigado! Agora deu pra ver.
      Mesmo como peça de propaganda, é um curta bem legal. Melhor que aquele do Pato Donald tendo um pesadelo.

      Excluir
  3. Faça um post, agora q n tem mais capricho o q vai acontecer com a blogueira da capricho?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vai ser mais barrada nos lugares do que já é! kkkk

      Excluir
  4. Tony,

    Quem sabe você consegue me tirar uma dúvida. Tive a impressão de ver um personagem assumidamente gay perto do final da história, quando dentro da mente da Mãe a esfera com o galã sexy atlético é descartada. Um personagem masculino agarra a esfera, olha para a câmera, dá uma piscada e diz com olhar de cumplicidade e cheio de esperança (na versão em português): "vai que??!" e sai correndo com a esfera embaixo do braço.

    A cena é bem rápida e não achei menção a ela em nenhum lugar. Será que só eu ví assim?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uia, não reparei nesta cena. Mas acho bem possível. Os gays estão dominando o mundo...

      Excluir
    2. Eu acabei de sair da sessão. Na verdade, é o Medo da mãe que guarda a esfera da lembrança e diz: "vai que??!"

      Excluir
  5. tb achei meio marromeno. Ainda quero o deslumbre de um rei leão. Será q é pq é shakespeare? só toy story chegou perto.

    ResponderExcluir
  6. Tony, estou apaixonada pelo seu blog. Essa diversidade de temas é deliciosa. Virei fã. bjss

    ResponderExcluir