quinta-feira, 25 de junho de 2015

CRISTIANO QUEM?

Ontem foi um dia trágico para os milhões de fãs de Cristiano Araújo, que morreu ao lado da namorada num acidente de carro no interior de Goiás. Também foi um dia curioso nas redes sociais: em muitas timelines, o que não faltava era gente se perguntando quem era o falecido cantor sertanejo. Esse descompasso fez com que a Folha me sugerisse um texto para o F5, que acabou saindo também no caderno Cotidiano, na versão impressa do jornal. Tive que escrevê-lo correndo, em cima da hora do fechamento, pois passei quase a tarde toda numa reunião do trabalho. E acabei cometendo uns errinhos: alguns foram corrigidos a tempo, mas um outro permaneceu, bem na abertura da coluna. Hoje de manhã mandei uma nova versão para ser publicada online, e o resultado é que, neste momento, as duas estão no ar no F5: a primeira, igual à do jornal, está aqui, e a segunda, aqui, com alguns acréscimos. Mas o pensamento por trás de ambas é o mesmo: como é que pode, um sujeito se tornar um ídolo para tantas pessoas e passar batido para outras tantas? Politica e culturalmente, o Brasil está se tornando muitos países  num só - mas será que isto é necessariamente ruim? O que você acha?

ATUALIZAÇÃO: Agora só a versão mais recente do texto está no ar no F5. Mas a antiga ainda pode ser lida no site da Folha e na versão impressa do jornal.

58 comentários:

  1. Somos um país de dimensões continentais e quase sempre nos deparamos com situações como essa. O bairrismo vivido em todos os segmentos é o resultado de se viver país assim, uma pena que as vezes tenhamos que passar por situações trágicas para conhecer pessoas incríveis como o Cristiano.

    ResponderExcluir
  2. "According brazilian media, the idol Cristiano Araujo was a country singer behind the phenomenal hit "Bará Bará Bará Berê Berê Berê" ‪#‎QuemEraOCantô‬ ‪#‎cristianoaraujo‬

    ResponderExcluir
  3. Eu li uma matéria, não lembro onde, que falava que um fator que ajuda para criação dessas "bolhas culturais" é o fato das grandes gravadoras terem sensivelmente perdido seu poder. Houve um "boom" de gravadoras menores produzindo material de qualidade e distribuindo pela Internet, levando ao sucesso artistas sem precisar da ajuda de rádios, imprensa ou TV. No interior, é comum a venda em grande quantidade de CDs de artistas locais, de uma determinada região, mas que são desconhecidos nas capitais.
    É uma tendência que tende a ficar mais aparente com a adoção de serviços de streaming. Veja um exemplo no Spotify: um DJ chamado Kygo, que sequer aparece na parada da Billboard, mas seu último hit "Stole The Show" está em sétimo na parada mundial do serviço que tem cerca de oitenta milhões de usuários.
    E este é um fenômeno que tende a se tornar cada vez mais comum. Teremos menos estrelas de peso como uma Madonna ou Beyoncé e uma ascensão de desconhecidos, muitos dos quaisb irão sair da bolha de seu nicho e conseguir algum sucesso além dela.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O nicho somos nós. Cristiano Araujo é o Brasil. No linguajar digital que o nicho aqui entende é o tal "aceita que dóis menos".

      Excluir
    2. Lourival, sabe que está acontecendo exatamente o contrário? Desde que a internet cominou o mundo, cada vez MENOS artistas estão emplacando sucessos. E esses sucessos tendem a ficar mais tempo no topo das paradas. São sempre os mesmos que chegam ao primeiro lugar: Beyoncé, Katy Perry, Rihanna... Antigamente existia maior diversidade. Curioso, não?

      Excluir
    3. Sim, mas a internet é projeto da CIA, lembra do Snowden as redes sociais estão aí pra impedir a mobilidade social, eu tive uma amiga q começou a trabalhar numa agência de publicidade e no primeiro dia chamaram ela de PUTA por estar tendo um caso com um ex professor (fica a dica foi colega sua) como sabiam? Ela tinha publicado uma foto da agência no Instagram. Bem vindo a dominação 2.0

      Excluir
    4. A cauda longa sempre foi uma mentira

      Excluir
    5. Cristiano Araújo dominou as execuções das rádios no país em dois anos consecutivos (2013 e 2014), então acho que o raciocínio do anônimo ali em cima está correto: o nicho somos nós.

      Excluir
    6. Não acontecia Tony, mas observe: Beyoncé, Katy Perry e Rihanna há tempos que não colocam uma música na primeira posição da Billboard. E também sofrem para estar presentes no Top 20. Eu acompanho toda a semana a Billboard e as paradas européias. De um ano e meio para cá tem caído bastante a presença delas e de outros. Porém você nota a presença mais constante de Meghan Trainor, Ariana Grande, Mark Ronson...artistas que inclusive dão apoio público aos serviços de streaming. Exceção à regra é a Vaquinha (Taylor Swift)

      Excluir
  4. O mio babbino caro
    Com um certo orgulho envergonhado, não tinha a menor noção que esse cara existia, ou não pode se referir assim porque o cara morreu. Estamos no Brasil. Agora, a mídia é canalha e manipula a comoção social a seu bel-prazer e da forma mais sórdida para atingir seus escusos interesses, afinal são as tais nove famílias que detêm o monopólio da informação Nacional. Por exemplo, oque acontece nos programas policiais do inicio da noite é uma covardia para com uma população analfabeta funcional, onde todos nós saímos perdendo. Mas quando é de seus interesses, são desonestos o suficientes para não dar um pio, ou citar uma linha, todos nós conhecemos os momentos quando essas atitudes se deram. Oque isso revelou, é que o país não deve estar em situação tão dramática ou está numa situação tão dramática que um fato desse é imposto e cataliza o país.

    ResponderExcluir
  5. Eu acho ótimo, Tony.
    Gays, roqueiros, trans, noveleiros, intelectuais, sertanejos...
    Cada um de nós vive em tribos de pessoas que pensam igual, que curtem as mesmas coisas...
    Sentir-se parte de uma tribo é algo que não tem preço.
    E o Brasil tá cheio de tribos e turmas diferentes, e parece que recentemente essas tribos tem estado mais abertas pra ver, respeitar e até curtir um pouco das outras tribos, por menos que haja uma identificação entre elas.
    É medíocre chamar de "brega" ou "esquisito" ou "indigna" a outra turma só porque é diferente da sua...
    O diferente é sempre mais!
    Sempre.

    ResponderExcluir
  6. Não vi diferença alguma nos dois textos. Em comum, o exagero de falar sobre abismo cultural. A fantasia de um Brasil igual sempre foi uma das nossas maiores infantilidades pra nos vendermos como um povo evoluído. Piada pronta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agora no F5 está disponível apenas a versão corrigida. Mas a antiga ainda está no site da Folha, caderno Cotiidiano.

      Excluir
  7. Acho que existe um problema muito sério de divisão cultural, mas mais ainda de ter pessoas de alguns estados do Brasil onde o sertanejo tem relevância (Sul, Centro-Oeste e São Paulo) que acham que o sertanejo é a música brasileira e só ele. Poupem-me.

    Sertanejo é entretenimento, assim como música pop. Música mesmo, que rende gerações, que é eternizada, corresponde aos gêneros de bossa nova, samba, choro, forró, dentre outros. Sertanejo é altamente inspirado pela música comercial americana, inclusive nos "vibratos" (inexistentes na música brasileira praticamente".

    Fico triste por sofrer preconceito por ser carioca e não saber nada de sertanejo (que não entra nessas terras) e ao mesmo tempo saber que quem tem esse preconceito sequer sabe o que é música brasileira de qualidade. Inversão de valores mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em compensao o Rio é cheio de pagodes e funks e modismos idiotas....
      O Rio no passado já foi muito charmoso com musicas e tendências e tudo mais....mas atualmente só lixo...

      Excluir
    2. kkkkkkkkkkkkkkkk cariocas não perdem a oportunidade de destilarem sua inveja dos paulistas... e olha que o post é sobre um goiano!

      sertanejo não entro no rio porque o funk, o pagode e a preta gil não deixam!

      Excluir
    3. "Bará bará bará, Berê berê berê
      Bará bará bará, Berê berê berê berê
      Bará bará bará, Berê berê berê
      Cristiano Araújo fazendo bará, berê

      E quando eu te pegar, você vai ficar louca
      Vai ficar doidinha, doidinha dentro da roupa

      Quando eu te pegar vou fazer diferente
      Tenho certeza vai pirar a sua mente

      A bebida tá subindo a cabeça enlouquecendo
      O clima tá esquentendo so vai dar eu e você
      Pra gente então fazer

      Bará bará bará, Berê berê berê
      Bará bará bará, Berê berê berê
      Bará bará bará, Berê berê berê
      Bará bará bará, Berê berê berê."

      Letra de "Bará bará berê berê"

      Isso é cultura? Oi?

      Isso é entretenimento.

      Não falei nada de SP! Adoro São Paulo!

      Excluir
    4. Joao não faz o idiota por favor... vc quer realmente que eu se coloque a letra de funks e pagodes aqui??

      Excluir
    5. Vai ouvir Preta Gil, João. Agora vem dizer que não falou de São Paulo? Não vem fazer a maluca aqui não. Respeite a supremacia paulistana! ;-)

      Excluir
    6. Supremacia? Com as mesmas calçadas esburacadas e ruas estilo terceiro mundo? Na boa, sinal de desenvolvimento é pavimento liso e rua bem acabada.

      Excluir
    7. Tenho certeza que não é pras calçadas esburacadas que essa cariocada paga pau aqui em São Paulo. Aliás, eu nem sabia que ainda tinha isso por aqui.

      Excluir
  8. Mas essa "Bará Bará Bará Berê Berê Berê" não era daquele Leo Rodrigues que participou da última Fazenda?
    Parece que esses Sertanejos Universitários cantam as músicas de sucesso uns dos outros, por isso é que seus shows atraem tanta gente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, era. Muitos cantores sertanejos gravaram essa música, que ganhou nomes e grafias diferentes. Mas é a mesma m...

      Excluir
    2. A musica que consagrou a carreira de Cristiano Araujo é a Efeito (Cristiano Araujo e Raynner).
      O problema nao é em ele nao ser conhecido por milhoes mas sim a falta de respeito pelos milhoes que o conheciam e o amavam.
      Eu nao sou uma grande fã de música sertaneja, funk, pagode e etc.
      Gosto de rock e nao conheço todos os cantores(as) e bandas, então acho que ninguem agrada a todos, mas a questao n é essa, e sim ele tinhha milhoes de seguidores, uma pagina do facebook atingiu o numero maximo de seguidores e teve que fazer outra que tem 7,6 milhoes de seguidores.
      As pessoas que o conheciam sabia como ele era, humilde, bom filho, amigo.
      E os cantores sertanejos que prestaram homenagem a ele o fizeram de coraçao. Leonardo, Eduardo Costa, Thiago Brava, e demais conviviam com ele e conheciam como muitos nao o conheciam.
      A multidao que esteve no seu velorio e enterro a grande maioria era pq o conheciam e o amavam.
      Sensacionalismo existe ha muito tempo, so nao entendo o questionamento pela repercursao e homenagem que Cristiano Araujo recebeu. Nao cabe a nós julgarmos se ele era tao importante se merecia ou nao tudo isso.
      Mas sim respeitar a dor da familia e de quem o conhecia. E tem vários comentários desnecessarios.
      Vamos pensar mais, respeitar mais antes de julgarmos e atacarmos.

      Excluir
    3. Renata, não há desrespeito nenhum à dor da família ou à dos fãs achar que morte de Cristiano Araújo não merecia 30 horas de cobertura no ar. Gente BEM mais importante do que ele morreu sem receber tal tratamento. Só isto.

      Excluir
    4. "Eduardo Costa, Thiago Brava, e demais conviviam com ele e conheciam como muitos nao o conheciam."

      Quem?

      Excluir
  9. Acho que os dois links estão levando à mesma versão, falando em "julho de 2013".

    E eu nunca tinha ouvido falar em Cristiano Araújo. Impressionante mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A versão antiga ainda está dando sopa no Folha Online.

      Excluir
  10. O povo brasileiro foi tomado por esse fenômeno humano chamado solidariedade. Viram o sofrimento e abriram o coração, orando, chorando, respeitando e estiveram ao lado dos familiares, amigos, etc, com compaixão.
    A mídia pode aumentar, endeusar, transformar em celebridades, etc, mas é chocante demais ver um casal tão jovem ser colhido pela tragédia subitamente.
    Somos todos humanos e sofremos pelas dores.
    Alguns dão conta de forma melhor, outros enlouquecem, suicidam-se, etc.
    Tenhamos respeito pelo menos...

    ResponderExcluir
  11. Bom, eu tb foi dos que se surpreendeu... mas achoque sua analise foi perfeita!

    ResponderExcluir
  12. Você usou palavras bonitas e extraiu um bom pensamento, com toda certeza acrescentou alguma coisa para quem não conhece o trabalho do Cristiano ou para quem não se sensibilizou com a morte dele, por outro lado, nada acrescenta ou alivia para quem sofre com a morte do Cristiano Araújo nesse momento de tanta tristeza. Em um dos seus comentários, aqui em seu blog, você diz que a música do cantor é uma “m...”, isso e aquilo, e revela sua antipatia pelo gênero musical do cantor. Isso me faz enxergar sua matéria de forma parcial e tendenciosa, buscando audiência, tanto quanto as emissoras de televisão buscam ao dar ênfase a tragédia do cantor... Na realidade, é apenas o sujo falando do mal lavado e ambos visando o mesmo: lucrar e ter audiência.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jaque, eu realmente DETESTO quase tudo que vem do universo sertanejo. Isto não significa que eu não respeite quem gosta, nem que eu ache que o que aconteceu ontem não foi uma tragédia, Claro que foi: dois jovens com a vida inteira pela frente, morrendo por nada...

      Eu procurei analisar o fenômeno do país estar dividido quanto a este fato: uns choram, outros nunca tinham ouvido falar. E houve, sim, uma tenttiva das emissoras de TV aberta de faturar com o drama, porque dá audiência (e deu).

      Mas meu gosto pessoal não invalida a minha análise. Eu estou do lado dos que não gostam desse tipo de música e nem conhecia Cristiano Araújo. Não é sua morte que vai me fazer gostar: até ouvi algumas coisas hoje, e achei tudo uma merda mesmo. Sem pontinhos no final.

      Excluir
    2. JAQUE POR FAVOR "Bará Bará Bará Berê Berê Berê" é um poema, um dadiva, um musica atemporal...não ligue para o tony...ele é apenas antipático...imagina achar essa pérola ..."Bará Bará Bará Berê Berê Berê" uma merda!!!

      Excluir
    3. Tony merda tem em todo lugar, rock, pop, sertanejo. Até na existência humana tem uns merdas. A folha pediu, você escreveu! Aliás sobre quem não conhecia nem o sobrenome. É bacana, mas quem faz o sucesso do artista é o público que gosta, que dá audiência e hoje quem faz sucesso no Brasil é o sertanejo, amanhá pode ser outro gênero e por ai vai.

      Excluir
    4. Sério que tem mimimi reclamando que colunista e blogueiro foi parcial e tendencioso em sua "matéria"?

      Excluir
    5. Tony você de fato analisou o fenômeno, mas você deixou nas entrelinhas de sua matéria uma aversão negativa ao estilo sertanejo e esse foi seu erro: ter sido parcial. Você dá a entender que o abismo cultural é algo extremamente negativo pelo simples fato de uns quase surtaram com a morte do cantor e outros chegaram ao ponto de ironizar por nunca terem ouvido falar dele. E por que isso precisa necessariamente ser algo negativo? Por que essa diferença cultural é de fato ruim? Cultura musical é aquilo que sedimenta em grupos, uns gostam de sertanejo, outros de funk, outros de rock, bolsa nova, e por aí vai, existe um abismo cultural sim no Brasil e que bom!! Imagine se todos fossem iguais e gostassem todos das mesmas músicas e das mesmas coisas?! O fato é que você foi tendencioso, dando a entender que essa diferença cultural é ruim. Seu gosto pessoal definitivamente invalidou sua matéria, pois você fez transparecer em sua matéria que essa diferença cultural é algo negativo, sendo que não é. O cara era sim conhecido do grande público sertanejo, gostem os que se dizem cultos ou não! Será que é realmente o dito “abismo cultural" que deve ser discutido; ou a falta de generosidade dos seres humanos que se incomodam até com a dor e sofrimentos alheios, simplesmente por se tratar de um cantor de estilo sertanejo?

      Excluir
    6. Jaque, você leu o final deste post?

      "Politica e culturalmente, o Brasil está se tornando muitos países num só - mas será que isto é necessariamente ruim? O que você acha?"

      Veja que eu não estou emitindo juízo de valor. Que o Brasil é dividido culturalmente, é verdade - caso contrário não haveria tanta gente que não conhecia o Cristiano Araújo, e isto é um fato. Não é "culpa" delas não conhecer o cara. E mesmo gente que não conhecia se comoveu com a morte dele, um rapaz tão jovem numa circunstância tão trágica.

      O fato de eu não gostar de música sertaneja não tem nada a ver. O abismo existe, é só olhar nos comentários espalhados pela internet.

      O curioso é que muitos fãs do sertanejo se "ofenderam" com a ignorância dos não-fãs. Hoje a internet está em chamas por causa do que disse o Zeca Camargo, em linhas gerais bem parecido com o que eu disse. Ali não havia ofensa ao gosto de ninguém, e se crítica havia, era à a comoção que a morte do rapaz causou em quem nunca tinha ouvido falar dele. A mída fez um escarcéu desproporcional à importância de C.A. (escarcéu que não fez quando morreu José Wilker, Paulo Goulart, etc.), e isto em troca de audiência. Deu certo: a audiência subiu.

      As diferenças culturais existem, e só são ruins quando embarcamos num concurso para saber qual é a melhor. Vamos viver e deixar viver, é o que eu digo.

      Excluir
    7. Aqui em seu blog, nesse post, você de fato deixou a indagação ao final, sem emitir juízo de valor, mas poucos tem acesso ao seu blog Tony. Mas minha crítica não é referente a esse post, mas sim à sua matéria da Folha, pois nela você é parcial sim e deixou transparecer que o abismo cultural é algo negativo sim, sendo que isso não é verdade. Na sua matéria da folha você não deixou nenhuma indagação, ao contrário, lhe faltou a coragem de dar a cara a tapa igual ao Zeca Camargo, e emitiu pelas entrelinhas da sua matéria que o abismo cultural é algo negativo. Em relação ao Zeca Camargo, bem, ele foi tão infeliz quanto você, a grande diferença é que o Zeca Camargo é conhecido e ele deu um tiro no próprio pé ao falar que a mídia é insana e que as pessoas que deram audiência a morte do Cristiano Araújo são de "alma cultural pobre", sendo que ele trabalha e se sustenta justamente dessa mídia insana, sendo que ele pretende apresentar um programa que vai entrar justamente nas casas dessas pessoas de "alma cultural pobre", irônico não? Mas o Zeca Camargo está tendo a retaliação dele, nem vem ao caso... O importante disso tudo é que em um ponto concordamos: as diferenças culturais existem (que bom!), e essa deveria ter sido a conclusão na sua matéria para a Folha, mostrando a sua imparcialidade, mostrando que as diferenças culturais existem e só são ruins quando embarcamos num concurso para saber qual é a melhor, mas sabemos que não foi assim que você a terminou, sabemos que você deixou transparecer uma crítica ao sertanejo, ao Cristiano Araújo, você fez questão deixar algo negativo rolar, e é a isso que me refiro. Mas relaxa, vamos viver e deixar viver ;)

      Excluir
    8. Daqui a pouco deve subir no F5 uma coluna minha comentando essa polêmica em torno do Zeca. Ele foi mal compreendido, e eu parto em defesa dele.

      Bom, Jaque, acho que vc entendeu minha ideia: a divisão cultural existe sim, e não é ruim por si só. Ruim é quando achamos que só o nosso lado é o que vale. Eu pessoalmente detesto sertanejo, mas nem por isto desemreço o valor cultural e comercial do estilo.

      Veja minha coluna de hoje no F5! No ar daqui a pouco. Bjs

      Excluir
    9. Coitadinho do Zeca, mal compreendido, judiação... Duvido muito que nessa sua “defesa” ao Zeca, você tire essa sua parcialidade sobre o seu gosto musical sertanejo, afinal como você mesmo disse: “eu pessoalmente detesto sertanejo, mas nem por isto desmereço o valor cultural e comercial do estilo”, imagina se você desmerecesse ein?! Mas vamos lá, vamos ver os próximos capítulos dessa novela. Bjs.

      Excluir
    10. Leia a coluna antes de criticá-la, Jaque.

      E não é pecado nenhum não gostar de alguma coisa. Pecado é querer forçar os outros a gostar.

      Excluir
    11. Tony, não estou pecando, pois não estou forçando ninguém a gostar de nada, não veja por esse lado. Leia todos os meus comentários, em nenhum momento eu disse que gosto ou não gosto de sertanejo, em nenhum momento me posicionei a favor ou contra esse estilo musical, tampouco estou pedindo para gostarem ou não do estilo, isso foi o que você interpretou. Mas minha crítica girou tão somente no fato de que você fez sua matéria transparecer que o abismo cultural é algo negativo, sendo que não é. Depois que entrei em seu blog e vi seus comentários de que "sertanejo é merda", de que você detesta sertanejo, entendi porque sua matéria emitiu uma mensagem negativa em relação a diferença cultural. É apenas em relação a isso a minha crítica, se você gosta ou não de sertanejo, tanto faz, o fato é que o seu gosto deixou sua matéria parcial.

      Excluir
    12. E qual o problema de ser parcial? A minha é uma coluna de opinião, e opinião é sempre parcial. Eu não sou jornalista, não sou repórter, não estou reportando um fato. Não preciso ter isenção, porque estou emitindo uma opinião - que é sempre parcial, sempre subjetiva, sempre de um ponto de vista.

      Excluir
    13. Não tem problema nenhum em ser parcial Tony, aliás, desde a primeira leitura de sua matéria eu percebi essa parcialidade (aversão ao sertanejo), tanto que meu primeiro comentário nesse post foi justamente isso, de que a sua aversão pelo sertanejo me fez enxergar sua matéria de forma parcial e tendenciosa, deixei bem claro que enxerguei sua parcialidade desde o meu primeiro comentário... O fato é que essa parcialidade, ou seja, o fato de você detestar música sertaneja, que isso o que está nas entrelinhas de sua matéria, fez com sua opinião sobre abismo cultural soasse como algo negativo, sendo que a diferença cultural não é algo negativo, ao contrário, ainda bem que existe essa diferença cultural e cada um pensa de um jeito. E convenhamos, a partir do momento que um colunista emite uma opinião, óbvio, que será objeto de críticas, elogios e análises, e essa foi minha análise sobre sua matéria: pra mim foi parcial e tendenciosa, e ao final de tanto debate aqui nos comentários, cada vez me convenço mais disso, e tudo bem, você não precisa tentar me convencer de nada, se eu estou certa ou errada, sou apenas uma leitora, vamos relaxar e continuar a vida normalmente ok?

      Excluir
    14. Filha, isso não é MATÉRIA, é POST DE BLOG. Não é JORNALISMO, é OPINIÃO. É parcial por definição. Assim como seus comentários também são.

      Aliás, vocês já repararam que as viúvas do famoso desconhecido sempre dizem que não são fãs de sertanejo? Me parece que rola uma vergonha de assumir. Ninguém quer ser homofóbico, racista e nem fã de sertanejo. MAS... ;P

      Excluir
    15. Nelson (meu pai), eu li a matéria do link no post, uma matéria jornalística sim (Folha), li e de pronto achei ela parcial, tendenciosa, na qual o Tony me repassou uma conclusão negativa em relação a diferença cultural, sendo que essa diferença cultural não é algo negativo, ao contrário, ainda bem que essa diferença existe e existem pessoas tão diferentes uma das outras, e acho de verdade que o Tony repassou esse negativismo em sua matéria porque seu gosto pessoal (detestar sertanejo) ficou nas entrelinhas da matéria dele... E depois desse diálogo com ele aqui nos comentários, eu apenas me convenci ainda mais disso. E apenas deixei aqui minha opinião.

      Por que eu tenho que rotular/afirmar que gosto ou deixo de gostar de sertanejo para emitir essa opinião? Não faz qualquer sentido...


      Excluir
    16. Jaque, vocie leu minha última coluna no F5? Você se encaixa direitinho...

      http://f5.folha.uol.com.br/colunistas/tonygoes/2015/06/1649205-por-que-os-fas-de-cristiano-araujo-se-ofendem-com-quem-nao-o-conhecia.shtml

      Excluir
    17. Tony, ontem pediu para eu ler sua matéria, hoje me perguntando de novo, entendo que você acha importante que eu leia sua matéria, e para sua felicidade ou não: eu li sua matéria ok?! Não sei onde você acha que eu me encaixo, mas estou a disposição se quiser me apontar alguma coisa... Li, mas infelizmente nada de positivo me acrescentou Tony. Na boa, você só defendeu o que o Zeca Camargo já havia publicado, e o que de positivo isso acrescenta ao leitor? Ao ler me deu a impressão de que você apenas quis comentar essa situação para alfinetar, para se aparecer as custas de um jornalista que tem um pouco mais de publicidade que você... O mais irônico disso tudo é ver que tanto você quanto o Zeca Camargo, ditos “jornalistas”, criticam tanto a cobertura dessa “mídia insana” em relação a morte do Cristiano Araújo, sendo que vivem exatamente dessa mesma mídia insana, trabalham justamente para essa mídia insana, irônico não?! Por isso digo e reitero meu primeiro comentário aqui em seu post, é apenas o sujo falando do mal lavado, e ambos visando a mesma coisa: audiência, lucro, publicidade, falatório, debates... Mas em um ponto finalmente concordamos: isso só mostra mesmo que estamos realmente diante de um abismo cultural, e que bom, ainda bem que existe essa vasta diferença entre todos, se todo mundo fosse igual pensasse igual, tivesse gostos iguais, seria tudo muito chato.

      Excluir
  13. Essa música é brincadeira para bêbado ou não, qual problema. A mulekada adora funk, o show do Caetano foi o maior público da Virada em São Paulo. BIM BOM.

    ResponderExcluir
  14. Hipocrisia sim mais o mundo é assim tudo hoje da dinheiro até cobertura de velório mais o que importa Cristiano Araujo pode não ser tão conhecido assim mais por pouca parte do mundo e do Brasil.
    o que posso dizer ja curti muito samba e muito pagode agora mudei pro sertanejo o mundo da musica é como nossas vidas tem seus altos e seus baixos o Brasil é um pais de diversidade tem de tudo Brasil Pais de preconceito de raças de cores porque será?Sertanejo pode não ser um dos melhores ritmos mais esta longe de ser tão baixo quanto o funk ritmos bem diferentes cada um conhece o que quer ouvi o que quer até quando o Brasil vai ser esse Pais de desigualdade e de desumanidade.
    Adeus Cristiano Araujo não importa o que vc tocava mais sim a sua luta a sua história a sua trajetória para conquistar seus sonhos eu como muitos outros choramos a sua perda.

    ResponderExcluir
  15. Só não conhecia Cristiano Araújo pessoas que vivem no passado, que acham que sertanejo é brega, que só sabem criticar o Bará Barê, que nem se dão ao trabalho de ver outras músicas dele repletas de sentimento. Pessoas que não sabem que das 10 músicas mais tocadas no Brasil 9 são sertanejas (esse assunto até foi tema de questão do ENEM 2014 e matéria do Fantástico)..enfim...pessoas elitistas, preconceituosas e desatualizadas....Na grande maioria dos shows sertanejos, os cantores em algum momento cantam músicas de rock, pop, etc. Há até uma certa troca de experiências entre rock, funk e sertanejo...o preconceito mesmo persiste do rock para com outros estilos...ou vão me dizer q vcs já foram em um show de rock e a banda tocou um pagode ou um sertanejo???....jamais!!! ...eles detestam... por quê?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só fui ouvir o cara depois que morreu e não gostei. Me processe!

      Excluir
  16. Nossa Jaque você está sendo chata sabia?!Eu conhecia o Cristiano Araújo apenas pelo nome e acredito que como muitos aqui ao saber do seu falecimento a primeira coisa que fiz foi pesquisar e saber quais eram as músicas que ele cantava e c consagrou como artista.
    Fiquei triste ao perceber que a grande maioria não entendeu ou não soube interpretar a crônica do Zeca Camargo. Gente, ele não disse nada que não fosse verdade e eu concordo com ele e com o autor da coluna que realmente o espaço que este acontecimento ganhou na mídia foi muito exagerado!
    Minha opinião sobre tudo é que realmente o fato do Cristiano ter morrido pegou todos de surpresa, pois além de cantor ele era pai, jovem e uma pessoa que estava batalhando e correndo atrás dos seus objetivos, mas falar que a sua morte foi uma grande perda para a música brasileira (como algumas pessoas estão dizendo), me desculpe mas eu não partilho deste sentimento. E não, não concordo com os fãs que ofenderam-se com o que o Zeca Camargo disse, muito mimimi pro meu gosto. E sim, estou do lado do Zeca Camargo (pois ele expressou a opinião dele) e do escritor desta coluna.

    ResponderExcluir

  17. Juliana, se você classifica alguém como chato ou legal apenas por comentários em um post de blog, definitivamente precisa reaver seus conceitos. Mas independente disso, não há necessidade do Zeca ou qualquer outro jornalista querer criticar tanto o que a mídia fez, sobretudo porque vivem justamente dessa mídia. Não faz sentido, é irônico. O trabalho da mídia é justamente esse, ela dá ênfase a tudo que dá audiência, isso acontece desde que a mídia é mídia. Se as pessoas quiseram assistir e dar audiência para essa “mídia insana”, que mal há nisso? Quem não estava interessado que desligasse a TV, que se desconecte da rede social e pronto, assim como eu fiz. Ninguém precisa viver alienado da mídia, até porque daqui a pouco isso vai acontecer de novo, com outra pessoa, outro assunto, isso nunca terá fim, e que mal há nisso? Pra que criticar tanto? Se pelo menos criticassem, mas em contrapartida, acrescentassem algo de positivo, tudo bem, mas isso não acontece. Qual é o objetivo desses jornalistas? Fazer todos os fãs ou não fãs refletirem sobre a cobertura da mídia? A maioria reconheceu isso, ok, de fato houve uma cobertura enorme da mídia, e daí? Por que aproveitar e atacar a cultura brasileira (que abrange o sertanejo)? Por que falar de diferença cultural, como se isso fosse algo ruim? Por que desmerecer o trabalho do Cristiano, afirmando que o que a mídia fez isso porque que não há ídolos no Brasil? Isso é ignorar pessoas como Gabriel Medina, Laís Souza, e tantos outros por aí nesse Brasil a fora... Pra que subestimar os ídolos brasileiros? Pra que subestimar o trabalho do rapaz? Você, por exemplo, que iniciou seu comentário dizendo que nem o conhece, faz questão de subestimar o trabalho dele, afirmando que é exagero de muitos afirmar que foi uma perda para a música brasileira, como se a música brasileira não fosse um conjunto de ritmos.. Música brasileira não é apenas rock, samba, bolsa nova, música brasileira abrange o universo sertanejo também, e nesse gênero musical ele era sim admirado, nesse gênero musical ele tinha sucesso, nesse gênero da música brasileira a morte dele foi sim uma perda. Se querem os “críticos” que alguns alienados reflitam sobre essa cobertura exagerada da mídia, não é impondo uma opinião ou criticando um momento, sem ressaltar algo de positivo que vai fazer alguém entender alguma coisa... Esses críticos ficam no bla bla bla demais, porém, nada acrescentam de positivo. Nada me acrescentou, e poderia me acrescentar, independente do meu gosto musical, que preferencialmente é a música lírica, um gosto que poucos admiram, e independente de eu não ser como a maioria, não desmereço os outros estilos musicais, não desmereço o trabalho do Cristiano Araújo, não desmereço a diferença cultural. É totalmente compreensível o exagero da mídia (Que vive disso), é totalmente compreensível a reação da galera que curte o Cristiano, pra que nesse momento querer criticar tanto? Acho que se equivoca quem de pronto só critica e critica, sem nada acrescentar. Vamos relaxar, deixa essa mídia pra lá, se é pra criticar, vamos pelo menos tentar ressaltar o que há de bom, ressaltar que a diferença cultural é boa, ressaltar as coisas boas...

    ResponderExcluir
  18. O Zeca Camargo é só seu amigo mesmo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só. Hoje em dia não estamos mais trabalhando juntos.

      Excluir