terça-feira, 5 de maio de 2015

ZUMBIDOS

"Entre Abelhas" é o primeiro longa-metragem com DNA do Porta dos Fundos. O diretor Ian SBF também dirige quase todos os esquetes do grupo, e o elenco encabeçado por Fábio Porchat traz vários outros atores que despontaram com o Porta. Mas quem for ao cinema esperando rolar de rir vai se decepcionar. O ponto de partida do roteiro é digno de Woody Allen: um rapaz recém-separado passa a não ver mais as pessoas que o cercam. No começo são estranhos, mas aos poucos seus amigos e parentes também vão sumindo. Uma premissa prenhe de situações cômicas, mas só umas poucas delas chegaram à tela. A pegada de "Entre Abelhas" está mais para o dramático, e lá pelas tantas o filme chega a ficar monocórdico - até que acaba de repente. É uma proposta ousada, e é nítido o esforço de Porchat (também co-autor do roteiro) para não ficar marcado apenas como humorista. Mas dificilmente vai fazer sucesso. E não posso deixar de pensar que, se fosse um filme americano chamado "Among Bees", o distribuidor brasileiro teria mudado o título para algo do tipo "Um Cara Muito Louco".

24 comentários:

  1. O mio babbino caro
    Não volver nunca

    ResponderExcluir
  2. UPDATE não vou mais, a mãe preferiu ver a novela das 7 que tá na última semana. vamos domingo.

    att,

    ResponderExcluir
  3. Tony, você gostou ou não gostou?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei mas não adorei. Achei que se tivessem feito uma comédia a partir da mesma premissa o resultado seria melhor.

      Excluir
  4. Como supostamente disse Amora Mautner para Ingrid Guimarães, “Ingrid, você faz franchising de você mesma! Assim não dá. Você interpreta você mesma o tempo todo. Eu sei que isso está te dando muito dinheiro, mas não rola.O João [Emanuel Carneiro] já me falou para não fazer teste contigo”

    Porchat, franchise dele mesmo, sempre.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. São tantos os atores/atrizes que interpretam eles mesmos...

      Excluir
    2. Gosto da Ingrid, mas se isso for verdade, passo a respeitar ainda mais a Amora Mautner. Acho que gosto mais dela que do pai.

      Excluir
  5. Eu gostei muito e achei que o filme lembra muito o cinema argentino atual. Prova que estamos, sim, no caminho certo.
    Escrevi minhas impressões tão logo saí do filme:

    =====

    ENTRE ABELHAS

    O distúrbio psicológico realmente existe e tem o nome científico de prosopagnosia, que significa em grego "incapacidade de reconhecer caras". A cegueira seletiva limitada a feições foi coberta em um dos intrigantes contos do livro "O Homem Que Confundiu Sua Mulher Com Um Chapeu" (The Man Who Mistook His Wife For A Hat), do célebre neurocientista inglês Oliver Sacks, cujos relatos baseados em casos clínicos raros já renderam outros filmes interessantíssimos como Tempo de Despertar e Rain Man.

    Essas referências científicas nunca são mencionadas em Entre Abelhas, que aborda o problema de um ponto de vista mais pessoal e menos médico. No filme, o protagonista Bruno (Fábio Porchat), sob o estresse da separação recente de sua ex-esposa, de quem ainda gosta, começa gradativamente a deixar de enxergar as pessoas. O que a princípio é um pequeno incômodo começa a ficar cada vez mais sério conforme as pessoas vão desaparecendo da percepção de Bruno em ritmo cada vez mais rápido.

    Com excelentes desempenhos e muito bom desenvolvimento, Entre Abelhas lembra muito os filmes do bom cinema argentino atual. Com a grande vantagem de ter, atrelado ao drama do protagonista, o humor tipicamente brasileiro. Entre Abelhas não é comédia, mas tem momentos de descontração inteligentes proporcionados pela própria graça dos personagens, pela ironia natural de alguns diálogos, e pelo absurdo da situação em si.

    Entre Abelhas é cinema brasileiro em boa fase, com jeito de produto bem acabado, ótimo roteiro e boa diversão.

    ResponderExcluir
  6. Complementando: muita gente não vai gostar por puro preconceito contra o Fábio Porchat (que, aliás, se revela excelente ator). Garanto que se o filme tivesse o Wagner Moura no papel do Porchat, sem mudar mais nada, seria um sucesso e viraria cult.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Preguica do Porchat nivel master nao aguento mais.

      Excluir
  7. Luciano, vc tá bonitão,pegava facim, atualiza o Muque, adoro seu blog.

    ResponderExcluir
  8. Quero mandar um bj pra monotemática que hj ainda não deu as caras, Tonyah o que achou do rosto da Madonna?conte para nós onde encontra aquela máscara.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. nossa cara, serio que você tá afim de saber do rosto da Madonna??? meio raso o assunto

      Excluir
    2. Este blog trata de tudo, até da cara da Madonna,fiz uma brincadeira, pq?não pode?

      Excluir
  9. Shirley Rose (Petista Convicta)5 de maio de 2015 22:48

    Com esse povo acostumado com a programação coxinha do PSDB, tipo "A Praça é Nossa" (ainda está no ar? não tenho o costume de assistir à TV da burguesia), deve ser difícil captar algo realmente artístico!!! Fico contente por meu país contribuir para tudo isso acontecer. Sem o PT não teríamos cinema de qualidade no Brasil.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Shirley rose em que planeta vc vive?

      Excluir
    2. Shirley Rose (Petista Convicta)6 de maio de 2015 20:05

      Vivo no Brasil, 7a economia do mundo, parte dos BRICs!!!!!

      Excluir
    3. Grande bosta! País com um dos maíores índices de desigualdade social do mundo.

      PT não fez absolutamente nada significativo para mudar isso.

      Os bancos tiveram lucros homéricos na gestão do PT.

      Não que o PSDB seja lá melhor que o PT. Mas não pretende ser uma coisa que não é como o PT sempre pretendeu.

      Luciana Genro que estava certa: sujo falando do mal lavado.

      Russia, China e India são super homofóbicas como o Brasil também.

      TUDO UMA MERDA SÓ.

      Acorda massa de manobra!

      PS - Beijo de volta ao meu único fã que sente falta quando não "posto"... Não são todos os assuntos que me interessam. Entendeu benzinho?

      Excluir
    4. Monotemática, te amo.

      Excluir
  10. o cinema brasileiro não produz nada alem de comedia e remake de filmes americanos, afinal exemplo máximo recente é o Boa Sorte que está bem na linha do Garota Interrompida, uma pena o brasileiro ter esse talento pra propaganda mas ter essa falta de criatividade pra roteiros, novelas e seriados, os autores duvidam da inteligencia da audiencia e fazem coisas sempre previsíveis, não assisti esse filme ainda porque na minha cidade não tem exibição dele, resta esperar dois meses pra baixar na internet, pra poder falar mal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo, 95% dos filmes produzidos nos EUA são lixo. Mas são filmes rentáveis. Filme tem que vender. Enquanto não tivermos uma sociedade intelectual, vai ser isso aí.

      Excluir
  11. Filmes brasileiros hoje em dia se resumem a:

    - aqueles tão sem pé nem cabeça que ninguém assiste, e que ficam exatamente um fim de semana em cartaz;
    - aqueles que tratam de favela;
    - aqueles que tratam de folclore nordestino (panelinha pernambucana do meio das artes);
    - aqueles do estilo comédia simplona zorra total com pseudo comediantes tipo Paulo Gustavo.

    Qualquer filme argentino meia boca é melhor e mais universal que a maioria dos filmes brasileiros. Além de custar menos para o bolso dos contribuintes.

    ResponderExcluir
  12. Por causa do seu post, fui ver "entre abelhas" e adorei!
    valeu a dica, Tony.
    o trailer do filme realmente passa uma ideia equivocada da história...
    acho q quiseram fazer dele um filme mais comercial do que é... e acabaram afugentando o público que realmente poderia se interessar pelo filme...

    ResponderExcluir