sexta-feira, 1 de maio de 2015

UMA NOITE NAS ÓPERAS

Que tal assistir a duas óperas de uma vez? Calma, ninguém está falando em encarar todo o ciclo do "Anel dos Nibelungos" de uma só vez. Mss o programa duplo - já fui até num triplo - é uma contante no Theatro Municipal de São Paulo. Juntam-se duas óperas de um único ato, geralmente obscuras, e faz-se um espetáculo grandioso. Aliás, grandioso é pouco para descrever a dobradinha "Um Homem Só / Ainadamar". A primeira é brasileira, com música de Camargo Guarnieri e libreto de Ginafrancesco Guarnieri (curiosamente, os dois não eram parentes). Foi encenada apenas uma vez antes dessa remontagem, em 1963, e recebida com vaias. É um mergulho na angústia de um homem que perdeu tudo - mulher, filho, cachorro, papagaio - e tem uma partitura sem melodias assobiáveis. Mas a concepção cênica de Caetano Vilela faz com que sempre esteja acontecendo algo lindo e interessante no palo, com imagens de alto impacto e cantores sublimes.

Depois do intervalo é a vez da argentina "Ainadamar", uma evocação da Guerra Civil Espanhola e do fuzilamento do escritor Federico García Lorca. É uma ópera-flamenco, com muito pasodoble e Jarbas Homem de Mello dançando lindamente. Foi uma noite digna do Metropolitan de Nova York ou da Opéra Garnier de Paris, e não duvido nada que daqui a pouco Caetano Vilela vai estar dirigindo nesses templos. Ficou curioso? Corre que hoje é a última récita.

14 comentários:

  1. Traumatizei na última ópera do Municipal de Sp.
    Eles capricharam numa montagem moderna de Otello de Verdi.
    Mas esqueceram completamente a música.
    O Regente não segurou a onda, e a ópera foi pro buraco! Coisas básicas da música foram destruídas... Até um cantor que eu adoro estava perdido por causa do regente. Foi ruim de assistir...
    Temo que eles estejam privilegiando a parte teatral das óperas, já que não conseguem ($$$$$) bons cantores e regentes.
    Mesmo assim, qualquer coisa no Municipal tem imenso potencial pra divertir muita gente e formar plateias pra óperas, balés, etc...
    É sempre uma noite inesquecível.
    Vida longa a John Neschling!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As pessoas até hoje aplaudem Karabtchevsky de pé, por aí vc vê o conhecimento e critério zero para música bem tocada.

      Excluir
    2. No brasil, o público de música clássica aplaude qualquer coisa de pé. Mas o espetáculo comentado deve ser muito interessante. Não sou de são paulo, então não posso avaliar.

      Excluir
  2. Pois eu vi Tosca no Municipal em Dezembro e gostei muito, com uma soprano basca (Ainhoa Arteta) e com um cenário lindo. Foi realmente especial.

    ResponderExcluir
  3. Tony, que maravilha vc ter visto Anaidamar. A vida tão curta de Garcia Lorca, ceifada pelo terror franquista no auge do seu sucesso. Toda essa história me toca profundamente. Federico se foi em 1936 e ainda hoje são incompreendidos homossexuais e comunistas. Parece que o passado não passa, o humano não evolui, o preconceito não retrocede.

    ResponderExcluir
  4. Só faltou escrever quem é o compositor dessa Ainadamar, né Tony? Não que Osvaldo Golijov seja um super compositor, mas nesse universo, tradicionalmente o compositor é sempre a figura de maior destaque.

    ResponderExcluir
  5. Na droga da minha cidade, se voce falar a palavra "ópera", perguntam se é algo de comer.

    ResponderExcluir
  6. O mio babbino caro
    Por algum momento tive a impressão de tê-lo visto... Um homem só, bela música, cenografia, iluminação, me remeteu a Eleanor Rigby e a Ele falava nisso todo dia. Ainadamar (fonte de lágrimas), nos redimi da dor de perdermos Lorca naquele momento e daquela forma pelo franquismo retratado por Ramón Ruiz Alonso. Particularmente gostei muito da referências às suas obras, através da "chuva" de livros.
    Algumas montagens são consagradas em dobradinha: Cavalleria Rusticana/I Pagliacci. Na temporada passada, Jupyra e Cavalleria Rusticana. Realmente, uma noite que nos faz um bem danado.

    ResponderExcluir
  7. Tony me tira uma duvida tem teatro no museo metropolitan? Ou apenas uma forca de expressao pelo met abrigar festas importantes?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. São dois lugares diferentes. O Metropolitan Museum, o maior de Nova York, fica no East Side da cidade (a leste do Central Park), e frequentemente aluga suas instalações para festas grandiosas como as da Vogue.

      A Metropolitan Opera faz parte do complexo cultural do Lincoln Center, no West Side. Quando alguém se referir ao "Met", está sempre falando da ópera.

      Excluir
    2. Além de sediar um dos mais importante conservatórios do mundo, a Juilliard School.

      Excluir
  8. Fizeram uma opera de Brokeback Mountain. Voce teve a chance de ver, Tony?

    ResponderExcluir