quinta-feira, 28 de maio de 2015

RODÍZIO À BRASILEIRA

A reeleição é tabu em muitos países da América Latina. Não existe, por exemplo, no México, no Chile, no Peru e no Uruguai. A razão é simples: evitar que a mesma pessoa se eternize no poder, se reelegendo sucessivamente (como era o sonho do falecido Hugo Chávez). O Brasil adotou um sistema parecido com o dos Estados Unidos, que permite uma única reeleição do presidente - quanto aos governadores, cada estado americano tem suas próprias regras. Lá a tradição é que o sujeito se aposente depois de seus dois termos, apesar de não ser lei. Mas por aqui parece que a reeleição já era. Achei surpreendente o placar de 452 a 19, o que mostra que todos os partidos estão contra ela. Inclusive o PSDB, que a introduziu nos anos 90, e o PT, que tanto se beneficiou dela. Pessoalmente, acho bom este modelo que está sendo engavetado. E desconfio de qualquer coisa aprovada pelo nosso atual Legislativo, que me parece tão podre quanto a diretoria da FIFA.

20 comentários:

  1. Alguém sabe explicar porque a "Suprema" Corte Federal do Brasil tem 11 membros?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se o número de juízes fosse a raiz quadrada de um número qualquer, vc acharia que tem um complô de maçons. Fofa, já cansei de vc.
      Ler os comentários aqui é sempre interessante, mas eu prefiro pular os seus.

      Excluir
    2. monotematica = 12 letras. por acaso vc é quase maçon?

      se por uma trivialidade da historia da lingua portuguesa fosse diferente e monotematica se escrevesse com 11 letras vc teria sido maçon?

      Excluir
  2. O mio babbino caro
    Eu também!

    ResponderExcluir
  3. Fiquei extremamente contente com o fim da reeleição, que gera verdadeiras máquinas de reeleição, especialmente nos municípios (acho que a questão é mais grave nas cidades pequenas, onde a corrupção rola solta sem qualquer holofote). Considerando os 5.000 municípios brasileiros, é muita máquina de reeleição desligada.

    ResponderExcluir
  4. Os motivos que levaram esse Congresso a mudar as leis eleitorais devem ter sido os piores possíveis...
    Deixando isso de lado, acho que reeleição é sempre péssimo.
    Qualquer programa de governo sério, para ser implementado, dói. Especialmente nos mais pobres.
    E, quando há a possibilidade de reeleição, os eleitos passam a priorizar políticas que mostrem resultados apenas a curto prazo(2 ou 3 anos), já que seu objetivo principal é sempre se reeleger.
    Acho que se existe alguma chance de algum político fazer as reformas estruturais que tanto o país precisa, isso só acontecerá se ele souber que o seu tempo no poder é limitado e que apenas políticas de longo prazo vão marcar o seu nome na história.
    Vamos ver o que vai sair no final dessa reforma política.
    Coisas muito estranhas estão acontecendo em Brasília...

    ResponderExcluir
  5. Só de olhar pra cara do FHC sorrindo. Filho da puta!

    ResponderExcluir
  6. Que os militantes negros nunca vejam; https://www.youtube.com/watch?v=tzFxd4gxbpQ

    ResponderExcluir
  7. Uma coisa, é algo feito, criticamente com perpscácia, inteligência, sabedoria, ironia. Além de trazer embutido em sua simbologia algo passando bem longe da jocosidade escarnio e constrangimento.

    Que os militantes brancos nunca vejam; https://www.youtube.com/watch?v=nhubp0NtCr4

    ResponderExcluir
  8. Infelizmente, esse projeto nao avançará.

    ResponderExcluir
  9. Todo governo tem como finalidade se perpetuar. Se não puder ser com a mesma pessoa, darão algum jeito.

    Tava aqui analisando os 4,5 primeiros anos do plano real. Foi uma política econômica kamikaze de manter câmbio fixo, política monetária independente e mobilidade de capitais ao mesmo tempo, mas rendeu as duas eleições do FHC. Não que o PT não faça o mesmo em outros campos. Via de regra, todo ano de eleição é ano de torneiras abertas. Ao contrário do ano de vacas magras que se segue.

    ResponderExcluir
  10. Com todo respeito, mas sua coluna do F5 sobre haters está muito ruim. Obviamente, por escrever isso vão me promover a hater, o que todo odiado ama ter, dá status ter haters. Mas o ponto não é esse, é que seus argumentos lá estão pobres, olham apenas para os tais haters como pessoas invejosas e perversas, talvez um ou outro que deseje algo de ruim até seja, mas quem critica algo não está odiando ou invejando, até porque algumas vezes existem contextos, e um deles é que "artista"(coisa que dona Preta não é) que se promove o tempo todo exibindo suas qualidades escolhidas a dedo, não está apenas mostrando a vidinha linda que leva, está trabalhando, está tentando faturar com sua imagem, fazendo disso um produto, e assim como qualquer produto numa loja, as pessoas se sentem no direito de gostar e falar bem ou não gostar e falar mal. Simples , não?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não falo de haters de modo geral na coluna, mas dos que tentam fazer justiça social num comentário da internet.

      Veja bem, não acho que quem critique artista pelo arte que este faz seja hater. Ninguém é obrigado a gostar de nada, e eu mesmo já espezinhei o Huck algumas vezes. Da Preta eu gosto mais, porque ela é muito boa de show. Você já foi a algum? Diversão garantida.

      Enfim, acho bastante criticável a ostentação que muitos fazem. Mas, no caso específico do acidente com o casal Huck, achei que procuraram pelo em ovo para chochá-los. Eles quase morreram, people!

      A Preta é meiio ingënua de se expor tanto, mas nem por isto acho que ela mereça o ódio - e até suspeitas de uso de dinheiro público. Mas enfim, haters gonna hate, e justiceiro social sempre encontra uma injustiça digna de ser sanada.

      Obrigado pelo seu comentário, mas não deu para fazer lá no F5?

      Excluir
    2. Quero explicar que ter escrito que a coluna está muito ruim não era pra avacalhar com o texto ou o autor, ficou mal colocado, era pra enfatizar que não achei a teoria bem sustentada, coisa que agora, aqui, vc ampliou mais e melhor. Agradeço a réplica, e não comentei lá pois acho os comentários no F5 meio desprestigiados, e aqui estou mais acostumado e também sei que aqui vc é mais participativo nos comentários. Afinal, haters ou não, todos querem um pouco ser amados pelo objeto de ódio/amor.

      Excluir
    3. Eu curti a coluna, Tony...
      Até entendo o que o anônimo colocou, mas o fato é que a maioria dos que fazem comentários em sites como UOL e G1 são mesmo como vc descreveu.
      São burros, ignorantes, invejosos, e incapazes de se reconhecer como mesquinhos.
      A Preta Gil é uma boa e velha "palhaça" do circo moderno da mídia...Mas, e daí? tá ganhando o dinheiro honestamente, vindo de gente que quer pagar pelo produto que ela vende...
      Criticar Luciano Huck pelo seu trabalho é uma coisa...Desejar que ele morra só pelo prazer de assistirmos à morte de alguém que tem mais do que nós, é outra completamente diferente...
      E a gente que se cuide, Tony... Do mesmo jeito que tem gente de olho no sucesso do Huck e da Preta, tem gente de olho no nosso sucesso, e prontos pra nos dar uma rasteira... Se não conseguirem roubar o que é nosso, já ficam satisfeitos de nos ver no chão...
      Que se danem os invejosos e beijinho no ombro.

      Excluir
    4. Acho tão esquisito que exista todo um discurso que tenta aliviar a responsabilidade, por exemplo, de criminosos perigosos e jogar pra cima da sociedade a culpa de eles existirem, e no entanto quando se fala de inveja, de trollagem boba de internet, de comentários bobocas que não fazem mal, no maximo magoam o ego de quem só espera bajulação, aí não, aí mete-se o sarrafo na pessoa "invejosa", como se fosse pária da sociedade, digna de ser exposta e pagar bem caro. Quer dizer, se eu vou ali e meto bala na cabeça de um cidadão inocente, eu sou o coitado que a sociedade e o governo e os ricos abandonaram, tadinho de mim que só queria um iPhone que o mundo me negou. Mas se eu falo que a Preta Gil é uma escrota sem talento, eu sou o anti-cristo.

      Excluir
    5. Para! Aqui é Segundo Caderno, não entendeu.

      Excluir
  11. Só um detalhe, ou dois, o PSDB comprou a reeleição e o PT não se beneficiou tanto dela como o proprio PSDB que só no governo de São Paulo segue para - longos - 24 anos. Aqui a alternância de poder nunca é citada. e nunca incomoda.

    ResponderExcluir
  12. Agora eu quero ver aprovarem o fim da reeleição para o legislativo e colocarem o mandato de senador em 4 ou 5 anos. Aí não querem, né? Só estão querendo mostrar serviço e tentar acalmar o povo evitando que odeiem mais o congresso do que já odeiam. Mas é claro, melhor do que nada.

    ResponderExcluir