quarta-feira, 20 de maio de 2015

ISSO É QUE É

Ainda reverberando o final de "Mad Men": muita gente achou tão ambíguo quanto o último episódio dos "Sopranos", mas para mim foi claríssimo (expliquei por quê na minha coluna de ontem no F5). Também recomendo a leitura do artigo de Julia Sweig publicado na versão online da "Folha" de hoje. E pego a deixa para postar a versão completa do épico comercial "I'd Like to Teach the World to Sing", que encerrou a série. Esse marco da história da propaganda tem uma história interessante, e eu agradeço ao anônimo que me mandou este link num comentário de outro post. Aquele foi um dos primeiros momentos em que um produto significou mais do que si mesmo. Em miúdos: o anúncio tornou a Coca-Cola mais do que uma bebida refrescante, como ela era vendida até então. Ela virou um fator de união entre as pessoas - cascata pura, mas também a mais pura verdade. Caso contrário não teria feito tanto sucesso, com um jingle que toca até hoje nas nossas cabeças ("isso é que é... Coca-Cola..."). Desde então, surgiram os conceitos de produto. Uma reles batata frita transcende suas qualidade intrínsecas: é algo para comaprtilhar com os amigos. Um remédio para resfriado não alivia os sintomas, mas faz você aproveitar os bons momentos da vida. Essa bulllshitaiada chegou a um ponto de saturação, e hoje a publicidade busca discursos mais diretos para (literalmente) vender seu peixe. Ainda mais porque a paisagem está mudando, e as pessoas de hoje não são mais atingidas por anúncios como as gerações passadas o foram, nos intervalos comerciais ou nos extintos outdoors. Um puta desafio para o pessoal das agências. E um alívio para mim, que aprendi muito neste mundo mas já não faço parte dele.

8 comentários:

  1. boa análise. sou publicitário, gosto bastante do que faço e posso te garantir que nem tudo é cascata. a gte aumenta, mas ñ inventa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu fui publicitário durante 25 anos...

      Excluir
    2. Um dos ofícios mais mentirosos do mundo é o jornalismo, que pretende ser uma coisa que não é.

      A publicidade é mais honesta.

      Excluir
    3. Nesses tempos em que a política passou a usar da publicidade para vender mentiras sedutoras a eleitores pouco atentos, é de se questionar se o que eles fazem nas campanhas eleitorais é mais ou menos sórdido do que aquilo que a gente tolera(e até se encanta) no dia a dia com as campanhas milionárias voltadas a vender produtos inúteis ou nocivos a pessoas que não precisam e nem podem pagar por eles.
      Ainda não inventaram nada melhor que o capitalismo, mas alguns exageros são de deixar qualquer um desanimado...
      E vou ter que concordar com a monotemática: a publicidade é descarada, e por isso consegue ser mais honesta que o jornalismo.
      Pena que a honestidade não nos absolva dos nossos pecados.
      PS: e descarado sou eu também, que critico mas adoro me entregar a algumas campanhas deliciosas de vez em quando!

      Excluir
  2. Paraaaaaaaa que faltam 4 episódios para eu chegar no final de Mad Men. Estou assistindo devagarinho, porque ainda não estou preparada pra viver em um mundo sem Don Draper! Quando assistir volto aqui!

    ResponderExcluir
  3. Anônimo que mandou o link20 de maio de 2015 20:10

    De nada. Gosto do blog faz tempos. E de vc.

    ResponderExcluir
  4. Tony,
    Eles realizaram uma reunião do Hilltop na campanha "Can't beat the feeling" (Emoção pra valer, aqui): http://youtu.be/Wqd5K5goiIo

    ResponderExcluir
  5. Tony, assisti o final de Mad Man e fiquei um pouco ambíguo. Aquela epopeia de autoconhecimento dos Don, viajando por aí, bebendo e fumando me pareceu um pouco pesado. Mas após refletir e rever acho que o personagem fez o que qualquer grande profissional da área, mas se bem que seria ótimo se os políticos fizessem algo parecido, ir para a rua entender o que está acontecendo e o que as pessoas querem. Esse perfil de executivo de escritório distância o profissional da realidade e acaba-se longe em uma realidade paralela. Detalhe shame on me, tenho quase 40, trabalho com publicidade, inclusive na Mccann e não conhecia Hilltop. Não sabia da importância dele na história da propaganda. Há tb esse texto que fecha tudo o que precisa saber para enxergar direito o que aconteceu.... e como bom oitentista, acredito até hoje nessa imagem da Coca. Amo de paixão o produto. http://www.hollywoodreporter.com/news/mad-men-series-finale-matthew-797302

    ResponderExcluir