domingo, 5 de abril de 2015

PETROLÃO OITENTISTA

Pode ir anotando o nome do diretor J. C. Chandor, porque ele vai ganhar um Oscar daqui a alguns anos. "O Ano Mais Violento" é só seu terceiro filme, mas ele já demonstra o domínio de um veterano. O ano em questão é 1981, tido como o de maior número de crimes da história de Nova York, mas a época nem importa muito. O que está em questão é a capacidade de alguém permanecer honesto mesmo quando o resto do mundo não o é. Uma discussão que nunca foi tão pertinente. O personagem do ator guatemalteco Oscar Isaac - que aqui parece uma mistura de Al Pacino com Aécio Neves - é um empresário do ramo do óleo para calefação, um produto vital para os países frios. Vários de seus caminhões-tanque são roubados, e qual de seus muitos concorrentes que está comprando as cargas? Falando assim soa meio chato, e no começo é mesmo. O filme padece um pouco por ter Chandor também como roteirista, o que significa que nenhuma cena foi cortada. Um pouco de tesoura ia fazer bem. Mas do meio para a metade a coisa engrena, num clima que lembra a trilogia do "Chefão" do Coppola. Jessica Chastain está ótima como a esposa que é mais do que aparenta, mas "O Ano Mais Violento" pertence mesmo ao guapo Oscar Isaac. Pode ir anotando o nome dele também.

6 comentários:

  1. Ele já atraía muitos olhares no lindo filme "Ágora", boa sorte para ele.

    ResponderExcluir
  2. Ele é bonito, talentoso, no bullshit e escolhe bem seus filmes.

    ResponderExcluir
  3. Opa...assim como o Gaspard tem uma mulher feia. Oscar...

    ResponderExcluir
  4. Já fazia o bofe perigón em Drive

    ResponderExcluir
  5. Bee, Aécio? N força vai. Já viu Starship Troopers? Sabe qdo foi escrito? Nos anos 60, sabe pq buenos Aires é a capital da federação? Pq nos anos 60 acreditava-se q Brésil e hermanos seria a grande potência mundial. E o q fizeram? E o q continuam fazendo? Get over it e vamos construir a federação

    ResponderExcluir